Abril 8, 2022
Do Passa Palavra
180 visualizações

Por Taras Tarasiuk & Andreas Umland

Partidos Políticos Ucranianos de Extrema-Direita

Assembleia Nacional Ucraniana—Autodefesa Nacional Ucraniana (UNA-UNSO)

O partido político Assembleia Nacional Ucraniana–Autodefesa Nacional Ucraniana, conhecido por sua sigla ucraniana UNA-UNSO, é o mais antigo grupo nacionalista significativo na Ucrânia pós-soviética. [8] A UNA-UNSO tem suas origens no início dos anos 1990, quando cresceu a partir de dois grupos menores com nomes pretensiosos, a Assembleia Interpartidária Ucraniana (UMA) e a União Nacional Ucraniana (UNS). [9] Esses grupos se tornaram conhecidos por ajudar a proteger o Parlamento lituano quando unidades do exército soviético invadiram a torre de TV de Vilnius em 1991.[10] Além disso, membros dos quadros da UNS estavam envolvidos na neutralização da tentativa de golpe em Moscou em agosto de 1991. [11] A emergente Ukrains’ka natsional’na samooborona (Autodefesa Nacional Ucraniana ou UNSO) resistiu às forças pró-soviéticas em Kiev, protegendo as reuniões do movimento de independência ucraniano.

Após a declaração de independência da Ucrânia em agosto de 1991, os nacionalistas da UMA, UNS e alguns outros grupos semelhantes se fundiram para se tornarem a Ukrains’ka natsional’na assambleia (Assembleia Nacional Ucraniana ou UNA).[12] Mais tarde, houve esta transição para a UNA-UNSO com duas alas: um partido político (UNA) e uma unidade paramilitar semioficial para “ação direta” (UNSO). [13] A UNSO, além de resistir a várias atividades neoimperiais russas, também esteve envolvida no enfrentamento a organizações e atividades de separatistas e de minorias étnicas na Ucrânia ao longo da década de 1990.

Em 1991, a UNA-UNSO tornou-se, por exemplo, conhecida por agredir o deputado parlamentar da república soviética ucraniana Mykola Honcharov, [14] dispersando o Congresso romeno na cidade de Chernivtsi,[15] e atacando comícios pró-russos em Odesa. [16] Mais tarde na década de 1990, a UNSO participou de confrontos armados no estrangeiro, primeiro na guerra de secessão da Transnístria, [17] depois no conflito da Abecásia e mais tarde na Primeira Guerra da Tchetchênia (mais sobre isso abaixo). [18] Algumas unidades paramilitares da UNSO também participaram do conflito bósnio ao lado dos croatas locais. [19]

Durante o conflito na Transnístria no começo da década de 1990, o objetivo do engajamento estrangeiro da UNSO era proteger a comunidade ucraniana à margem esquerda da Moldávia. [20] Ao fazê-lo, duas unidades paramilitares da UNSO acabaram lutando ao lado de separatistas pró-russos contra o exército moldavo. Assim, intencionalmente ou não, os ultranacionalistas ucranianos funcionaram como aliados situacionais das forças ligadas a Moscou na Transnístria e até mesmo colaboraram indiretamente com o 14º exército da URSS (posteriormente parte das forças armadas da Federação Russa). [21] Este episódio foi um dos primeiros casos de cooperação indireta ultranacionalista ucraniana com uma ação neoimperialista russa.

A posição da UNA-UNSO na guerra civil da Moldávia foi ainda mais estranha, tendo em conta as suas ações simultâneas durante o conflito armado da Abecásia na Geórgia. Lá, no mesmo período, a UNA-UNSO apoiou Tbilisi lutando no lado georgiano contra os separatistas abecásios pró-russos. Por exemplo, em 15 de julho de 1993, um grupo armado irregular da UNSO chamado “Argo” se juntou à batalha contra as tropas russas perto da aldeia Starushkino. Este pode ter sido o primeiro confronto armado em um campo de batalha entre as forças regulares russas e paramilitares ucranianas durante o período pós-soviético. Estranhamente, isso ocorreu na mesma época em que outros ativistas da UNSO estavam na Transnístria apoiando oficialmente a comunidade étnica ucraniana contra o governo moldavo e, assim, colaborando indiretamente com separatistas pró-russos na Moldávia. [22]

Amizades Inesperadas: cooperação de ultranacionalistas ucranianos com agentes russos (2)

A UNSO também participou da Primeira Guerra da Tchetchênia de 1994-1996, ao lado dos separatistas anti-Moscou, enviando a assim chamada “Delegação para a proteção da diplomacia” para a Tchetchênia. [23] A primeira “delegação” foi chefiada por um dos fundadores do movimento, o então membro do parlamento ucraniano Yuriy Tym. [24] Vale a pena notar aqui que o futuro líder da UNA-UNSO, fundador do micropartido Bratstvo e futuro colaborador temporário dos nacionalistas imperiais russos (sobre eles, mais adiante), Dmytro Korchinsky (n. 1964), também participou desta chamada “delegação”[25] .

A UNSO-UNSO apresentou sua ideologia como um “programa de nacionalismo cívico”, onde os membros da nação política ucraniana são identificados por sua afiliação a um determinado estado e não etnia. No entanto, na prática e na retórica, a UNA-UNSO seguiu tradições etnocêntricas da ala radical de Stepan Bandera da Organização dos Nacionalistas Ucranianos (OUN) da época da guerra, e seu braço paramilitar, o Exército Insurgente Ucraniano (Ukrains’ka povstans’ka armiia  – UPA), conhecido como OUN-UPA. [26]  O primeiro chefe da UNA-UNSO foi Yuriy-Bohdan Shukhevych (n. 1933), filho de Roman Shukhevych (1907-1950), o antigo líder lendário da UPA que morreu lutando contra o regime soviético. [27]  Os líderes da UNSO diziam seguir as tradições militares da UPA, e alguns participantes da UNSO acabaram se tornando membros de partidos radicais com ideologias mais explicitamente etno-nacionalistas.

