Março 19, 2021
Do Agencia De Noticias Anarquistas
186 visualizações


Por María Galindo | 13/02/2021

Não estou escrevendo da Bolívia, mas de um território chamado incerteza.

Escrevo do último lugar na fila para obter a vacinação colonial, que em muitos países será aplicada como uma dose de salvação governamental e como um novo contrato sanitário concedido pelo capitalismo através dos Estados a fim de sobreviver.

Escrevo a partir da consciência adquirida em uma panela comunitária, em um pequeno movimento, em uma luta que não cessou de desenhar mapas de saída, localização e encontro.

Escrevo de uma marcha de trabalhadoras sexuais pandêmicas que afirmam que a repressão policial é pior do que o risco de adoecer e o medo de morrer.

Escrevo enquanto, contra minha vontade, me preparo para falar em uma tela fria que gostaria de reaquecer até que ela exploda.

Eu não escrevo com certeza, mas com dúvida, pergunta, intuição e apalpadela.

Não renunciei a sentir este mundo pandêmico sem luvas, e embora tenha aceitado o convite para escrever, estou ciente de que tudo o que digo está sujeito a tornar-se de repente uma declaração ridícula, obsoleta, ingênua ou a perder sua consistência como se fosse gelo derretido.

Ao mesmo tempo, eu poderia aproveitar um tom profético fatalista, profético bíblico ou redentor profético e esperar os aplausos dos corações soltos que nas ruas andam como zumbis em busca desesperada de vozes proféticas.

A pandemia é um fato político não porque seja inventada, inexistente ou tenha sido produzida artificialmente em um laboratório.

A pandemia é um fato político porque está modificando todas as relações sociais em escala global e, portanto, é legítimo e urgente pensar sobre ela e debatê-la politicamente.

A pandemia é um fato político porque é apresentada como consequência de um modelo capitalista global que vai desde sua versão ecocida até sua versão suicida. Ela abre, ou melhor, evidencia, a relação sistêmica entre ecocídio e suicídio.

Submissão de rebanho

A pandemia instalou um léxico padronizado em nível planetário, uniforme e estendido em todos os países. Ela serve para redirecionar a vida social para uma sociedade disciplinar.

Palavra por palavra, a vida está sendo esquadriada para reduzi-la ao medo, à vigilância legitimada do Estado sobre todas as nossas vidas, à dissolução de formas não estatais de colaboração e organização. As únicas formas de colaboração que foram revalorizadas foram reduzidas a uma espécie de paternalismo de bem-estar sem poder político. A amputação do desejo é uma de suas constantes.

Todas estas operações políticas estão ocorrendo através da linguagem pandêmica como um instrumento para nomear e dar conteúdo ao que está acontecendo. Não estamos questionando as medidas de proteção, a necessidade de tomá-las ou a incongruência de muitas delas, mas a forma de nomear todo o universo da pandemia.

Não estou falando de significados ocultos: eles são explícitos e seu efeito destrutivo tem a ver com sua repetição invasiva, com o fato de que os governantes e organizações internacionais são os porta-vozes inquestionáveis e a população, em geral, funciona como uma caixa de repetição.

É uma linguagem que você acaba usando para entender a si mesmo em poucas palavras. Com seu caráter global sem nuances e com seu uso irrefletido sem margem para questionar os significados, ela funciona fascinando as relações sociais.

Mais uma vez, como tantas vezes na história, o direito de citar fatos está sendo usado como uma arma para programar seu conteúdo social.

É nos termos com os quais os fatos estão sendo batizados que reside seu conteúdo ideológico central. Não é um conteúdo ideológico que funciona como uma teoria a ser aceita, debatida ou repensada. É um conteúdo ideológico que funciona como um significado fixo irrefutável e uma realidade direta, que tem um efeito terapêutico de condicionamento comportamental.

