Fevereiro 2, 2021
Do Reporter Popular
118 visualizações


Manifestação na capital reúne diversos movimentos sociais. Piquete sofreu com pressão policial, mas ato ocorreu de forma pacífica

No fim da tarde da última segunda-feira (1), um grupo de cerca de 50 manifestantes se reuniram em frente a Agentransp, no centro do Rio de Janeiro, para protestar contra o aumento das tarifas de barcas e trens. Grupos diversos de estudantes e trabalhadores da oposição (MOB, FIST, UJR, Correnteza, PT e militantes autônomos) seguiram em marcha até a Centra do Brasil.

A manifestação contou com aparato policial desproporcional, apesar do ato seguir de forma pacífica, muitos manifestantes foram revistados e a tensão psicológica era grande. Dezenas de policiais militares brutalmente armados com fuzis engatilhados, mais de 15 carros da BAC, tropas de choque e guardas do metrô acompanharam o ato.

Manifestantes protestam contra o aumento das passagens. Fotos: J.Lee

Após piquete chegar na Central do Brasil – por volta das 18:30 – a polícia fechou os portões de entrada, criando caos no horário de pique do transporte. Pessoas que não participavam da manifestação tiveram muita dificuldade de adentrar a central pelos policiais, tudo isso para impedir que panfletos sobre o aumento fossem entregues aos trabalhadores.

Gritos de ordem como: “Mãos ao alto, esse aumento é um assalto”; “Eu não sou otário, esse aumento vai pro bolso do empresário” e “Sem hipocrisia, esse aumento só é bom pra Supervia”, foram entoados pelas pessoas durante todo o ato.

Os manifestantes se dividiram em grupos pequenos para distribuir panfletos nas portas que ainda estavam abertas, dialogando com as pessoas que passavam por ali. O ato finalizou pacificamente por volta das 19 horas da noite.

Manifestantes se organizaram para panfletar mesmo com a polícia pressionando. Fotos: J. Lee

 

Aumento dos trens e barcas preocupa população carioca

A partir do dia 12 de fevereiro, as tarifas dos transportes aquaviários terão aumento após autorização da Agência Reguladora (Agetransp). A linha seletiva de Charitas será reajustada de R$ 18,20 para R$ 19,00; as linhas da Divisão Sul (Mangaratiba – Ilha Grande – Angra dos Reis) de R$ 17,30 será 18,40; as demais linhas passam de R$ 6,50 para R$ 6,90.

Segundo relatos dos usuários o transporte piorou consideravelmente durante a pandemia, com cortes de linhas e maiores intervalos entre as barcas. A linha mais movimentada, a Praça XV – Arariboia (em Niterói) passou a fechar mais cedo às 21 horas ao invés das 23h. Já Praça XV – Paquetá, que é o único transporte público para os moradores tendo em vista que a ilha fica isolada no meio da Baía de Guanabara, segue funcionando com intervalos de 1 hora e meia.

A estação de Cocotá, na Ilha do Governador segue operando em somente três dias por semana e os itinerários de acesso a Ilha Grande, localizada no município de Angra dos Reis, também teve horários reduzidos e está limitado a moradores da Ilha.

Foi no penúltimo dia de 2020 que o conselho diretor da Agetransp (Agência Reguladora de Serviços Públicos Concedidos de Transportes Aquaviários, Ferroviários e Metroviários e de Rodovias do Estado do Rio de Janeiro) decidiu que o aumento fica em vigor até fevereiro de 2022, justificando a tarifa com dados sociais do IBGE.

Fotos: J.Lee

Supervia mantém o aumento

O transporte público de trens que opera atualmente em 12 cidades da região metropolitana do Rio de Janeiro – comandadas pela empresa Supervia – sofreu aumento da tarifa em 25%. No mesmo esquema das barcas, várias linhas sofreram com a precarização após o começo da pandemia, em março de 2020.

A deliberação do aumento ocorreu em 28 de dezembro passado, estando vigente também durante um ano a partir de fevereiro. A tarifa passa de R$ 4,70 para R$ 5,90.

Usuários relatam que as linhas de Guapimirim, Vila Inhomirim e Magé ficaram suspensas em setembro e atualmente seguem operando com menos vagões e em tempos maiores de intervalo. Já os moradores da Zona Oeste do Rio passaram a sofrer desde junho com o cancelamento do trem expresso. As linhas de Deodoro e Santa Cruz foram unificadas, porém a Supervia prometeu que a junção seria recompensada com mais vagões, porém os relatos são de superlotação e muita espera.




Fonte: Reporterpopular.com.br