317 visualizações


A pandemia de COVID-19 piorou a situação que já era ruim para os entregadores/as de aplicativos. Por isso, nos últimos três meses eles e elas fizeram greves e paralisações em vários locais do Brasil. A luta é por melhores pagamentos e condições de trabalho, e contra bloqueios e exclusões. Para fortalecer essa luta, no dia 1 de julho atacarão com mais força os lucros das empresas de aplicativos (Ifood, Rappi, Uber Eats, entre outras) por meio da primeira greve nacional de entregadores/as de apps. A greve é necessária e justa, dado que um inimigo só recua e cede quando são causados danos contra ele. É também um exemplo de organização e luta para todas as trabalhadoras e trabalhadores do país e deve ser apoiada.

A pandemia e a quarentena aumentou o número de entregas e a importância do trabalho dos entregadores/as. Mesmo assim, eles e elas estão ganhando menos e as condições de trabalho pioraram, por isso exigem melhores pagamentos e condições. Agora estão correndo mais risco de morte, dado que além dos acidentes no trânsito podem ficar doentes com COVID-19. Por isso, exigem um auxílio pandemia que pague os custos com EPIs, álcool em gel e uma licença do trabalho para caso peguem a doença do coronavírus. Também exigem um seguro de vida, acidente e roubo. O fim dos bloqueios e desligamentos indevidos, assim como o fim do sistema de pontuação e restrição de local que força a competição entre entregadores/as e jornadas de trabalho mais longas.

Em momentos de crise fica mais exposto que os governos e os patrões favorecem os seus próprios interesses usando as trabalhadoras, os trabalhadores e o povo como objetos. O governo Bolsonaro-Mourão-Guedes e as empresas de aplicativos são exemplos disso que acontece. Por isso, para essas empresas não importa se os entregadores/as ganham uma miséria, trabalham muito e em péssimas condições, adoecem e morrem. O que importa é o lucro. Portanto, a greve nacional é justa e necessária, dado que causará maiores danos ao que importa para essas empresas. As exigências só poderão ser conquistadas causando danos para os seus lucros.

Nós da militância em São Paulo que faz parte da FOB, uma organização sindicalista para lutar pelos interesses da classe trabalhadora e transformar radicalmente a sociedade, independente de empresas, de partidos, do Estado e de governos, apoiamos a greve nacional de entregadores/as. Pedimos para que ajudem a divulgar a greve e no dia 01/07 não usem os apps de entregas e os de transporte de pessoas, e se possível, participem nas manifestações que acontecerão nas ruas.

A greve nacional será articulada internacionalmente com trabalhadores/as de apps da Argentina, Chile, Costa Rica, Equador, Guatemala, México e possivelmente de outros países.

Se não atenderem as exigências, nada será entregue!

Apoiar o #BrequeDosAPPs !




Fonte: Fobsp.noblogs.org