Léxico pandêmico

Encontrei cerca de trinta termos que compõem a espinha dorsal do léxico e sua função de condicionamento coletivo do comportamento. No entanto, vou propor a revisão de apenas alguns deles, por razões de espaço:

Biossegurança: um conjunto de medidas que tem a ver com o perigo mortal de contágio. Devemos mudar a palavra “segurança” para “vulnerabilidade”, e o sufixo “bio” para “necro”. Estamos experimentando uma vulnerabilidade a um perigo onipresente, invisível e incontrolável. Se existe uma coisa que não é segura, é a vida. Não podemos falar de biossegurança quando tal termo, na realidade, denomina necro perigo ou biovulnerabilidade.

Distanciamento social e isolamento: Estes não são os dois metros que precisamos para evitar o contágio, mas são o conteúdo da afiação do recinto em si mesmo, do salvar-se longe do “outro”, o que é perigoso por excelência. Todos nós nos tornamos o “outro” do “outro”, tornando a linguagem pandêmica um instrumento de dissolução coletiva. Também funcionou na fascistização social para enfatizar o pequeno grupo familiar ou “bolha” como seu único universo de responsabilidade e significado, usando o inofensivo pronome possessivo “seu” uma e outra vez.

Quarentena: Um termo transportado da Peste Negra na Idade Média para o mundo contemporâneo como indicador de que no século 21 – após várias revoluções tecnológicas – as medidas sociais de cuidado são as mesmas de vários séculos atrás e levam o mesmo nome. Quem a tecnologia serve então? Por que não temos outras ferramentas contemporâneas além das medievais para lidar com uma pandemia?

O toque de recolher, o confinamento: Estes não são os únicos termos que fazem parte do léxico pandêmico e que, nesta parte do mundo, representaram as ditaduras militares que estão em nossa memória viva. Não poderíamos ter usado outras palavras que não estão carregadas de memória ditatorial, ou sua carga ditatorial foi e é socialmente útil para reinstalar o poder absoluto do Estado sobre a população?

Atividades essenciais: A reclassificação das atividades sociais com o qualificativo de “essencial”, deixando de fora todos aqueles que pertencem ao universo do afeto, do desejo, da criatividade e da redução das pessoas ao mundo do trabalho, tem na linguagem pandêmica um efeito cirúrgico de amputação. A única noção válida de vida é “trabalho”. Apenas mudar “essencial” para “funcional” daria um significado diferente à vida cotidiana.

Teletrabalho: O deslocamento do local de trabalho para casa, convertendo o trabalho em um produto que é pago como produto e não como uma atividade que é medida em um determinado número de horas. Isto é o que nesta parte do mundo – seja em Honduras, México ou Brasil – é chamado de “maquila” e “trabalho à peça”, onde você é pago pelo trabalho feito e não por horas de produção. A maquila – um instrumento neoliberal por excelência – usado por grandes transnacionais – especialmente na indústria têxtil – foi transferido para grandes campos de trabalho com a pandemia e recebeu um nome mais suave. Imagine o resultado de renomear o teletrabalho como maquila pandêmica ou exploração domiciliar!

Como o objetivo deste texto é propor desafios, aqui está o primeiro: fazer uma lista completa do léxico pandêmico, dar a cada termo seu verdadeiro significado e renomear o fenômeno que o termo pretende nomear. Isso é para nos acordar, para aguçar nossa criatividade e para respirar rebelião. Os materiais sofisticados necessários são um lápis e um pedaço de papel e se você fizer isso com amigos, o resultado será divertido e explosivo.

Contrato Sanitário Mundial

Antes de receber a vacina, é urgente saber o que estamos recebendo, não para propor desobediência ou não-vacinação, mas para não aceitar passivamente a vacinação como alguém que recebe o ferro de engomar para o gado. Também temos que debater ideologicamente seu sentido político.

A vacinação não é uma solução, não importa o quanto os governos de todo o mundo procurem apresentá-la como tal.

A vacinação é uma solução parcial para a transição para uma nova ordem que ainda não tem um nome. É uma medida de sobrevivência que deixa intacto o questionamento estrutural sistêmico que esta pandemia deve implicar para toda a Humanidade.

A linha de vacinação é um diagrama de hierarquias globais de caráter colonial sem metáforas, mas de forma direta. A ordem de prioridade é a ordem de capacidade de pagamento.

Por sua vez, em cada sociedade, a ordem de vacinação representa internamente o mesmo diagrama de hierarquias sociais: quanto mais na periferia você estiver, mais tarde ou nunca a vacina chegará.

