279 visualizações


A todos os/as companheiros/as que fizeram parte dessa caminhada,

A Organização Resistência Libertária completou 10 anos de existência. Sabemos que diante da conjuntura política pela qual passamos, existir e atuar de forma pública com um programa revolucionário de transformação social radical, antiautoritária e anticapitalista, é, por si só, uma
razão de RESISTÊNCIA!

Nossa resistência tem caráter libertário, fundada na coerência anarquista entre os meios e os fins. Nossa resistência coloca que quando resistimos ao capitalismo cruel e sanguinário, resistimos as ilusórias promessas autoritárias de libertação.

Asseveramos o que diz George Orwell: “Aqueles que renunciam à liberdade em troca de promessas de segurança acabarão sem uma nem outra”. Esse tempo modesto tem amplo significado para todos aqueles/as que fazem ou já fizeram parte de nossa luta, tanto para nossas vidas pessoais como
para a experiência organizada de luta anarquista no Ceará. São 10 anos de enfrentamento organizado ao machismo, ao racismo, às LGBTTfobías, à concentração fundiária, ao avanço do latifúndio sobre territórios indígenas e quilombolas à especulação imobiliária, à segregação
sócio-espacial nas cidades, ao cárcere, à guerra às drogas e ao nosso povo preto e à exploração da classe dominante sobre o povo pobre.

Em meados de 2007, uma experiência de luta de muitos/as estudantes secundaristas e universitários/as se unia à experiência organizativa de muitos/as militantes anarquistas que há longos anos movimentava a luta libertária nestas terras cearenses. Naquele cenário, prosperou a
fraternidade necessária e a vontade de fazer crescer um coletivo independente das forças/partidos políticos existentes até ali, que na nossa avaliação, representavam mais prejuízos que benefícios aos
movimentos sociais, retirando-lhes potência e ação.

Recordamos com orgulho do dia 8 de dezembro de 2008, na abertura do I Encontro Libertário: Anarquismo e Movimentos Sociais, quando a Organização Resistência Libertária lia seu Manifesto de Criação, após um 1 ano e dois meses de formação política. A partir daí, nossa Organização
foi palco de diversos sonhos, de diversos rostos e cada um/a deles/as foram fermento impulsionador de outros sonhos, de novas pilastras fincadas. Agradecemos aos velhos e novos rostos, aos/às apoiadores/as que cada um/a com sua contribuição fizeram parte de nossa história. Cada um/a participou de um processo coletivo e sinérgico de muita discussão política, revezando-se na difícil tarefa de diálogo e construção de laços de uma unidade possível.

Diante dos resultados de todos esses anos, enchemos nossos peitos de alegria ao lembrar de toda história de luta ombro a ombro entre nós e com os movimentos sociais que participamos. No entanto, é preciso sempre relembrar que nossa história não é triunfalista. É preciso ter coragem,
sob tantos os ângulos, para afirmar nossos acertos e principalmente nossos erros. Afinal, foram muitos destes erros que nos fizeram amadurecer e prosseguir, dirimindo traumas e construindo um espírito de luta coerente com nossa caminhada.

Seguiremos mantendo a resistência libertária diante dos ataques aos direitos do nosso povo oprimido e do projeto monstruoso neoliberal e neofascista que se instalou no Brasil. Seguiremos mantendo a resistência à “esquerda”, mas diferenciando-se desta esquerda que vendeu-se
completamente aos interesses do capitalismo e da classe dominante, que girou todos os seus esforços para a política eleitoreira e que colocou o povo em uma passividade diante da falsa representatividade democrática.

Sempre lutaremos lado a lado com os/as de baixo. Seguiremos caminhando, mesmo que a passos modestos, no caminho cada vez mais próximo da construção do poder popular, no sentido de fazer crescer um povo forte e rumo à revolução social que almejamos. Como nosso projeto jamais seria possível concentrado apenas no Estado do Ceará, é importante mencionar a título de agradecimento, as organizações políticas que constroem conosco o mesmo projeto libertário.

Agradecemos aos companheiros e às companheiras da Coordenação Anarquista Brasileira (CAB), nomeadamente as organizações: Federação Anarquista Gaúcha (FAG/RS), Rusga Libertária (RL/MT), Federação Anarquista do Rio de Janeiro (FARJ/RJ), Federação Anarquista dos Palmares (FARPA/AL), Coletivo Anarquista Luta de Classes (CALC/PR), Organização Anarquista Socialismo Libertário (OASL/SP), Coletivo Anarquista Bandeira Negra (CABN/SC), Federação Anarquista Cabana (FACA/PA), Coletivo Mineiro Popular Anarquista (COMPA), ao Fórum Anarquista Especifista da Bahia (FAE/BA), Organização Anarquista Maria Iêda (OAMI/PE) e Coletivo Mutirão Anarquista (COMUNA) – PB. Agradecimentos especiais ao Movimento Social FOME, de Sobral, pelo companheirismo durante todos esses anos.

Viva a Organização Resistência Libertária!

Lutar, Criar, Poder Popular!

Organização Resistência Libertária
01 de janeiro de 2019




Fonte: Resistencialibertaria.org