A União de Toda a Ucrânia “Svoboda” (Liberdade)

O partido que mais tarde se tornou o Svoboda foi estabelecido em 13 de outubro de 1991 em Lviv, sob o nome de Partido Social Nacional da Ucrânia (SNPU). Era em grande parte centrado na Galícia Oriental e fundado por representantes das ramificações locais da Organização dos Veteranos do Afeganistão, o grupo jovem nacionalista “Spadshchyna” (Herança) presidido por Andriy Parubiy (n. 1971) que mais tarde se tornaria presidente do parlamento da Ucrânia em 2016-2019, a Irmandade Estudantil de Lviv liderada por Oleh Tiahnybok (n. 1968) e o grupo paramilitar “Varta Rukhu” (Guarda do Movimento) liderado por Yuriy Kryvoruchko (n. 1966) e Yaroslav Andrushkiv (n. 1953). Andrushkiv foi o primeiro líder da SNPU. [28]  Em 2004, o SNPU foi renomeado União de Toda Ucrânia “Svoboda” (Liberdade) e elegeram Tiahnybok como seu novo presidente. O partido geralmente tinha um desempenho ruim nas eleições parlamentares nacionais (Tabela 1). No entanto, em outubro de 2012, entrou para o Verkhovna Rada (Conselho Supremo) com 10,44% dos votos na parte proporcional da votação, mais informações sobre isso abaixo. [29] Este continua a ser, de longe, o melhor resultado eleitoral nacional de uma organização de extrema-direita na história ucraniana pós-soviética. [30]

Durante os anos 90 e início dos anos 2000, o partido — quando ainda se chamava SNPU — estava envolvido principalmente em atividades não eleitorais na Ucrânia Ocidental. [31] Por exemplo, seus membros fariam piquete no prédio da Verkhovna Rada em Kiev, protestando por questões de língua e cultura. Eles também forneciam serviços de segurança para o Patriarcado de Kiev da Igreja Ortodoxa Ucraniana, entre outros. [32]  Como outros partidos ucranianos de extrema-direita da época, o SNPU tinha seu próprio grupo paramilitar, o “Patriota da Ucrânia”, que foi oficialmente dissolvido quando o SNPU foi refundado como Svoboda e repaginado sua imagem pública em meados dos anos 2000. [33]  O “Patriota da Ucrânia” mais tarde reapareceu com uma nova liderança e organização (mais sobre isso mais adiante).

Amizades Inesperadas: cooperação de ultranacionalistas ucranianos com agentes russos (2)

Svoboda começou a ganhar destaque nacional logo depois que o político pró-russo Viktor Yanukovych (n. 1950) venceu as eleições presidenciais em 2010. [34]  Neste contexto, o Svoboda tornou-se o mais visível dos agrupamentos ucranianos ultranacionalistas a conduzir ações públicas contra o Partido das Regiões do eleito Yanukovych, e em apoio à língua e cultura ucraniana. [35]  Em 2012, Svoboda foi um dos principais organizadores de protestos contra a lei pró-russa Kivalov-Kolesnichenko: um novo projeto de lei de idioma associado aos políticos pró-russos Serhiy Kivalov (n. 1954) e Vadym Kolesnichenko (n. 1958) que permitiu — até 2018 — que a língua russa fosse usada como segunda língua estatal em certas regiões. [36]

​​​​​​​Como novo membro do parlamento, Tiahnybok tornou-se um dos líderes dos protestos Euromaidan em 2013-2014. E o Svoboda teve alguns poucos ministros no primeiro governo pós-Euromaidan no final de fevereiro de 2014. [37]  No entanto, o partido já havia desgastado grande parte de sua reputação e popularidade naquela altura. [38]  Como um dos resultados das eleições parlamentares do outono de 2014, Svoboda perdeu seus representantes no governo e na facção ucraniana da Verkhovna Rada, tornando-se novamente um partido de oposição majoritariamente extraparlamentar com uma presença política notável apenas nos parlamentos regionais e locais da Galícia Oriental. [39]

O Movimento Azov e o National Corps

Após a revolução Euromaidan, o movimento Azov — que nasceu de um batalhão voluntário estacionado a princípio no Mar de Azov em 2014 — emergiu como um novo fenômeno político multidimensional e chamativo na paisagem pós-revolucionária da Ucrânia. Desde o verão de 2014, o movimento Azov tornou-se uma nova força de direita proeminente na Ucrânia, rivalizando mesmo com o partido Svoboda. [40] As várias organizações, departamentos, frentes, ramificações e armas do movimento Azov foram estimados capazes de mobilizar 20.000 membros em toda a Ucrânia. [41]

Amizades Inesperadas: cooperação de ultranacionalistas ucranianos com agentes russos (2)

O movimento Azov tem suas raízes em um grupúsculo pouco conhecido e inicialmente russófono em Kharkiv chamado “Patriota da Ucrânia.” [42]  Este círculo inicialmente minúsculo emergiu da ala paramilitar do SNPU de mesmo nome, que havia sido dissolvida em 2004. [43]  O jovem líder do grupo, Andriy Biletsky (n. 1979), assim como alguns outros membros do “Patriota da Ucrânia” foram presos em 2011-2012 por múltiplos movitos, incluindo supostos roubos, espancamentos, terrorismo e agressões. Em parte, essas acusações foram exageradas e se referiam a episódios políticos e não criminais. Os ultranacionalistas presos foram libertos após a queda de Viktor Yanukovych no início de 2014. [44]

Na primavera de 2014, no leste da Ucrânia, Biletsky e seus seguidores organizaram pequenas unidades paramilitares chamadas “homenzinhos negros” — uma referência óbvia ao apelido “homenzinhos verdes”, dado às forças regulares do exército russo que não usavam marcas de identificação enquanto ocupavam a Crimeia no final de fevereiro e início de março de 2014. [45]  À medida que o confronto com grupos pró-russos na Bacia dos Donets (Donbass) e Kharkiv, o agrupamento outrora pequeno de Biletsky cresceu rapidamente. [46]  Em maio de 2014, formou o batalhão de voluntários semirregulares “Azov”, sob os auspícios do Ministério do Interior. [47]  No verão de 2014, o batalhão Azov desempenhou um papel central na libertação da importante cidade industrial de Donbass, Mariupol, dos separatistas liderados pela Rússia. [48]

No outono de 2014, o batalhão havia se tornado uma unidade militar profissional bem conhecida e foi transformado no Regimento “Azov” da Guarda Nacional, totalmente regular, sob o Ministério do Interior da Ucrânia. [49]  Desde então, tem sido considerada uma das formações armadas mais aptas da Ucrânia. Os comandantes do regimento afirmam que agora estão operando de acordo com os padrões da OTAN. [50]  No inverno de 2015, veteranos e voluntários do regimento criaram o Corpo Civil de Azov e, assim, começaram a expandir seu agrupamento político em um movimento social multifacetado. [51]  Em 2016, Biletsky formou o partido político National Corps, atraindo membros do Corpo Civil de Azov e veteranos do Batalhão e Regimento Azov. [52]

Em janeiro de 2018, uma ramificação do movimento Azov, a organização de vigilantes desarmados Esquadrões Nacionais (Natsional’ni druzhyny), tornou-se uma sensação da mídia ucraniana depois que realizou uma marcha de tochas pública visualmente impressionante. [53]  Mais outras sub-organizações e vertentes do movimento Azov surgiram desde 2014. [54]  Elas incluem entidades como o Corpo de Engenharia, a Casa Cossaca (Kozatkyydim), o Clube Literário Plomin (Flame), o círculo Orden (Order), o Corpo de Jovens, o Grupo de Apoio Intermarium e outros. [55]  Embora parcialmente independentes, as frentes e subunidades do movimento Azov partilham posições básicas sobre certas questões políticas, cooperam estreitamente entre si e aceitam Biletsky como líder não oficial de toda a coalizão. Como resultado, o Azov é agora um movimento sócio-político multidimensional que está se desenvolvendo em diversas direções.

