Junho 18, 2022
Do Reporter Popular
253 visualizações

Foi inaugurada neste mês de junho a Biblioteca Comunitária Lutador Dito, em Joinville. O espaço foi aberto dentro da associação de moradores do bairro Itinga, a Amorabi, e deve funcionar aos sábados, das 9h ao meio-dia.

O espaço conta com um acervo de livros de autores locais, nacionais e estrangeiros, sobre literatura, política, história e sociedade, uma zineteca, quadrinhos, mangás, além de materiais infantis.

A biblioteca busca construir um projeto político e pedagógico, de acesso a educação e cultura popular, para romper com sistema capitalista, o racismo, a xenofobia, o machismo, a LGBTQUIA+, o capacitismo e tantas opressões. “Construir a sociedade do amanhã a partir do hoje, sempre com olhares e interpretações do povo que abriu caminhos antes da nossa chegada”, diz a carta de abertura.

Confira a carta de abertura na íntegra

Nos 41 anos da Associação de Moradores e Amigos do Bairro Itinga, a nossa Amorabi, o espaço se fez com a organização da comunidade em torno da luta por direito à educação, saúde, mobilidade urbana e se somou na resistência popular contra a ditadura (1964 – 1985).

Um papel decisivo da entidade foi pensar, organizar e produzir diferentes manifestações artísticas e culturais com sabores, cores, caras, cheiros e modos de fazer do povo, das e dos de baixo da cidade da “ordem”, da “paz social” e do “trabalho”.

Na atual conjuntura de aumento do custo de vida, é gás, é o arroz, é o feijão e tudo mais lá nas alturas. Enquanto a burguesia brasileira e do mundo fica cada dia mais rica. O aumento do custo de vida também chegou aos livros. Enquanto a classe dominante destrói os poucos espaços existentes de educação, cultura e lazer. Criam meios para deixar viva as diferentes formas de explorações e opressões do povo.

De frente ao cenário, a Amorabi pensa e cria maneiras de sair do antro estreito. Cabe a organização comunitária dar respostas.

Por isso, não basta dizer “menos armas, mais livros”, é preciso construir bibliotecas comunitárias por diferentes bairros da cidade, começando por aqui, no bairro Itinga, na divisa de Joinville com Araquari.

Mas, não basta construir bibliotecas comunitárias, é preciso construir um projeto político e pedagógico, por meio da educação e cultura popular, para romper com sistema capitalista, o racismo, a xenofobia, o machismo, a LGBTQIA+, o capacitismo e tantas opressões. Construir a sociedade do amanhã a partir do hoje, sempre com olhares e interpretações do povo que abriu caminhos antes da nossa chegada.

Com tudo que foi dito até aqui, é que na manhã de hoje (12 de junho de 2022), tecemos com fios de memórias o nosso encantado lutador Dito.

O companheiro Dito*, em sua caminhada entre nós, fez com simplicidade, ações cotidianas para inspirar e mudar. Semeou rebeldias para organizar o povo com objetivo de construir uma sociedade sem nenhuma forma de violência, explorações e opressões, pautada na vida em comum dos comuns.

Dito, presente!

*Benedito Clóvis, Dito, encantou no dia 23 de fevereiro de 2019, em Joinville. Em sua caminhada foi atuante no Centro de Estudos Bíblicos, no Centro dos Direitos Humanos Maria da Graça Bráz e na Associação de Moradores e Amigos do Bairro Itinga.




Fonte: Reporterpopular.com.br