Janeiro 7, 2021
Do Anarkio
388 visualizações


Existe uma noção de que se afirmarmos simplesmente ser algo, o seremos. Assim, como repetir “Suco de Besouro” por três vezes, aparecerá um ente espectral na sua frente!

Imagine quantas pessoas se tornariam isto ou aquilo, só de se afirmar ou marcar em seu status da rede social preferida.

Isso não ocorre assim, de fato.

Uma outra situação que há uma conversação quase instantânea é a pessoa adquirir um livro qualquer e por osmose, a pessoa se torna um “experto” do assunto. Seria bem interessante se uma pessoa passasse a ser isto ou aquilo, simplesmente por adquirir um livro, fazer algum rito de passagem e … pode exibir sua carteirinha de associada do grupo “X”, “Y” ou “T”.

Lamentavelmente em nosso meio, há muitas pessoas nesta situação.

É! A pessoa acessa umas paginas “hipsters”, “revoltadonas”, pega uns pdfs, vai numa feira de consumo alternativo, começa sua coleção “Caminho Suave da Acracia”, que será seu souvenir “intelectualóide” que ficará cheio de poeira e dificilmente serão lidos.

Ou a pessoa vai em brechós ou “lojas alternativas” atrás de modelitos “punks” (tercerizando o D.I.Y. neste mundo “pós-moderno”!), começa a pintar o “A” em tudo e em si próprio, tatuagem que muitas vezes a mãe, o pai e a vó também fazem, para combinar!

Chega finalmente ao ápice, já munida de todas os acessórios que pode adquirir, começa a “rebelião”, a “revolta”, a “insurgência” contra tudo e todas… agredindo aquelas pessoas que estão próximas, ou a si mesma, acha-se a maior pessoa revolucionária do planeta, na sua ilusão de verdade, pensa mesmo que sabe qual é a solução de todas as mazelas do mundo, ou então, por uma versão distópica, do caos ressurgirá em um mundo novo, melhor na opinião dela.

Mas, não basta colecionar livros, panfletos, revistas, discos, mídias diferentes, broches, camisetas, zines, cartazes, etc, nem muito menos rasgar roupas, fazer pichações, fazer tatuagens, criar grupos virtuais, etc, para que as pessoas sejam anarquistas.

Cada militante anarquista, carrega dentro de si um conceito de transformação, uma revolução social, que merece ser divulgada e analisada, para encontrarmos saídas para todas.

Todas aquelas pessoas que só se envolvem de forma rasa por conveniência egoísta, para se dar bem sem compromisso com o engajamento de luta e ação direta, que se serve do anarquismo para estudos acadêmicos numa escalada de prestigio próprio, desconectados de nossa gente explorada e oprimida, mais cedo ou tarde, largarão tudo ao primeiro cintilar de propostas de cargos, trabalhos e comissões para manter o sistema funcionando. Quem já não ouviu histórias sobre esta ou aquela “revolucionária” que ao conseguir um cargo em uma comissão, chefia, diretoria, empresa, não só esqueceu seus ideais, como passou a repudiar tudo o que fez antes?

Share this…
Share on Facebook0Tweet about this on TwitterEmail this to someonePin on Pinterest0



Fonte: Anarkio.net