Embora inicialmente tendo uma certa distância de outros grupos de extrema-direita ucranianos, o Azov, desde 2016, começou a cooperar com outros ultranacionalistas na Ucrânia. Na primavera de 2019, o National Corps se juntou a uma aliança eleitoral de vários partidos ucranianos de extrema-direita sob o guarda-chuva organizacional do Svoboda para as eleições parlamentares de julho de 2019. Mesmo essa lista unificada de extrema-direita da Ucrânia, no entanto, recebeu apenas 2,15% na parte proporcional das eleições e, portanto, ficou aquém da barreira de entrada de 5% para o parlamento. A coligação ultranacionalista também não conseguiu ganhar nenhum lugar na parte maioritária da eleição e, portanto, foi incapaz de garantir quaisquer mandatos oficiais na 9ª Verkhovna Rada da Ucrânia. Enquanto o atual parlamento ucraniano contém vários membros que se descrevem como “nacionalistas”, apenas uma dos atuais 423 deputados nacionais da Ucrânia, Oksana Savchuk (nascida Kryvolinska, n. 1983), do Oblast de Ivano-Frankivsk da Galícia Oriental, está alinhada com a extrema-direita ucraniana, especificamente, com o  Svoboda. [56]

Amizades Inesperadas: cooperação de ultranacionalistas ucranianos com agentes russos (2)

Apesar tendo se aliado oficialmente com Svoboda e outros desde 2016, o movimento Azov continua a ser um fenômeno ideologicamente e institucionalmente específico dentro do espectro político ultranacionalista da Ucrânia e contém ramificações que professam opiniões atípicas à extrema-direita tradicional ucraniana. [57]  Por exemplo, alguns membros de Azov defendem não uma perspectiva cristã-ortodoxa, mas um interesse pelo paganismo. [58] O movimento Azov conduziu inúmeras ações de rua semipolíticas nas principais cidades e nas cidades menores ao redor da Ucrânia, como as marchas contra o fechamento de uma universidade em Zhovti Vody (literalmente: Águas Amarelas) no Oblast de Dnipropetrovsk. [59] Outra grande questão mobilizadora são vários problemas ecológicos em toda a Ucrânia. [60]

Há rumores de que o movimento Azov era ligado ao ministro dos Assuntos Internos da Ucrânia entre 2014-2021, Arsen Avakov (n. 1964). E há evidências de conexões entre o Movimento de Veteranos da Ucrânia, dominado pelo Azov, e o Ministério dos Assuntos dos Veteranos. [61]  No entanto, desde 2014, o perfil público do movimento tem sido o de uma força de oposição resoluta, envolvida em confrontos com a polícia, e a mobilização política contra o governo. [62]

O Batalhão/Regimento Azov tem sido particularmente ativo no recrutamento de estrangeiros para lutar no leste da Ucrânia. [63] Entre todos os combatentes estrangeiros presentes em Donbass, pode ter havido até 3.000 cidadãos russos que lutaram na guerra russo-ucraniana ao lado do Estado ucraniano. [64]  Alguns deles serviram e ainda estão servindo no Regimento Azov. Como detalhado abaixo, alguns desses antigos ou atuais cidadãos russos também estão ativamente envolvidos no desenvolvimento das estruturas civis e políticas do movimento Azov. [65]

Em agosto de 2020, vários líderes e veteranos do Azov, assim como outros ativistas de certos grupos de estudantes e cadetes nacionalistas, apresentaram uma nova organização paramilitar de direita chamada Centuria — um termo do Império Romano para uma unidade militar de cem homens. [66]  O grupo ucraniano usa a versão latina e a transcrição da palavra ucraniana mais familiar sotnia (cem) como seu nome oficial. [67]  Em um cenário com imagens de legiões romanas, a Centuria realizou sua primeira apresentação pública com Ihor Mykhailenko, o ex-chefe dos Esquadrões Nacionais do movimento Azov, como seu principal orador. Esse movimento sinalizou que os Esquadrões Nacionais haviam sido substituídos pela Centuria. [68]

Amizades Inesperadas: cooperação de ultranacionalistas ucranianos com agentes russos (2)

O site da Centuria anunciava que a organização representa “um grupo de jovens organizados com base na visão de mundo da Personalidade Ucraniana e da tradição europeia”. [69] Desde 2020, a Centuria está envolvida em diversas atividades públicas, como a participação na marcha anual de 14 de outubro em Kiev em homenagem à UPA, [70] passeatas contra a exploração madeireira ilegal, [71] audiências judiciais de ativistas de direita e a promoção da herança medieval da Ucrânia. [72] Assim, a organização replica o ativismo de seu antecessor, os Esquadrões Nacionais. Embora não esteja formalmente subordinado ao National Corps, a maioria dos membros da Centuria está ligada ao movimento Azov. [73]

A Centuria descreve-se como um grupo de “Guerreiros da Luz e da Ordem” na luta contra o “inimigo interno” da Ucrânia. [74] Enquanto os antigos Esquadrões Nacionais se apresentavam como uma milícia não-oficial para a aplicação da lei, a Centúria tem uma gama mais aberta de interesses e está principalmente envolvida em atividades anti-russas em toda a Ucrânia. [75] Por exemplo, em Lviv, em agosto de 2020, ativistas da Centúria atacaram Mykhailo Shpira, um observador político pró-russo, [76] e, em outubro de 2020, bloquearam uma passeata em Vinnytsia do partido pró-russo Shariy. [77]

Uma das maiores ações do movimento até o momento foi apoiar 16 condenados, principalmente de Kharkiv, que atacaram um ônibus em 2020 que levava a organização juvenil pró-russa do deputado Illia Kyva, “Patriotas – Pela Vida!” [78] (Mais sobre Kyva, abaixo). Desde então, as ações de apoio aos nacionalistas condenados de Kharkiv representaram a maioria das ações da  Centúria. [79] Também houve outros ataques a atores pró-russos, um dos quais levou a confrontos em massa em 21 de setembro de 2020, em Odesa. [80]

Amizades Inesperadas: cooperação de ultranacionalistas ucranianos com agentes russos (2)

A Centuria usa parafernália militar e prepara seus membros para o serviço militar. Ela treina seus próprios grupos de defesa territorial, na verdade duplicando a operação de unidades semelhantes dentro das reservas das Forças Armadas da Ucrânia. [81] O número de membros da organização atualmente é desconhecido mas suspeita-se que corresponda ou supere a força de seu antecessor, os Esquadrões Nacionais do Azov, que tinha aproximadamente 1.000 membros ativos. [82]

O Setor Direito

O Pravyy Sektor (Setor Direito, PS) foi originalmente formado no final de 2013 durante os primeiros protestos do Euromaidan como uma organização guarda-chuva informal de diversos grupos políticos e paramilitares de extrema-direita minoritários. Por cerca de meio ano, até aproximadamente meados de 2014, parecia que o PS estava se tornando um concorrente sério do, mais antigo, partido Svoboda. [83] O Setor Direito ficou famoso durante os eventos de janeiro-fevereiro de 2014 na capital da Ucrânia, quando seu então líder, Dmytro Yarosh (n. 1971), assumiu publicamente a responsabilidade pelos confrontos com as forças governamentais na Rua Hrushevsky, no centro de Kiev. O confronto ali foi uma intensificação chave no desenrolar dos protestos [84]. Todavia, além da alta visibilidade pública, a qual não foi menor na mídia russa e pró-russa, o nível de impacto significativo da extrema-direita no surgimento, progresso, intensificação e conclusão dos protestos são questões controversas entre os pesquisadores desses eventos [85].

