Dezembro 16, 2020
Do Agencia De Noticias Anarquistas
192 visualizações


Um relatório dos sindicatos europeus conclui que a Espanha não conseguiu cumprir suas metas de redução da pobreza no trabalho. A Confederação Europeia de Sindicatos pede uma reforma tributária e sugere que o debate sobre a inadimplência da dívida seja retomado para enfrentar a atual crise econômica.

Por Pablo Erloduy | 11/12/2020

“Somos todos keynesianos se estivermos em uma toca de raposa”. A frase, com um alto grau de sarcasmo, é do economista neoclássico Robert Lucas Jr. É também um guia para reconhecer o sentido que a economia internacional está tendo neste 2020, após uma pandemia que deixa pequena a “grande recessão” que explodiu no Ocidente em 2008. A questão é quanto tempo o capital permanecerá nessa trincheira?

Doze anos após a primeira crise do século XXI e as políticas de austeridade que a seguiram, as instituições europeias tomaram medidas na direção oposta: a expansão dos gastos é a regra e ninguém ousa pronunciar em voz alta a palavra austeridade. Isto é reconhecido pela Confederação Europeia de Sindicatos em seu relatório comparativo anual sobre o trabalho na UE (Benchmarking Working Europe 2020). Uma análise que não esquece as condições pré-crise em todo o continente e as tarefas que não foram feitas na década, quando ninguém era keynesiano ou algo parecido.

A Espanha parte de uma situação complexa, agravada pela crise, dado que suas taxas de desemprego são as mais altas do continente, só ultrapassadas pela Grécia, e a taxa de trabalhadores pobres é alta, a terceira em toda a UE, atrás apenas da Romênia e Luxemburgo, um microestado tremendamente desigual que, em grande parte devido ao alto preço do aluguel, aprovou esta semana um aumento de 2,8% no Salário Mínimo.

A porcentagem de trabalhadores na linha de pobreza aumentou em toda a UE para 9,4 em relação ao nível de 2010, mas na Espanha o aumento tem sido ainda maior. No início da década, 10,9% da força de trabalho se encontrava nesta situação. No ano passado, foi de 12,7%.

A Espanha também não conseguiu atingir suas metas de redução da exclusão social. É um dos dez países nos quais a exclusão social tem aumentado durante a década.

A pandemia da covid-19 não pinta um quadro de esperança. “As evidências preliminares sugerem que os trabalhadores que já estão em posições precárias e com salários baixos também correm maior risco de ter que reduzir as horas de trabalho ou perder completamente seus empregos, de modo que a desigualdade continuará a aumentar e as chances de atingir as metas da Europa 2020 serão ainda mais reduzidas”, escreve Sotiria Theodoropoulou, editora do relatório sobre o mercado de trabalho e as metas de desenvolvimento.

Um dos aspectos-chave desta proliferação de empregos relacionados à pobreza é a prevalência nos países do sul da Europa (Itália, Croácia, Portugal e Espanha) de empregos temporários “involuntários” para trabalhadores que procuram e não encontram empregos estáveis em tempo integral.

O relatório de Theodoropoulou especifica que o risco de trabalho em risco de pobreza é maior para os jovens do que para os trabalhadores mais velhos, mas a lacuna tem diminuído na última década. A população migrante, especialmente a de fora da UE, está em maior risco de pobreza.

Alerta Europeu

As centrais integradas na Confederação Europeia de Sindicatos defendem a política expansiva adotada até agora pela Comissão Europeia e advertem que “neste momento, uma nova onda de austeridade não só prejudicaria a recuperação pós-Covid, mas também poderia minar fundamentalmente o projeto de integração social e econômica europeia”.

Esquemas como o kurzarbeit alemão, mais conhecido na Espanha pelo acrônimo de Expedientes de Regulação Temporária de Emprego, salvaram cerca de 42 milhões de empregos. E é significativo, diz esta pesquisadora, que a primeira medida de emergência lançada pela UE foi o Programa de Apoio à Atenuação dos Riscos de Desemprego em uma Emergência (SURE), inicialmente dotado de mais de cem mil milhões de euros. “Desta vez a reação imediata dos governos nacionais e das instituições supranacionais foi a de resgatar a capacidade de produção de suas economias (reais) como um todo (incluindo capital físico e humano), e não apenas de bancos e instituições financeiras”, afirma o relatório do sindicato europeu.

Para seus autores, o problema da dívida é o próximo marco na disputa política sobre o significado da UE. Nesse sentido, o conselho editorial do jornal econômico Financial Times expôs esta semana em um artigo os movimentos no debate sobre os inadimplentes da dívida. Um debate que terminou com um estrondoso golpe após a crise de 2008, mas que terá que ser reaberto, segundo os sindicatos europeus: “É claro que os níveis substanciais de dívida e déficit público que [os países] precisarão incorrer no curto prazo deixarão um legado substancial de endividamento”, apontam, mas nenhum dos acordos alcançados até agora deixa claro o que deve ser feito “para enfrentar o problema da dívida no longo prazo”.

O Benchmarking Working Europe 2020 introduz a reforma tributária como o “elefante na sala” da saída europeia da crise. É necessário “repensar substancialmente” o paradigma econômico e social, “reconhecendo e tributando adequadamente a renda de uma pequena minoria de indivíduos e multinacionais”. Em segundo lugar, acrescentam, “é essencial reconhecer o papel redistributivo das condições de trabalho e salários justos”. Uma função que foi “esquecida” na década anterior, quando o keynesianismo era anátema nos centros de poder europeus.

Os sindicatos consideram positivo o projeto de diretiva sobre salários mínimos adequados, mas ainda é insuficiente e, sem melhoria, “é muito provável que se torne uma oportunidade perdida”, dizem eles.

Fonte: https://www.elsaltodiario.com/crisis-economica/espana-incumple-sus-objetivos-y-el-numero-de-trabajadores-pobres-se-incrementa-casi-un-2percent-en-diez-anos

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

Disseram-me algo
a tarde e a montanha.
Já não lembro mais.

Jorge Luis Borges




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org