Novembro 25, 2020
Do Agencia De Noticias Anarquistas
309 visualizações


Em resposta à crescente repressão contra estruturas da esquerda radical em Leipzig e em outros lugares, cerca de 350 pessoas foram às ruas em solidariedade no dia 31 de outubro de 2020.

A manifestação autônoma anti-repressão tomou as ruas com determinação e preparou-se sem ser intimidada pela alta presença policial. Depois de um prelúdio com discursos no Johannapark, a multidão se dirigiu ruidosamente para o tribunal no centro. Ao longo do percurso, os policiais foram atacados em frente à delegacia principal e o prédio foi coberto com tinta. Os policiais de comunicação e a autoridade da assembleia já haviam se retirado anteriormente. No tribunal do distrito, um grupo de policiais desapareceu em meio a uma densa fumaça negra, na qual alguns participantes da manifestação aproveitaram para enviar algumas pedras e garrafas para esses idiotas. O tribunal do distrito também ganhou um pouco de cor. Na rota restante para Connewitz, a manifestação permaneceu barulhenta e não poderia ser distraída pelos anúncios dos policiais, até que a manifestação terminou em Herderpark com discursos adicionais sobre o despejo do Liebig34 e os julgamentos dos distúrbios no Ano Novo em Connewitz, tudo isso sem prisões ou verificações de identidade.

A manifestação pretendia enviar um sinal contra a crescente repressão estatal nacional e, em alguns casos, transnacional. Estamos claramente do lado de nossos camaradas que atualmente são afetados por esses desenvolvimentos, seja em Stuttgart, Frankfurt, Hamburgo, Berlim, Dresden, Leipzig ou em outro lugar!

Alguns são atingidos, mas, no entanto, destina-se a todos nós – isso também foi mencionado nos discursos. Além do acima mencionado, também foi feita referência aos desenvolvimentos atuais nos julgamentos dos “bancos de parque” em Hamburgo, bem como o julgamento de 129b contra camaradas de armas do TKP / ML, a violenta demonstração de poder pelos policiais em Berlim em conexão com a crescente gentrificação e o despejo do Liebig34, bem como a resposta autoritária ao compromisso antifascista na Alemanha Oriental e a repressão que a acompanha em Leipzig.

Foi bom ver que o início da manifestação foi organizado sob um contexto FLTI, que expressou de forma muito poderosa uma perspectiva feminista dentro da estrutura da organização autônoma. Infelizmente, uma pessoa da FLTI foi atacada por um homem e os slogans de demonstração da série FLTI foram repetidamente perdidos no meio dos gritos ao invés de marchar ruidosamente pelas ruas juntos. Repetidamente, é perceptível que os padrões de comportamento patriarcal são reproduzidos quando a organização autônoma é usada para questionar as relações de dominação. Esta é uma contradição em si mesma e, portanto, deve ser tratada continuamente.

A coleta de dados de telefones e principalmente smartphones aparece repetidamente em processos judiciais. Portanto: Smartphones, câmeras e telefones não têm lugar em manifestações! Mesmo que seja uma decisão pessoal, cujo risco é assumido, outras pessoas estão sempre expostas ao risco de controle, monitoramento e possível repressão.

Os policiais reagiram ao registro da manifestação com grande presença. No início, a manifestação era acompanhada de forma um tanto vaga por “touros de comunicação”. Mas sempre havia unidades nas margens e nas ruas laterais e, claro, Connewitz estava cheio de policiais e vans.

Se a resposta do Estado a uma manifestação é assim, é porque está claro que uma crítica radical das relações de poder atuais está sendo formulada. Portanto, devemos cada vez mais nos unir em círculos autônomos e atacar e criticar consistentemente os excessos atuais na forma de várias crises que andam de mãos dadas com a ordem mundial capitalista. Pois são as relações violentas prevalecentes que deveriam ser protegidas por ações cada vez mais violentas. Aqueles que criticam e não as aceitam são confrontados diretamente com a violência policial e a repressão do Estado.

À parte dos atuais desdobramentos de repressão estatal, que obriga os camaradas a lidar com processos judiciais, detenção ou prisão, especialmente, não queremos esquecer aqueles que morreram nos últimos anos pela violência policial. Estes são, entre outros: Maria B. de Berlim, Aman Alizada de Stade, Rooble Warsame de Schweinfurt, Adel B. de Essen, Amad Ahmad de Kleve e Matiullah Jabarkhil de Fulda.

Links para os julgamentos atuais e grupos de solidariedade:

https://bteam.noblogs.org/ (Leipzig)
https://freiheitfuerlina.noblogs.org/ (Leipzig)
https://www.129a.info/ (Frankfurt)
https://parkbanksolidarity.blackblogs.org/ (Hamburg)
www.rondenbarg-prozess.rote-hilfe.de (Hamburg)
https://kollektivedelweiss.noblogs.org/ (BaWü)
https://solidaritaet.noblogs.org/

Fonte: https://enoughisenough14.org/2020/11/23/leipzig-germany-demo-report-from-october-31-against-the-state-its-laws-down-with-repression/

Tradução > A. Padalecki

Conteúdo relacionado:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2020/10/14/alemanha-liebig34-foi-despejada/

agência de notícias anarquistas-ana

o crisântemo amarelo
sob a luz da lanterna de mão
perde sua cor

Buson




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org