Com o início da guerra na Ucrânia Oriental, o Pravy Sektor formou os Corpos Voluntários Ucranianos (Dobrovol’chyy ukrains’kyy korpus – DUK), uma pequena unidade militar irregular para a qual o termo “Corpos” é hiperbólico. Em 2015, o Pravy Sektor reivindicou publicamente ter cerca de 20 mil de participantes ativos, um exagero aparentemente grande [86]. Na verdade, o número geral de membros permanentemente envolvidos do movimento descentralizado era de algumas centenas de homens e algumas mulheres. Em 2014, o nome “Pravy Sektor” (Setor Direito) tinha se tornado um nome popular para vários agrupamentos pequenos que estavam emergindo pela Ucrânia, apesar de que alguns tinham muito pouco a ver com o Pravy Sektor original, com seu quartel-general em Kyiv.

O Pravy Sektor rapidamente caiu em descrédito em razão de um número de eventos locais tal qual um confronto armado em Mukachevo em 2015, quando vários de seus membros de seu ramo local se envolveram em um tiroteio com um grupo criminoso local [87]. Antes disso, em março de 2014, o líder do braço local do Pravy Sektor em Rivne na Ucrânia Ocidental e criminoso condenado, Oleksandr Muzychko (1962-2014), também conhecido como  “Sashko Bilyy“, foi baleado e morto em um confronto com a polícia. Na década de 90, Bilyy esteve entre os voluntários da UNSO na Chechênia e era procurado desde então na Rússia.

Em 2015 a organização original se fracionou quando seu popular líder, Dmitri Yarosh (n. 1971), deixou o cargo como líder do Pravy Sektor. Ele fundou seu próprio grupo menor, chamado “Iniciativa Estatista de Dmitri Yarosh”. Sua saída levou à marginalização do Pravy Sektor que não teve desde então nenhum líder proeminente. Embora fosse bastante presente nas mídias de massa da Ucrânia, da Rússia e do Ocidente em 2014, hoje em dia o Pravy Sektor não é nem mesmo mencionado em muitas pesquisas de opinião e, quando citado, gera um apoio mínimo entre os entrevistados. No entanto, o Pravy Sektor permanece um partido registrado e tem operado nos últimos anos em cooperação próxima com o Svoboda, os National Corps e outras estruturas de direita [88].

Amizades Inesperadas: cooperação de ultranacionalistas ucranianos com agentes russos (2)

A sociedade “incivil” ucraniana

Muitos dos ativistas da direita radical ucraniana são membros de algum dos partidos políticos relevantes de direita. Existem também um grupo de ativistas, todavia, cujas atividades são voltadas sobretudo à ação direta no campo cultural e social ao invés de se voltarem à participação eleitoral. As principais organizações ativas na sociedade civil ucraniana — além das supracitadas subunidades não partidárias do movimento azovista — são as seguintes:

“Bratstvo” (Irmandade)

Após sair da UNA-UNSO em 1997, Dmitri Korchinsky, um de seus líderes mais conhecidos, se tornou sobretudo um comentador e debatedor político [89]. Em 1999, ele fundou uma nova organização chamada “Bratstvo” (Irmandade) [90]. Se apresentando como um “Hezbollah Cristão”, a “Bratstvo” procurou seu próprio nicho como um partido abertamente radical. Ainda assim, porém, ela é vista principalmente como um grupo marginal de lunáticos [91]

A “Bratstvo” foi um dos poucos movimentos de extrema-direita que não apoiaram a Revolução Laranja de 2004. Ao invés disso, por um tempo, esse movimento cooperou com estruturas políticas pró-russas e pró-Putin — assunto que trataremos mais abaixo [92]. Todavia, durante a Revolução da Dignidade em 2013-2014, os grupos ligados a Korchinsky estavam presentes desde o início. Em particular, a “Bratstvo” se envolveu em uma dúbia e violenta manifestação que degringolou para um conflito com a polícia em frente ao edifício da Administração Presidencial em 1 de Dezembro de 2013 [93]. No começo da Guerra Russo-Ucraniana em 2014, Korchinsky esteve brevemente envolvido com o Batalhão Azov antes dele criar sua própria unidade paramilitar, o Batalhão Santa Maria [94].

C14

O grupo neonazista C14 foi criado em 2009 em Kiev por Evhen Karas (n. 1987) [95]. Ele é composto de algumas centenas de membros, principalmente jovens de ambos os gêneros [96]. Acredita-se que a letra de seu nome, “C” ou “S” (variando de acordo com a tradução), faz referência ao termo para um forte cossaco na floresta, “sich”. O número “14” é um código para a famigerada citação do supremacista branco estadunidense David Eden Lane, que cunhou um slogan composto por 14 palavras : “We must secure the existence of our people and a future for white children” [Nota do tradutor: “nós precisamos garantir a existência de nosso povo e um futuro para as crianças branças”, em português]. Sendo totalmente marginal até 2013, o C14 ganhou destaque público através da sua participação na Revolução da Dignidade [97]. Ele também se tornou infame em razão de suas ações contra grupos anarquistas, esquerdistas, liberais e pró-russos. Ele ainda é notório por ataques a grupos LGBTQ+ e seus apoiadores durante as Paradas de Orgulho LGBTQ+ de Kyiv entre  2015 e 2018 [98].

Amizades Inesperadas: cooperação de ultranacionalistas ucranianos com agentes russos (2)

O Carpathian Sich

O grupo de extrema-direita de Uzhhorod chamado “União Militar-Patriótica da Transcarpátia Karpatska Sich (“Forte Cárpato”, em tradução livre ao português), chamado aqui de Carpathian Sich, foi criado como um grupo informal e não registrado em 2010 sob a liderança de Taras Deiak (n. 1992) [99]. Ele é menos conhecido do que outros grupos discutidos neste artigo. O Carpathian Sich cooperou com ou foi temporariamente parte do Pravy Sektor e manteve contatos tanto com o Svoboda quanto com o departamento internacional do movimento Azov [100]. Quase todas as atividades e membros da organização estão concentrados no Oblast transcárpato da Ucrânia.

