Maio 26, 2021
Do Reporter Popular
376 visualizações


“É nossa convicção e nossa prática, que para levantar e lutar não são necessários líderes nem caudilhos, nem messias nem salvadores. Para lutar só é preciso um pouco de vergonha, um tanto de dignidade e muita organização, o demais serve ao coletivo ou não serve.” (Subcomandante Marcos, em seu enterro simbólico, 25 de maio de 2014)

É com muito amor e rebeldia que nós, coletivos, frentes e organizações que compõem a Campanha de Luta por Vida Digna, fazemos memória à data de um ano de existência de nossa campanha. Somos trabalhadoras e trabalhadores, estudantes, desempregadas e desempregados, militantes, lutadoras e lutadores populares, jovens de periferia e do campo, gente organizada em todo o território nacional, lutando por uma vida digna e contra o alto custo de vida, a precariedade e a violência que nos são impostas.

Lutar por vida digna é reconhecer que a nossa dignidade não vai vir de cima. É fortalecer e chamar à luta aquelas e aqueles que fazem o mundo girar. É contribuir para a construção de um povo forte e combativo. É saber que viver dignamente exige saúde pública e universal, renda digna, direito à moradia, à terra e ao alimento. É lutar pelo fim do genocídio do povo preto, pobre e periférico, de nossos povos originários e populações tradicionais. É demandar o fim da exploração predatória de nossos recursos naturais. É exigir educação para todas e todos. É lutar pelo fim da violência contra mulheres e pessoas LGBTQIA+. É se organizar coletivamente na luta pelo que é nosso!

No dia 26 de maio de 2020, publicamos o manifesto de lançamento da Campanha de Luta por Vida Digna, trazendo essas e outras pautas em treze eixos de luta. Com o avanço da pandemia, a campanha, que já vinha sendo estruturada desde meses antes, deu prioridade a ações emergenciais de combate à pandemia. Desde então, temos atuado em diversas regiões do território brasileiro para fortalecer as lutas de nosso povo por um mundo mais justo. Nesse um ano de existência, temos realizado, nos locais onde atuamos, diversas ações para enfrentar a pandemia de covid-19 e suas consequências em nossas vidas, e nos contrapondo ao governo genocida e às elites, que nos querem mortas e mortos.

O governo federal, juntamente com setores do empresariado, da indústria e do comércio da fé, nos colocou um falso dilema: ou a economia ou a vida. Queriam o sacrifício dos nossos em troca do lucro dos ricos. Nos vemos em um país e em tempos que vão de mal a pior, onde (sobre)viver está cada vez mais caro; onde a polícia segue invadindo as periferias e executando nossos jovens com truculência; onde a natureza segue sendo devastada pelo capitalismo predatório; onde voltamos ao Mapa da Fome, com milhões de famintos, enquanto o número de bilionários cresce significativamente. Diante desse contexto, nós exigimos viver! E, por isso, em março de 2021, lançamos um novo manifesto da campanha, no qual concentramos nossas reivindicações na luta por renda digna, vacinação e pelo direito ao isolamento social para todas e todos.

Nossas forças estão reunidas nos territórios periféricos, nas aldeias indígenas, nas ruas das cidades e em comunidades rurais, onde temos atuado no abastecimento popular, na produção e arrecadação de alimentos, distribuição de cestas básicas e marmitas solidárias, máscaras sanitárias e produtos de higiene, na construção de oficinas e projetos para a autonomia e geração de renda em comunidades, na instalação de lavatórios populares em territórios periféricos, em mutirões de construção e plantio, na elaboração de cartilhas com materiais didáticos e informativos, na produção de lives, nos materiais de propaganda nos meios virtuais e nas ruas, na construção e participação em dezenas de manifestações e atos em defesa da saúde pública, de uma renda digna para o povo, contra o racismo e o genocídio em curso. Boa parte dessa atuação foi organizada regionalmente por comitês da campanha e se inseriu em um calendário nacional de lutas e ações, dinamizando a campanha desde a base, permitindo trocas, inspirando e fortalecendo lutas por todo o território nacional. A campanha também cresce junto ao jornalismo independente, tendo como canal oficial o Repórter Popular, além de contar com outras mídias parceiras, como o Coletivo Catarse.

Durante nossa breve existência, as instituições do Estado “Democrático” de Direito sofreram diversos ataques do genocida no poder e seus seguidores. Vimos governos lidando com a pandemia de forma arbitrária e irresponsável, assumindo uma postura negacionista com objetivos eleitoreiros. A nível federal, estadual e municipal foram instauradas políticas de morte em nome dos lucros. Vimos eleições municipais acontecendo e políticos, à esquerda e à direita, saírem para as ruas fazer propaganda de suas campanhas. Testemunhamos cotidianamente o ódio de classe, a violência de gênero e o racismo agindo na forma de ataques fascistas. Agora a péssima gestão da pandemia nos coloca perto da faixa de 500 mil vidas perdidas. E vemos, com desgosto, que setores da esquerda, centrais sindicais e partidos de massas, seguem estagnados frente a tudo isso, numa passividade que é cúmplice dos genocidas. Enquanto eles sentam à mesa com o inimigo, nós seguimos morrendo. Não podemos ficar de braços cruzados diante de tantos ataques às nossas vidas. Precisamos ir às ruas! Não podemos esperar por um salvador em 2022. Só o povo ajuda o povo! Se são as nossas mãos e o nosso suor que produzem tudo, vamos retomar o que nos foi roubado.

Nesta data, que marca um ano de existência, a Campanha de Luta por Vida Digna convida a olhar o exemplo do Chile, da Colômbia, de Chiapas, de nossos irmãos e irmãs da América Latina, que oferecem caminhos, mostrando que a vitória tá na mão do povo que luta, que toma as ruas! Ecoando as palavras de nossas irmãs e irmãos do Chile, nós, as e os de baixo, lutaremos até que a dignidade se faça costume! É se organizando e praticando a solidariedade e o apoio mútuo que se faz o enfrentamento pela vida digna para o povo. A dignidade é algo que se conquista na luta e na organização popular!

POR RENDA, VACINA E SAÚDE! QUEREMOS VIVER! FORA BOLSONARO GENOCIDA!

NOSSA FORÇA MOVE O MUNDO, LUTAMOS POR VIDA DIGNA!

26 de Maio de 2021




Fonte: Reporterpopular.com.br