405 visualizações


Por Dayana Méndez Aristizábal | 30/06/2021

Há várias semanas, corpos de jovens assassinados e desmembrados começaram a aparecer nos rios, principalmente o Cauca e em várias áreas onde houve uma forte mobilização social, muitos deles em sacos plásticos.

O dia 28 de junho marcou dois meses desde o início das mobilizações na Colômbia, dois meses em que o povo tomou as ruas no que chamaram de greve nacional, para exigir condições de vida dignas e denunciar as injustiças que são cometidas diariamente na Colômbia e que se intensificaram no desenvolvimento dos protestos.

A repressão policial atingiu limites assustadores, a ONG Human Right Watch declarou que nas últimas décadas não havia visto este nível de brutalidade policial na Colômbia. Houve 4687 casos de violência policial, 45 homicídios, 28 casos de agressões sexuais e de acordo com dados do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento e Paz -Indepaz- e da ONG Temblores, estima-se que 548 pessoas tenham desaparecido, tudo isso apenas no contexto das manifestações.

Em 23 de maio, três organizações de direitos humanos, a Comissão Intereclesial de Justiça e Paz, a Equipe Jurídica e Humanitária 21N e a Corporação Justiça e Dignidade, publicaram um relatório baseado em testemunhos, no qual relataram a existência de valas comuns nas áreas rurais dos municípios de Buga e Yumbo e “casas de pique” em Ciudad Jardín, um dos setores mais luxuosos de Cali, que estão sendo usadas para matar manifestantes na greve nacional. As “casas de pique” são lugares cuja existência na Colômbia é atribuída a grupos paramilitares e são usadas para torturar, assassinar e desmembrar pessoas. Como se isto não fosse suficiente, o relatório também afirma que a polícia está envolvida na prática destes crimes, pois é em seus caminhões que os corpos das vítimas, jovens moradores de Cali que participaram das mobilizações, são transportados.

Há muitos relatos que apontam para a polícia agindo em cumplicidade com civis armados para atacar aqueles que participam dos protestos. Há inúmeros vídeos em redes sociais que mostram como pessoas com roupas civis são vistas em plena luz do dia atirando nelas não apenas com a cumplicidade da polícia, mas sob suas ordens e proteção. Há também um trabalho jornalístico de investigação abundante que tem sido feito neste sentido para denunciar estes fatos, mas as autoridades não fazem nada. Na Colômbia, os órgãos de controle são agora influenciados pelo executivo. O Procurador Geral, responsável por iniciar investigações criminais, dedicou-se a apreender os carros que foram usados para bloquear as estradas nas cidades durante a greve, embora o Tribunal Constitucional já tenha dito que estas práticas não constituem crime e fazem parte do exercício do direito de protesto.

Mas a história não termina aí. Há várias semanas, os corpos de jovens assassinados e desmembrados começaram a aparecer nos rios, principalmente no Rio Cauca e em várias áreas onde houve uma forte mobilização social, muitos deles em sacos plásticos, jovens que haviam sido denunciados como desaparecidos em meio aos protestos. Há alguns dias, na zona rural do município de Tuluá, o chefe de Santiago Ochoa, de 22 anos, foi encontrado em um saco plástico. Ele havia deixado sua casa pela manhã e à noite a descoberta arrepiante foi feita.

Estes horrores que são típicos dos regimes ditatoriais estão acontecendo na Colômbia, em um país que se orgulha de ser democrático e respeitoso dos direitos humanos. O governo de Ivan Duque mantém um silêncio cúmplice, parte de uma estratégia que envolve o descrédito da mobilização social, apontando os jovens que estão nas ruas lutando por uma vida digna como “vândalos terroristas”, uma acusação que não só os criminaliza, mas também reforça os abusos policiais, a criação de grupos armados e dá carta branca à impunidade; retornando a Colômbia aos seus piores momentos de violência paramilitar. Neste momento, a população vive em uma situação de absoluta falta de proteção. Sair para exercer o direito de protestar na Colômbia é pior do que ir para a guerra, porque mesmo na guerra os direitos devem ser respeitados.

Em 2002, o escultor e pintor Fernando Botero criou uma pintura que chamou de “Río Cauca”, na qual flutua um cadáver em decomposição no rio cercado de abutres. Botero disse na época que a situação do país era tão crítica que ele sentiu uma obrigação moral de retratar a terrível realidade do país. Aqui estamos quase 20 anos depois, revivendo essas imagens terríveis e essa dor profunda. Mais uma vez, é assim que os desaparecidos reaparecem na Colômbia.

Fonte: https://www.eldiario.es/opinion/tribuna-abierta/aparecen-cuerpos-desaparecidos-colombia_129_8091798.html?fbclid=IwAR3nbxY3s7CnLu2Vh_upljMKzV-Kr71lpwfYWTg7GJ6tUO67gyYDiE1PTHA

Tradução > Liberto

Conteúdo relacionado:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2021/05/27/colombia-cali-informe-desde-os-locais-de-detencao-para-possiveis-valas-comuns-e-casas-de-pique/

agência de notícias anarquistas-ana

Sem ter companhia,
E abandonada no campo,
A lua de inverno.

Roseki




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org