Desde 2017, o Carpathian Sich participou nos contraprotestos durante a Marcha da Igualdade anual em Kiev [101]. Eles também rejeitam a Convenção de Instambul sobre os Direitos Humanos [102]. Além disso, eles também desenvolveram ligações com várias micro-organizações de extrema-direita européias e publicamente apoiam atos de terrorismo de supremacistas brancos. Em Agosto de 2019, o Carpathian Sich postou em redes sociais uma tradução ucraniana do manifesto escrito pelos terrorista australiano Brenton Tarrant, responsável pelo assassinato em massa de muçulmanos em Christchurch, na Nova Zelândia [103].

“Tradição e Ordem”

De acordo com seus líderes, o grupúsculo ultraconservador de Kiev, “Tradytsiia i poriadok”, (Tradição e Ordem, TeO) é um “campeão da Cristandade” [104]. Em Kiev, ele se tornou uma organização ativa no pós-Maidan e é sempre visível em manifestações contra a comunidade LGBTQ+ ucraniana [105]. O TeO também reivindica possuir uma unidade paramilitar irregular [106].

Muitos de seus membros supostamente lutaram no Donbass como participantes de batalhões voluntários contra os separatistas liderados pela Rússia. Alguns ativistas do grupo reivindicam possuir laços com a recentemente unida Igreja Ortodoxa da Ucrânia autocéfala estabelecida em 2019 [107]. De acordo com as publicações do TeO, a organização modelo do grupo é a Guarda de Ferro — um partido fascista romeno do período entreguerras [108].

A TeO esteve envolvida em ataques de extrema-direita às Paradas de Orgulho LGBTQ+ anuais de Kiev, tentando dispersá-las [109]. Vistos como fundamentalistas cristãos, os membros da TeO consideram a influência estrangeira na Ucrânia como danosa e se opõe especialmente aos valores da esquerda libertária [110]. A TeO identifica o movimento de 1968 como seu oponente chave e vê a formação de sua organização como uma reação ao surgimento do discurso neo-Marxista na Ucrânia [111].

Amizades Inesperadas: cooperação de ultranacionalistas ucranianos com agentes russos (2)

