Fevereiro 18, 2021
Do A Companha
141 visualizações


Faz praticamente um mês que as chuvas fortes causaram grandes tragédias em Florianópolis. A razão é um planejamento urbano voltado para a especulação imobiliária, combinado com a ausência total de políticas públicas para habitação, com tantas gestões que nunca deram a mínima para quem vive nos morros da famosa “ilha da magia”.

Uma família moradora bairro Saco Grande, no Morro do Caju, foi a maior vítima desta tragédia.

No domingo do dia 24/01/2021 Vitor e Amauri tomaram uma rasteira da vida. A laje da casa onde Vitor morava com a mãe Ana Cristina Machado Lopes, 49 anos, e a irmã, Letícia Lopes Machado, 21 anos no bairro Saco Grande veio a baixo e as duas morreram no local.

O desmoronamento mudou a vida de pai e filho. O casal estava separado havia um ano, apesar de separado da esposa, Amauri mantinha-se próximo, Vitor lembra de ter deixado a irmã dormindo no quarto e a mãe fazendo almoço, acreditasse que se Letícia tivesse se levantado pudesse ter sobrevivido.

Vitor havia saído 20 minutos antes da tragédia para ajudar um colega já que a casa dele, 10 metros antes havia enchido com água da chuva, e hoje quem necessita dessa ajuda é Vitor e seu Amauri que perderam exatamente tudo. O intuito da vaquinha é arrecadar fundos para eles recomeçarem a vida do zero. Um recomeço numa casa nova.

Mais informações de como contribuir em:

https://www.vakinha.com.br/vaquinha/ajude-vitor-e-seu-amauri-a-reconstruir-sua-casa




Fonte: Subversivos.libertar.org