Novembro 30, 2020
Do Agencia De Noticias Anarquistas
340 visualizações


Por Hector Pereira | 25/11/2020

Os feminicídios aumentaram em 120% em 2020, devido à pandemia e à falta de ação de um governo que, contraditoriamente, se descreve como “feminista”. Nem mesmo executou a sentença internacional no caso de Linda Loaiza, torturada em 2001 com a aquiescência do Estado.

A cada 33 horas morre uma mulher na Venezuela, vítima de um homicídio. Mais de 200 mulheres foram assassinadas este ano na Venezuela, em meio a uma onda feminicida que não foi detida e que é a expressão máxima, mas não a única, dentro das mil formas de violência de gênero que estão presentes no país.

Outrora conhecido como “o país das mulheres”, a Venezuela hoje vitimiza, e em muitos casos revitimiza, milhares de seus cidadãos sob um sistema que, paradoxalmente, contém legislação avançada para protegê-los, mas carece de vontade política e está repleto de impunidade.

Uma a menos a cada 33 horas

Durante 2020, o feminicídio disparou na Venezuela. Isto aumentou com o confinamento de suas quase 15 milhões de mulheres. Nos primeiros 10 meses do ano, enquanto o mundo contava com mortes por causa da pandemia, o país produtor de petróleo perdeu 217 mulheres devido à violência de gênero. Isto foi registrado pela Utopix, uma organização que disparou os alarmes em 2019, quando começou a medir estes casos em vista do silêncio oficial. Durante anos, o governo venezuelano não publicou estes indicadores ou quase nenhum outro indicador relacionado ao crime.

Assim, com o país em quarentena parcial, o feminicídio aumentou em 120% em comparação com o mesmo período do ano passado. Isto significa que uma mulher é assassinada a cada 33 horas. Este é um aumento tão dramático que foi reconhecido pelo sistema de justiça venezuelano, embora com menos pessoas sendo processadas e condenadas.

“Neste contexto de crise geral, a população feminina está ficando cada vez mais vulnerável por causa da própria crise”, disse a psicóloga Magdymar León, coordenadora da Avesa, uma organização que defende os direitos da mulher no país há 37 anos, à Efe. Neste ponto, ela adverte que há uma necessidade urgente de rever as políticas públicas para incluir uma perspectiva de gênero. E da sociedade em geral, para determinar “por que os homens estão matando suas companheiras” ou o que os faz pensar que eles têm o “direito” de fazê-lo

Estado sancionado

As respostas a estas perguntas podem ser encontradas tanto na cultura machista, que está enraizada até mesmo entre as mulheres do país, como na impunidade que abunda nestes casos e pela qual a Corte Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) sancionou o Estado venezuelano em 2018. A condenação histórica, a primeira contra um Estado por violência de gênero cometida por um particular, foi obtida por Linda Loaiza, uma advogada de 39 anos de idade que processou seu país por negar um oportuno acesso à justiça depois que ela foi sequestrada, estuprada, mutilada e torturada em 2001.

“O Estado permitiu a tortura e a escravidão sexual… Houve aquiescência do Estado. Isto é, permitiu, facilitou”, explica Loaiza, lembrando o tratamento discriminatório que recebeu naqueles anos quando entrou em greve de fome para protestar contra a absolvição do acusado. Apoiada por uma sentença internacional que não foi cumprida em seu país, a mulher ainda tem sede de justiça, depois de ter “tirado o véu das instituições” da Venezuela, como ela descreve ter enfrentado todo um sistema que a menosprezou e revitimizou. “Se alguém quiser saber como tem sido o progresso dos direitos das mulheres em todos os níveis (…), pode ver isso refletido especificamente no meu caso”. Acho que todos os lados da moeda estão lá”, diz ela.

Que feminismo?

Tudo isso aconteceu sob um governo que se define incessantemente como feminista e aplaude as mulheres por sua contribuição para a chamada “revolução” bolivariana.

“Dê-me mais barrigas (grávidas)”, disse Nicolás Maduro em várias ocasiões. Com 96% de pobreza e a maior taxa de gravidez adolescente da América do Sul, o presidente, que se autodenomina feminista, ordena cada vez mais gravidezes.

Diante disso, a Avesa denunciou que a política pública venezuelana não está voltada para as mulheres, mas para as mães. Isto envia uma mensagem aos cidadãos de que eles estarão “protegidos” se se reproduzirem. Assim, a liberdade de decisão não é promovida em um país que tem uma lei que protege a mulher desde 2007. Mesmo que a lei exista, no entanto, o Executivo ainda não aprova os regulamentos para aplicá-la. Além disso, todos os abortos foram criminalizados, mesmo em casos de estupro ou incesto.

Enquanto isso, Maduro continua proclamando seu amor pelas mulheres, especialmente sua esposa, Cilia Flores, que ele descreveu recentemente como sua “única propriedade”. É “a única coisa que possuo”, disse ele, rindo. Ele disse isso em um discurso transmitido na televisão estatal, duramente criticado por apoiadores e oponentes.

A dívida

Neste 25 de novembro, o Dia da Erradicação da Violência contra a Mulher, a Venezuela chega “em estado crítico”. É assim que León vê isto, destacando que as brechas de gênero se intensificaram em meio à crise econômica e à pandemia da Covid-19.

“Há uma diferença maior entre homens e mulheres em termos de acesso aos recursos (…), à alimentação”, adverte o psicólogo. Ela acrescenta que as mulheres estão sendo deixadas para trás. Isto é evidenciado pelo fato de que “há cada vez menos mulheres nas universidades”.

Loaiza, por sua vez, lamenta que a misoginia continue prevalecendo no mais alto nível de governo. Ela também lamenta que o Estado não cumpra com as exigências da CIDH. Entre outras medidas, ela solicitou que a perspectiva de gênero fosse institucionalizada nos sistemas de justiça e saúde, bem como dentro das forças policiais. A sentença responsabiliza o Estado venezuelano pela violação de direitos como integridade pessoal e liberdade ou igualdade perante a lei, bem como por ter permitido a tortura, o tratamento cruel e degradante de uma mulher a quem continua sendo negada justiça e cujo caso retrata o estado atual das mulheres no país.

A Venezuela tem uma vice-presidente, várias ministras, mulheres chefes de instituições públicas, governadoras, prefeitas, deputadas e um presidente que se autodenomina feminista. Ainda assim, a realidade é o que é: a cada 33 horas uma mulher é assassinada na Venezuela.

Fonte: https://periodicoellibertario.blogspot.com/2020/11/cada-33-horas-asesinan-una-mujer-en.html

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

longe noite escura
uma viola
amor murmura

Eugénia Tabosa




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org