Notas

[8] Halyna Bendza, “UNA-UNSO: Nove oblychchia?” Studii politolohichnoho tsentru Heneza 1 (1997): 48-51.
[9] Evhen Vasyl’chuk, “Ideolohichni doktryny ukrains’kykh pravoekstremists’kykh ob’’ednan’ u konteksti postmodernistskoho dyskursu (na prykladi UNA-UNSO),” Visnyk Natsional’noho tekhnichnoho universytetu Ukrainy “Kyivs’kyi politekhnichnyi instytut”: Politolohiia. Sotsiolohiia. Pravo 3 (2013): 16-20.
[10] “Prezydent Lytvy nahorodyv hrupu ukrayintsiv – zakhysnykiv Vilʹniusa 1991 roku. Foto,” Novynarnia, 11 January 2020.
https://novynarnia.com/2020/01/11/prezident-litvi-nagorodiv-grupu-ukrayintsiv-zahisnikiv-vilnyusa-1991-roku-foto/.
[11] “Short history of UNA-UNSO,” UNA-UNSO, 17 de Abril de 2020. http://una-unso.com/styslyi-kurs-una-unso.
[12] “Short history of UNA-UNSO.”
[13] “Short history of UNA-UNSO.”
[14] “Short history of UNA-UNSO.”
[15] “Zaria nezalezhnosti. Kak v 90-ye ukrainskiye natsionalisty sozdali partiyu, tserkov’ i shturmovyie otryady,” Lenta.ru, 20 de Outubro de 2018, https://lenta.ru/articles/2018/10/22/ukrideology7/.
[16] “Zaria nezalezhnosti.”
[17] Stanislav Secrieru, “Come and Go: Trajectories of Foreign Fighters in and out of Moldova,” NATO Science for Peace and Security Series – E: Human and Societal Dynamics (2016): 108-124.
[18] Vasilii Babenko, “Pravyi radikalizm v gosudarstvennoi politike sovremennoi Ukrainy,” in: Pravyi radikalizm v Vostochnoi Evrope (Moscow: RAN, 2018): 134-167.
[19] Raymond C. Finch III, “The Strange Case of Russian Peacekeeping Operations in the Near Abroad 1992-1994.” Foreign Military Studies Office, Fort Leavenworth, 1996.
[20] Valeriy Pal’chuk, UNSO – pershyi posvyst kul’ (viyna u Pridnistrov’i, 1992 rik): viys’kovi memuary (Kyiv-Mena: Dominant / Orienty, 2016).
[21] Secrieru, “Come and Go: Trajectories of Foreign Fighters in and out of Moldova.”
[22] Eduard Baidaus, “Portraying Heroes and Villains: Moldovan and Transnistrian Print Media during the 1992 War in the Dniester Valley,” Canadian Slavonic Papers 60:3-4 (2018): 497–528.
[23] “Short history of UNA-UNSO.”
[24] “Short history of UNA-UNSO.”
[25] Ewa Wolska-Liśkiewicz, “Czeczeński ślad na Ukrainie,” Bezpieczeństwo: Teoria i Praktyka 3 (2014): 39-46.
[26] Vasyl’chuk, “Ideolohichni doktryny ukrains’kykh pravoekstremists’kykh ob’’ednan’ u konteksti postmodernistskoho dyskursu.”
[27] Per Anders Rudling, “The Cult of Roman Shukhevych in Ukraine: Myth Making with Complications,” Fascism: Journal of Comparative Fascist Studies 5:1 (2016): 26–65; “Shukhevych Yuriy-Bohdan Romanovych,” CHESNO PolitHub, 1 de Janeiro de 2020, https://www.chesno.org/politician/17209/.
[28] “History of All-Ukrainian Union ‘SVOBODA’,” Svoboda, 1 de Abril de 2020, https://svoboda.org.ua/party/history/.
[29] Anton Shekhovtsov, “From Para-Militarism to Radical Right-Wing Populism: The Rise of the Ukrainian Far-Right Party Svoboda,” in: Ruth Wodak, Brigitte Mral, and Majid KhosraviNik, eds., Right Wing Populism in Europe: Politics and Discourse (London: Bloomsbury Academic, 2013): 249-263; Viacheslav Likhachev, “Right-Wing Extremism on the Rise in Ukraine,” Russian Politics and Law 51:5 (2013): 59-74.
[30] Anton Shekhovtsov, “Vseukrainskoe ob’’edinenie ‘Svoboda’: Problema legitimnosti bor’by za vlast’,” Forum noveishei vostochnoevropeiskoi istorii i kul’tury 9:1 (2013): 22-63; Sergei Vasylchenko, “‘Svoboda’ protiv vsekh: kratkii obzor rezul’tatov radikal’nykh pravykh na vyborakh 1994-2012,” Forum noveishei vostochnoevropeiskoi istorii i kul’tury 9:1 (2013): 64-92; Anton Shekhovtsov and Andreas Umland, “Ultraright Party Politics in Post-Soviet Ukraine and the Puzzle of the Electoral Marginalism of Ukrainian Ultranationalists in 1994-2009,” Russian Politics and Law 51:5 (2013): 33-58; Viacheslav Likhachev, “Social-Nationalists in the Ukrainian Parliament: How They Got There and What We Can Expect of Them,” Russian Politics and Law 51:5 (2013): 75-85.
[31] Artem Iovenko, “The Ideology and Development of the Social-National Party of Ukraine, and its Transformation into the All-Ukrainian Union ‘Freedom,’ in 1990–2004,” Communist and Post-Communist Studies 48:2 (2015): 229-237.
[32] Vasylchenko, “‘Svoboda’ protiv vsekh.”
[33] Viacheslav Likhachev, Right-Wing Extremism in Ukraine: The Phenomenon of “Svoboda” (Kyiv: EAJC, 2013).
[34] Anton Shekhovtsov, “The Creeping Resurgence of the Ukrainian Radical Right? The Case of the Freedom Party,” Europe-Asia Studies 63:2 (2011): 203-228.
[35] Michael Moser, Language Policy and Discourse on Languages in Ukraine Under President Viktor Yanukovych (25 February 2010–28 October 2012) (Stuttgart: ibidem-Verlag, 2013).
[36] “Istoriia kievskikh ‘Maidanov’ – ot Revoliutsii na granite do Iazykovogo maidana,” Segodnya.ua, 2020, https://www.segodnya.ua/ukraine/istoriya-kievskih-maydanov-ot-revolyucii-na-granite-do-yazykovogo-maydana-484705.html.
[37] Vladimir Ishchenko, “Uchastie kraine pravykh v protestnykh sobytiiakh Maidana: Popytka sistematicheskogo analiza,” Forum noveishei vostochnoevropeiskoi istorii i kul’tury 13:1 (2016): 103-127.
[38] Anton Shekhovtsov, “From Electoral Success to Revolutionary Failure: The Ukrainian Svoboda Party,” Eurozine, 5 de Março de 2014. http://www.eurozine.com/articles/2014-03-05-shekhovtsov-en.html/.
[39] Lenka Bustikova, “Voting, Identity and Security Threats in Ukraine: Who Supports the Radical ‘Freedom’ Party?” Communist and Post-Communist Studies 48:2 (2015): 239-256.
[40] Andreas Umland, “Irregular Militias and Radical Nationalism in Post-Euromaidan Ukraine: The Prehistory and Emergence of the ‘Azov’ Battalion in 2014,” Terrorism and Political Violence 31:1 (2019): 105-131; Ivan Gomza and Johann Zajaczkowski, “Black Sun Rising: Political Opportunity Structure Perceptions and Institutionalization of the Azov Movement in Post-Euromaidan Ukraine,” Nationalities Papers 47:5 (2019): 774-800.
[41] Katharine Quinn-Judge, “A Shadow over Ukraine’s Presidential Election,” International Crisis Group, 19 de Abril de 2019, www.crisisgroup.org/europe-central-asia/eastern-europe/ukraine/shadow-over-ukraines-presidential-election.
[42] Sobre o conceito de “grupúsculos” nos estudos de extremismo de direita, veja: Roger Griffin, “From Slime Mould to Rhizome: An Introduction to the Groupuscular Right,” Patterns of Prejudice 37:1 (2003): 27-50.