Nestas terras eles começam com o pessoal de saúde porque precisam deles, mas são seguidos pelos militares e a polícia, padres e bispos, deputados e ministros. E se eles não precisassem do pessoal de saúde, seriam também os últimos a recebê-los.

As vacinas são a materialização de poderes supra-estatais que governam o mundo.

Não é a Organização Mundial da Saúde que organiza a distribuição equitativa de vacinas, mas são as empresas que – acrescentando números que já são impossíveis de conceber – organizam a ordem em que as vacinas são fornecidas.

E não pense que por sermos pobres, pagamos menos: estamos pagando os mesmos preços ou preços mais altos para receber doses menores, e os governos os recebem de joelhos como uma grande conquista, prontos para assinar em letras miúdas o que for preciso.

Os governos, por sua vez, fornecem as vacinas como uma injeção intramuscular do governo, um gesto pelo qual você deve ser grato sem reclamar.

Os anúncios de vacinação que são desenvolvidos em contextos nacionais pelos governos fazem você pensar que o que você está recebendo é um benefício governamental.

Os montantes que a compra de vacinas supõe para muitos Estados excedem os investimentos em saúde ou são comparáveis a estes.

As vacinas absorvem os orçamentos de saúde de modo que, uma vez passada a tempestade, os hospitais e as salas de cirurgia ficam tão mal como antes.

As vacinas também representam a privatização do conhecimento, pois os centros de pesquisa que têm os milhões que a pesquisa no campo da biologia ou medicina representa não estão nas universidades públicas ou mesmo nas sociedades capitalistas imperiais, mas diretamente nas empresas que sugam cérebros das universidades.

Tematizar e debater estas questões em torno da vacinação global é considerado suspeito porque, diante da vacina, o que temos que fazer é assinar passivamente um contrato de saúde unilateral como o proposto pelos bancos quando se endividam ou como o que o Estado boliviano exige das trabalhadoras do sexo para dar-lhes permissão para trabalhar.

É este contrato de saúde e sua explicitação que pode conter as lutas que farão sentido no futuro.

Obsolescência política

Os governos se beneficiam da administração dos Estados, mas não governam: eles são administradores secundários de uma ordem colonial-patriarcal-extrativista. Este fato tangível hoje redireciona radicalmente nossas lutas e nossos horizontes.

A clássica diferenciação esquerda-direita para interpretar o campo político tornou-se obsoleta: a fascistização, por exemplo, no léxico abrangeu ambos.

Estamos na transição do regime neoliberal para o regime neoliberal fascista e a esquerda nem sequer o visualiza porque se as categorias de análise e organização social que a esquerda nos oferecia já estavam ultrapassadas, hoje se tornaram obsoletas.

Os chamados governos “esquerdistas” também são governos incapazes de propor um horizonte diferente daquele imposto pelo neoliberalismo. Este fato não é de forma alguma o fim da política, mas o nascimento de uma nova política. Uma nova política que não tem vanguarda, salvadores, condutores e que exige uma alta dose de criatividade de todos nós.

Não é de força que precisamos, mas de consciência de nossa vulnerabilidade.

Os sujeitos sociais estão sendo diluídos pelo cansaço, pela falta de ideias, pelo luto, pela incapacidade ou impossibilidade de reação, enquanto outras pessoas despossuídas estão se reconstituindo como sujeitos sociais com capacidade de interpelação: aquelas pessoas que se voltam para os animais para se reintegrarem como animais, ou aquelas que produzem saúde, alimento ou justiça com suas coletividades são aquelas que não foram paralisadas pelo medo.

Tudo está acontecendo em grande velocidade, mesmo que o tempo tenha parado.

A velocidade da mudança é a velocidade de uma metamorfose profunda.

Interpretar isso correndo o risco de estar errado é nossa aposta.

Fonte: https://www.lavaca.org/mu156/capitalismo-pandemico-lo-que-esta-en-juego-ecocidio-y-suicidio/

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

Ventinho na flor —
Embala a abelhinha
E também o néctar.

Gustavo D. Schlumberger Ribeiro




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org