Dezembro 7, 2020
Do Agencia De Noticias Anarquistas
202 visualizações


História de Nikolai Dedok, entregue à Radio Svaboda.

Em 12 de novembro, o Ministério de Assuntos Internos informou a prisão do blogueiro anarquista Nikolai Dedok. Em seguida, o serviço de imprensa do departamento afirmou que o detido “coopera ativamente com as autoridades investigadoras e dá confissões”. Ao mesmo tempo, oficialmente publicado juntamente com o comunicado de imprensa da polícia, é claro que Dedok foi espancado severamente. Agora ele é acusado de organizar ações que violam gravemente a ordem pública (artigo 342 do Código Penal). “Mediazona” soube dos detalhes da detenção do anarquista da pessoa com quem Dedok conseguiu falar no centro de detenção na rua Akrestsina.

A fonte, que desejou manter o anonimato por razões de segurança, disse a “Mediazona” que, de acordo com Nikolai Dedok, as forças de segurança foram ao seu apartamento alugado na cidade de Sosnovy por volta das 23h do dia 11 de novembro. “Eles quebraram a janela e sete pessoas de um esquadrão especial da polícia e homens da OMON (polícia de choque) invadiram”, relembra a fonte da história do anarquista.

“No começo eles começaram a bater [nele] para conseguir uma senha para entrar no sistema de seu laptop etc, depois começaram a sufocá-lo com um travesseiro. Quando [ele] começou a sufocar, ele deu a senha. Aí [ele] foi espancado por muito tempo até se lembrar da senha da rede social Telegram”, diz a fonte.

Em seguida, Dedok ficou deitado no chão por algum tempo – os policiais não o deixaram levantar a cabeça, mas o blogueiro lembrou que eles estavam andando pelo apartamento. Logo eles trouxeram testemunhas e revistaram o apartamento. “[Ele] foi imediatamente instruído a não dizer uma palavra na frente das testemunhas”, relata o interlocutor do “Mediazona”.

“Durante a busca, três garrafas foram retiradas do nicho com as ferramentas que [não estavam no apartamento] e cheiravam a gasolina muito forte. Mas as garrafas estavam embrulhadas em uma toalha, que ele usou na cozinha”, lembra Dedok falando com a fonte. Mais tarde, a mídia da bielorrussa disse que os coquetéis molotov foram encontrados no apartamento de Nikolai.

A advogada Natalia Matskevich contou que Nikolai Dedok foi espancado durante sua prisão. A advogada de defesa solicitou um exame médico forense.

“Posso dizer que tive vários clientes que fugiram da Chechênia depois de serem torturados e detidos na Bielorrússia para expulsão. Mas nunca pensei que ouviria tais histórias acontecendo em nosso país”, disse Matskevich, sem especificar os detalhes da prisão de seu cliente.

Após a busca, os policiais disseram a Nikolai Dedok que agora gravariam o vídeo. Eles o empurraram para uma despensa e colocaram gás lacrimogêneo nela. “Então eles o levaram para fora e jogaram gás pimenta em seu rosto, bem em seus olhos. Disseram que se ele não falasse no vídeo, não o deixariam lavar o rosto. Eles o colocaram em casa, e até que o vídeo fosse filmado, eles não o deixariam lavar o rosto”, conta a fonte de “Mediazona” sobre as palavras do anarquista.

No registro distribuído pelo serviço de imprensa do Ministério de Assuntos Internos, os olhos de Dedok estão visivelmente lacrimejados. Fonte: Spring96.org

“O tempo todo eles ameaçaram estuprá-lo, urinar nele e disseram que o levariam para a Gestapo ou para a floresta”, continua a fonte.

Por volta de 1h30, Dedok foi colocado em um micro ônibus e levado para Minsk, para a sede da GUBOPiK (Diretoria Principal de Combate ao Crime Organizado e à Corrupção). O blogueiro disse à fonte do “Mediazona” que foi colocado de cara no chão lá e passou quatro horas nesta posição.

“[Ele] foi obrigado a fornecer uma senha do VeraCrypt, de seu disco rígido, e foi obrigado a dizer quem eram os administradores do canal, especialmente anarquistas como “Pramen” e “ABC-Belarus” (cruz negra anarquista). Quando ele ficava em silêncio, batiam-lhe nas costas e nas pernas com cassetetes”,  diz a fonte da história da Dedok.

Ele foi ameaçado de estupro com um cassetete, espancado nas mãos e nos calcanhares com uma arma de choque; quando ele ergueu a cabeça, eles pisaram nela – isso continuou até as 5 da manhã.

“Eles pegaram garrafas que supostamente encontraram no apartamento, enfiaram gargalos em sua boca, fizeram ele cuspir nelas e depois as esfregaram. Eles o fizeram assinar alguns papéis”, disse Dedok ao interlocutor de “Mediazona”.

Depois os policiais exigiram que o anarquista preso voltasse a falar diante das câmeras o texto que haviam escrito – “disseram que se ele disser algo errado, vão espancá-lo. Se ele disser mais alguma coisa sobre os policiais ou sobre alguém do GUBOPiK (Diretoria Geral de Combate ao Crime Organizado e à Corrupção), eles o levariam para o centro de detenção e o espancariam de novo, e com ainda mais força.

Segundo a fonte, Dedok não sabe quem zombou dele – os participantes da busca e prisão não se apresentaram e usavam máscaras. Eles “prometeram” que o anarquista receberia “sete ou nove anos”, e se ele disser algo sobre “eles”, ele será colocado em uma “cabine” (o tipo especial de cela russa onde os prisioneiros podem estuprar um novo prisioneiro. Os guardas podem usar esta cela como castigo) e matá-lo ali”.

Dedok foi levado para o centro de detenção em Akrestsina em 12 de novembro por volta das 5 da manhã. Agora Nikolai Dedok está no centro de detenção preventiva nº 1.

25 de novembro de 2020

Fonte: https://abc-belarus.org/?p=13476&lang=en

Tradução > A. Padalecki

Conteúdos relacionados:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2020/11/19/bielorrussia-contra-o-capitalismo-e-a-ditadura-pela-solidariedade-internacionalista/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2020/11/04/quatro-anarquistas-detidos-na-fronteira-da-bielorrussia-por-acoes-diretas/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2020/09/10/apoio-aos-anarquistas-e-antifascistas-da-bielorrussia/

agência de notícias anarquistas-ana

Frases compostas
no sol que passeia
sob minha caneta.

Jocelyne Villeneuve




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org