[43] Anton Shekhovtsov, “Radikale Parteien, irreguläre Verbände: Ukrainische Milizen aus dem rechtsextremistischen Milieu,” Osteuropa 69:3-4 (2019): 149–162.
[44] “Velyke interv’iu. Komandyr Natsionalʹnykh druzhyn, Ihor Mykhaylenko druh Cherkas,” Ndrugua.org, 23 de Junho de 2019, https://ndrugua.org/articles/velyke-intervyu-komandyr-nacionalny/
[45] “Ne bachu zhodnoho parostka do stvorennia armii novoho zrazka”, Gazeta.ua, 10 de Junho de 2015, https://gazeta.ua/articles/people-and-things-journal/_ne-bachu-zhodnogo-parostka-do-stvorennia-armiyi–novogo-zrazka/625937; “‘Little green men’ or ‘Russian invaders’?” BBC, 2014, https://www.bbc.com/news/world-europe-26532154.
[46] “Iz budivli ‘Prosvity’ na vul. Rymarsʹkii, de stalasia perestrilka, pochaly vykhodyty lyudy,” 112.ua, 15 de Março de 2014, https://ua.112.ua/kryminal/iz-budivli-prosviti-na-vul-rimarskiy-de-stalasia-perestrilka-pochali-vihoditi-lyudi-34519.html.
[47] “Komandyr polku ‘Azov’ Andrii Bilets’kyy: Ti, khto prolyvaye krov za Ukrainu, povynni maty sviy holos u vladi,” UNIAN, 11 de Outubro de 2014, https://www.unian.ua/politics/994779-komandir-polku-azov-andriy-biletskiy-ti-hto-prolivae-krov-za-ukrajinu-povinni-mati-sviy-golos-u-vladi.html.
[48] “Komandyr polku ‘Azov’ Andrii Bilets’kyy: Ti, khto prolyvaye krov za Ukrayinu, povynni maty svii holos u vladi,” UNIAN, 11 de Outubro de 2014, https://www.unian.ua/politics/994779-komandir-polku-azov-andriy-biletskiy-ti-hto-prolivae-krov-za-ukrajinu-povinni-mati-sviy-golos-u-vladi.html.
[49] “‘Azov’ rozshyryvsia do polku i naholoshuye, shcho na vybory ne ide,” Ukrains’ka Pravda, 18 de Setembro de 2014,http://www.pravda.com.ua/news/2014/09/18/7038164/.
[50] “Bilets’kyy: Dlia novoho prezydenta armiia – tema dlia harnoho posta u Feisbutsi,” ZIK.ua, 12 de Setembro de 2019,https://zik.ua/news/2019/09/12/biletskyi_dlia_novogo_prezydenta_armiia__tema_dlia_garnogo_posta_u_feysbutsi_1645903.
[51] Gomza and Zajaczkowski, “Black Sun Rising.”
[52] “Chleny TSK ‘Azov’ ta veterany odnoimennoho polku stvoryly politychnu partiyu ‘Natsionalʹnyy korpus’,” Interfax.com.ua, 14 de Outubro de 2016, https://ua.interfax.com.ua/news/political/376701.html.
[53] “‘Natsionalʹni druzhyny: dopomoha pravookhorontsiam chyi sylovyi ‘arhument’ dlia politykiv?” Radio Svoboda, 30 Januray 2020,https://www.radiosvoboda.org/a/29008242.html.
[54] “Azovsʹkyi rukh,” Nackor.org, 8 de Dezembro de 2015, https://nackor.org/ukr/azovskoe-dvizhenie.
[55] Gomza and Zajaczkowski, “Black Sun Rising.”
[56] Andreas Umland, “The Far Right in Pre- and Post-Euromaidan Ukraine: From Ultra-Nationalist Party Politics to Ethno-Centric Uncivil Society,” Demokratizatsiya: The Journal of Post-Soviet Democratization 28:2 (2020): 247-268.
[57] Adrien Nonjon, “Olena Semeniaka, the ‘First Lady’ of Ukrainian Nationalism,” Illiberalism Studies Program Working Papers 1 (2020), https://www.illiberalism.org/olena-semeniaka-the-first-lady-of-ukrainian-nationalism/.
[58] Vitaliy Diachenko, “Chy pokhovaye Bilets’kyy z ‘Azovom’ Veimarsʹku Ukrainu?” Depo.ua, 9 de Junho de 2016, https://www.depo.ua/ukr/politics/chi-pohovae-biletskiy-z-azovom-veymarsku-ukrayinu–04062016200000.
[59] “Natsionalʹnyy Korpus prodovzhuye borotʹbu za mozhlyvistʹ studentiv Zhovtykh Vod navchatysia u ridnomu misti!” Nationalcorps.org, 20 de Junho de 2017,https://nationalcorps.org/naconalnij-korpus-prodovzhu-borotbu-za-mozhlivst-studentv-zhovtih-vod-navchatisja-u-rdnomu-mst/.
[60] “Tysiachi liudey pryikhaly na Khortytsiu sadyty duby v pam’’iat’ pro zahyblykh voiniv,” Natsionalʹnyy Korpus, 22 Abril de 2018, https://youtu.be/BVH4axKZlJU.
[61] “Ukraine’s Ministry of Veterans Affairs Embraced the Far Right – With Consequences to the U.S,” Bellingcat, 11 de Novembro de 2019, www.bellingcat.com/news/uk-and-europe/2019/11/11/ukraines-ministry-of-veterans-affairs-embraced-the-far-right-with-consequences-to-the-u-s/.
[62] “Avakov khoche zalyshytysʹ hlavoiu MVS – Chernenko pro napad na Poroshenka,” Prm.ua, 19 de Julho de 2019, https://prm.ua/avakov-hoche-zalishitis-glavoyu-mvs-cherenenko-pro-napad-na-poroshenka/.
[63] Michael Colborne and Oleksii Kuzmenko, “The ‘Hardcore’ Russian Neo-Nazi Group That Calls Ukraine Home,” Bellingcat, 4 de Setembro de 2019, https://www.bellingcat.com/news/uk-and-europe/2019/09/04/the-hardcore-russian-neo-nazi-group-that-calls-ukraine-home/.
[64] Kacper Rekawek, “Career Break or a New Career? Extremist Foreign Fighters in Ukraine,” Counter Extremism Project, Abril de 2020, p. 7, https://www.counterextremism.com/press/new-cep-report-career-break-or-new-career-extremist-foreign-fighters-ukraine.
[65] Colborne and Kuzmenko, “The ‘Hardcore’ Russian Neo-Nazi Group That Calls Ukraine Home.”
[66] Há também aparentemente uma organização de oficiais do exército mais velha com o mesmo nome, cujo membros tiveram contato com o movimento Azov, mas mesmo assim não têm fortes ligações com eles.
[67] Denis Rafal’skii, “Podrazhanie Tsezariu: Zachem u Biletskogo sozdaiut ‘Tsenturii’ i chto teper’ budet s ‘Natsdruzhinami’,” Strana.ua, 4 de Agosto de 2020, https://strana.ua/articles/analysis/282421-tsenturija-biletskoho-chto-izvestno-o-novoj-orhanizatsii-natsionalistov.html.
[68] Rafal’skii, “Podrazhanie Tsezariu.”
[69] Centuria.ua, https://centuria–ua.com/.
[70] “CENTURIA. Marsh zakhysnykiv Ukrainy,” Centuria, 15 de Outubro de 2020, https://youtu.be/HShvUliDe2w.
[71] “Nezakonna vyrubka lisu,” Centuria.ua, 11 de Dezembro de 2020, https://centuria-ua.com/nezakonna-vyrubka-lisu/.
[72] “Spadshchyna. Terebovlyansʹkyi zamok. Chastyna-1,” Centuria, 28 de Outubro de 2020, https://www.youtube.com/watch?v=cgsPztsoex4&ab_channel=Centuria.
[73] Rafal’skii, “Podrazhanie Tsezariu.”
[74] Centuria.ua, https://centuria-ua.com/.
[75] Griffin, “From Slime Mould to Rhizome.”
[76] “U Lʹvovi pobyly ‘polittekhnoloha’ prorosiisʹkykh ZMI (video),” UNIAN, 26 de Junho de 2020, https://www.unian.ua/incidents/mihaylo-shpir-u-lvovi-pobili-polittehnologa-prorosiyskih-zmi-shcho-vidomo-foto-novini-lvova-11124815.html.
[77] “U Vinnytsi natsionalisty zablokuvaly avtoprobih partii Shariia,” Centuria, 10 de Outubro de 2020,https://t.me/Centuriaua/197.
