216 visualizações

A maioria da elite finlandesa já apoia há muito tempo a ideia de a Finlândia aderir à OTAN. Após o ataque da Rússia à Ucrânia, o apoio à perspectiva aumentou em toda a população devido ao medo da guerra. A elite quer usar esta situação como uma oportunidade para apresentar um pedido de adesão à OTAN.

É compreensível que as políticas hostis de Putin causem medo e uma reação contrária, mas Putin não vai atacar a Finlândia. Putin já se imagina cercado de inimigos. Portanto, uma aliança militar que se oponha a ele se expandindo para a fronteira russa não é necessariamente uma punição, mas sim uma validação de sua visão de mundo iludida. Candidatar-se à adesão à OTAN envolve ameaças de longo prazo altamente teóricas, mas em um longo período de tempo, tudo pode acontecer. Por exemplo, os EUA podem se transformar em uma ditadura.

Como membro da UE, a Finlândia já faz parte de uma aliança militar. Se a Finlândia fosse atacada, todos os condados da UE estariam rapidamente em guerra e, através deles, também os países da OTAN. Assim, uma adesão à OTAN é principalmente sobre identidade. Justifica-se por “pertencer a uma esfera de valores ocidentais”, mas o turco Erdogan, por exemplo, não tem nada a ver com democracia ou direitos humanos. Erdogan ocupou militarmente o norte da Síria, destruindo a sociedade curda, bem como atacando continuamente o norte do Iraque em uma tentativa de esmagar as tentativas curdas de democracia. Esse comportamento não difere significativamente da Rússia de Putin.

Escolher entre dois males pode ser apropriado quando não há mais nada a ser feito, mas a Finlândia não enfrenta uma ameaça que torne essa escolha inevitável. A OTAN-Finlândia seria apenas um capitalista como a Finlândia sem a OTAN, mas a primeira seria mais favorável ao imperialismo. A adesão à OTAN seria uma escolha para apoiar a perseguição do povo curdo.

Não queremos um mundo onde todas as áreas devam fazer parte da esfera de influência de uma superpotência global, e não aceitamos tentativas de estabelecer uma posição na referida esfera de influência, exceto em caso de extrema emergência. A Finlândia já desistiu principalmente da imparcialidade ao aderir à UE, e jogar seus restos no lixo seria apenas uma aceitação de que qualquer imparcialidade é impossível, e o papel dos países menores é apenas escolher o mestre menos repulsivo.

Atacar e ocupar outros países têm sido uma parte inerente da política externa dos EUA nas últimas décadas. A adesão à OTAN não exige a adesão a esses ataques, mas um ataque não é defesa apenas enquanto a vítima do ataque não for capaz de atingir o atacante pelas costas. Não devemos presumir que nenhum dos alvos dos ataques dos EUA ou da Turquia jamais será capaz de revidar. Em teoria, a Finlândia pode se recusar a defender outros países membros da OTAN quando eles mesmos causaram seus problemas, mas na prática, no final, ninguém quer ajudar o cara que nunca oferece ajuda em troca. Se a Finlândia sempre anular a implantação do artigo 5, é improvável que a Finlândia receba qualquer ajuda enquanto estiver sob ataque.

De acordo com aqueles que apoiam a adesão à OTAN, é puramente uma aliança de defesa. Mas muitas vezes é impossível descobrir quem atirou primeiro. Os EUA e a Grã-Bretanha mentem sobre as armas de destruição em massa do Iraque e podem mentir novamente no futuro. Quando um aliado entra em uma guerra, é improvável que você comece a pedir provas e justificativas, mesmo que as razões para a guerra sejam questionáveis. Caso contrário, um aliado logo será um ex-aliado.

A OTAN é baseada em armas nucleares. Opomo-nos às armas nucleares e apoiamos o desarmamento nuclear multilateral.

Há situações em que a defesa não-violenta pode funcionar, mas não acreditamos que possa sempre substituir a autodefesa violenta. A-ryhmä apoia todas as formas de resistência ao imperialismo. Quando as comunidades devem se defender de atores autoritários, sugerimos organizações de defesa voluntárias em vez de um exército. Atualmente na Ucrânia, essa voluntariedade teve sucesso pelo menos em parte e em alguns lugares, porque houve mais defensores dispostos do que equipamentos.

Apoiamos especialmente os anarquistas ucranianos que se organizaram no Comitê de Resistência, e lutam ao lado das forças de defesa regionais da Ucrânia e outras unidades do exército. Além disso, apoiamos as ações não violentas e violentas dos anarquistas russos contra a guerra.

A-ryhmä

Você pode ler mais a fundo sobre a posição de A-ryhmä sobre o poder militarizado e armado no programa de princípios da Alusta, que A-ryhmä assina: http://alustaaloite.blogspot.com/2015/03/alustan-periaateohjelmaehdotus….

Siga as redes sociais de A-ryhmä:

Telegram: https://t.me/aryhma
Facebook: https://www.facebook.com/aryhma/
Instagram: aryhma
Twitter: https://twitter.com/A_ryhma
Youtube: https://www.youtube.com/user/AryhmaHelsinki
Twitch: https://www.twitch.tv/aryhma
Soundcloud: https://soundcloud.com/aryhma
Spotify: https://sptfy.com/a-ryhma

Tradução > GTR@Leibowitz__

agência de notícias anarquistas-ana

chuva constante
o guarda-roupa mudou
agora é varal

Eder Fogaça



on Twitter


on Facebook


on Google+




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org