[78] “Svobodu kharkivsʹkym robinhudam: 9 veresnya v Kyevi vidbudetʹsia pres-konferentsia-nahorodzhennia patriotiv,” Natsional`nyy Korpus, 7 September 2020, https://nationalcorps.org/svobodu-harkivskim-robingudam-9-veresnya-v-kievi-vidbudetsya-pres-konferenciya-nagorodzhennya-patriotiv/.
[79] “V sudi pravdy ne shukaiutʹ,” Centuria, 31 de Julho de 2020, https://centuria-ua.com/v-sudi-pravdy-ne-shukayut/.
[80] Evhen Solonina, “Bytva ‘patriotiv’: shcho oznachaiutʹ sutychky mizh orhanizatsiamy Biletsʹkoho ta Kyvy,” Radio Svoboda, 3 September 2020, https://www.radiosvoboda.org/a/30818339.html.
[81] “Vyshkil do Pershoho zymovoho pokhodu Armii UNR. Biitsi Tsenturii z Chernihovi, Kyieva, Vinnytsi, Kharkova…”, Youtube, 10 de Dezembro de 2020, https://youtu.be/JYtR_kMW9-o.
[82] Rafal’skii, “Podrazhanie Tsezariu.”
[83] “Pravyi sektor: boevoi otriad Evromaidana,” BBC Ukraine, 14 de Janeiro de 2014. http://www.bbc.co.uk/ukrainian/ukraine_in_russian/2014/01/140120_ru_s_right_sector.shtml.
[84] “5 rokiv pislia Maidanu: khronika narodnoho povstannia,” Deutsche Welle, 20 de Novembro de 2019.
[85] William Jay Risch, “What the Far Right Does Not Tell Us about the Maidan,” Kritika: Explorations in Russian and Eurasian History 16:1 (2015): 137–144; Anton Shekhovtsov, “The Ukrainian Far Right and the Ukrainian Revolution,” in: Irina Vainovski-Mihai, ed., N.E.C. Black Sea Link Program Yearbook 2014-2015 (Bucharest: New Europe College, 2015): 216-237; Kostiantyn Fedorenko, “The Two Movements: Liberals and Nationalists during Euromaidan,” The Ideology and Politics Journal 1:5 (2015): 4-35; Ishchenko, “Uchastie kraine pravykh v protestnykh sobytiiakh Maidana;” V’yacheslav Likhachov [Likhachev], “Chomu perebil’shennia roli ul’trapravykh v ukrains’kii revoliutsii ne mensh nebezpechne nizh prymenshennia,” Zaborona, 3 May 2018, https://zaborona.com/likhachov-column/; Taras Bilous, “Pravoradikaly, hromadians’ke suspil’stvo y demokratiia: replika do dyskusii,” Spil’ne, 9 de Julho de 2018, commons.com.ua/ru/far-right-civil-society/; Ivan Katchanovski, “The Far Right, the Euromaidan, and the Maidan Massacre in Ukraine,” Journal of Labor and Society 23:1 (2020), 5-36.
[86] “Pravyi sektor: skilʹky batalʹoniv u Iarosha?” BBC Ukraine, 15 de Julho de 2015, https://www.bbc.com/ukrainian/politics/2015/07/150714_right_sector_now_vc.
[87] “Mukachivsʹkyi trykutnyk: Kontrabanda, Pravyi sektor ta zakliati druzi,” Ukrains’ka Pravda, 13 de Julho de 2015, https://www.pravda.com.ua/articles/2015/07/13/7074291/.
[88] “Manifest ukrayinsʹkykh natsionalistiv obʹednav ‘Natsionalʹnyy korpus’, ‘Svobodu’ ta ‘Pravyi sektor’,” Hromadske, 16 de Março de 2017, https://hromadske.ua/posts/lidery-natsionalistychnykh-partii-pidpysaly-manifest-pro-spilnu-diialnist.
[89] “Dos’e. Korchinskii Dmitrii,” Liga.net, 21 de Janeiro de 2020, https://file.liga.net/persons/korchinskiy-dmitriy.
[90] “Dos’e. Korchinskii Dmitrii.”
[91] “Korchynsʹkyy-‘satanist’ pryiikhav u TSVK na bronʹovyku,” Ukrains’ka Pravda, 19 de Julho de 2004,https://www.pravda.com.ua/news/2004/07/19/3001239/.
[92] “Dmitrii Korchinskii: ‘Ia khochu v Ukraine khristianskuiu Khizballu’,” Glavred.info, 8 de Abril de 2011,https://glavred.info/politics/3817-dmitriy-korchinskiy-ya-hochu-v-ukraine-hristianskuyu-hizballu.html; “Vitrenko z Korchynsʹkym stvoriuiutʹ narodnu opozytsiiu i klychutʹ Yanukovycha z Medvedchukom,” Ukrains’ka Pravda, 22 February2005, https://www.pravda.com.ua/news/2005/02/22/3007322/.
[93] “Korchynsʹkyy pro podii 1 hrudnia,” 24tv.ua, 1 de Dezembro de 2014, https://24tv.ua/korchinskiy_pro_podiyi_1_grudnya_n515481.
[94] “Dos’e. Korchinskii Dmitrii.”
[95] “Yes, It’s (Still) OK To Call Ukraine’s C14 ‘Neo-Nazi’,” Bellingcat, 9 August 2019, https://www.bellingcat.com/news/uk-and-europe/2019/08/09/yes-its-still-ok-to-call-ukraines-c14-neo-nazi/.
[96] Iryna Shtohrin, “‘S14’. Natsionalisty-radykaly chy neonatsysty?” Radio Svoboda, 19 de Março de 2018, https://www.radiosvoboda.org/a/29109819.html.
[97] Serhiy Movchan, “Nestandart BBC, abo soromʺiazlyvi terorysty,” Politychna krytyka, 19 de Julho de 2017, http://ukraine.politicalcritique.org/2017/07/19/nestandart-bbc-abo-sorom-yazlivi-teroristi/.
[98] “Bellingcat: Ulʹtrapravi hotuiutʹ anty-LHBT aktsii do praydu-2019,” Ukrains’ka Pravda,16 de Junho de 2019, https://www.pravda.com.ua/news/2019/06/16/7218311/.
[99] Karpats`ka Sich, 20 de Abril de 2020, https://karpatskasich.com/.
[100] “Karpats`ka Sich,” FOIA Research, 14 de Janeiro de 2019, https://www.foiaresearch.net/organization/karpatska-sich; “2nd Paneuropa Conference,” FOIA Research, 3 de Março de 2019, https://www.foiaresearch.net/article/2nd-paneuropa-conference.
[101] “Kyiv-Pride: pidsumky,” Karpatsʹka Sich, 2 de Junho de 2019, https://karpatskasich.com/news/item/74-kyiivprayd-pidsumky.
[102] “V Uzhhorodi natsionalisty napaly na mitynh za prava zhinok ta proty nasylʹstva,” Zmina, 9 de Março de 2017,https://zmina.info/news/v_uzhgorodi_nacionalisti_napali_na_miting_za_prava_zhinok_ta_proti_nasilstva-2/.
[103] “The Russians and Ukrainians translating the Christchurch shooters manifesto,” Bellingcat, 14 de Agosto de 2019,https://www.bellingcat.com/news/uk-and-europe/2019/08/14/the-russians-and-ukrainians-translating-the-christchurch-shooters-manifesto/.
[104] Entrevista de Taras Tarasiuk com membros da TiP.
[105] “Zakhystymo ditei vid pederastiv: U Kyevi prokhodytʹ aktsiia protestu na shliakhu khody Kyiv Praidu,” Ukrains’ki Novyny, 23 de Junho de 2019, https://ukranews.com/ua/news/638287-aktsiya-protestu-tradytsiyi-i-poryadku-prohodyt-na-shlyahu-hody-kolony-v-pidtrymku-lgbt-v-kyievi.
[106] “‘Lehiony Poriadku’: v Ukrayini z’iavylasia cherhova paramilitarna orhanizatsiia,” Kontrakty.ua, 17 de Abril de 2019, http://m.kontrakty.ua/photo/7976/4.
[107] Entrevista de Taras Tarasiuk com membros da TiP.
[108] Entrevista de Taras Tarasiuk com membros da TiP.
[109] “Zakhystymo ditei vid pederastiv: U Kyevi prokhodytʹ aktsiia protestu na shliakhu khody Kyiv Praydu.”
[110] Entrevista de Taras Tarasiuk com membros da TiP.
[111] Entrevista de Taras Tarasiuk com membros da TiP.

As artes que ilustram o texto são da autoria de Oleg Holosiy (1965-1993).




Fonte: Passapalavra.info