222 visualizações


No sábado 1º de maio de 2021, o evento anual anticapitalista “MayDay” aconteceu nas ruas de Villeray e Little Italy, em Montreal. O protesto começou no Jarry Park (entre Gary-Carter e St-Laurent) por volta das 16h15 com aproximadamente mil pessoas. Alguns manifestantes carregavam faixas e cartazes. A manifestação foi declarada ilegal pela polícia, que usou gás lacrimogêneo para dispersar os manifestantes. A seguir, panfleto distribuído por manifestantes antes e durante o “MayDay”.

MayDay 2021: Não queremos este mundo que eles estão tentando nos vender!

A pandemia em que estamos atolados precariza a todos e evidencia graves injustiças. O estímulo desejado pelos dirigentes é um estímulo econômico que não é dirigido a nós. Não se dirige aos artistas e outras pessoas que não lucram o suficiente para merecer o direito de existir. Não se trata de profissionais do sexo, cuja própria existência ainda é criminalizada. Este estímulo ignora as pessoas com deficiência, os marginalizados, aqueles com problemas de saúde mental. O estímulo de que falam é para as petroleiras, para as corporações Bombardier, para os amigos do partido como o Guzzo, mas não para nós. Deixar que os governos nos salvem da crise que eles próprios criaram através dos constantes cortes nos cuidados de saúde e através das suas vidas de “pássaros da neve” seria aceitar a morte. O que precisamos estimular não é a economia, mas as lutas por nossos direitos e pelo fim da exploração capitalista.

O projeto de reconstrução econômica aposta em um mundo tecnológico manchado de desigualdades e baseado na exploração capitalista suja. O fortalecimento das fronteiras nacionais e os abusos das instâncias de imigração, ilegítimas neste chamado Canadá, visam preservar essas desigualdades. E enquanto no Norte vacinamos, esquecemos aqueles que nos vestem nas fábricas Gildan do Haiti. Esquecemos que cada conferência de zoom depende do trabalho em minas africanas e sul-americanas. Esses mesmos países que podem não ver a vacina antes da próxima pandemia. Palavras de agradecimento e promessas vazias não ressuscitarão os “petrochallengers” haitianos mortos por forças policiais treinadas pelo Canadá, nem devolverão os olhos perdidos por manifestantes chilenos cegos por armas canadenses. Será preciso muito mais para devolver a vida a Raphaël “Napa” André, a Joyce Echaquan e a todos os indígenas mortos aqui e noutros lugares.

Vimos a explosão de injustiças em todo o mundo neste último ano terrível. Pessoas migrantes que tiveram a “chance” de vir para cá agora morrem em nossos hospitais e depósitos. As ruas do nosso bairro mais pobre estão vazias, a polícia constantemente à caça de sua próxima presa. As Primeiras Nações são humilhadas, atacadas e mortas por instâncias governamentais, guiadas por empresas extrativistas. E em todo esse caos nos é imposta a obediência, o silêncio e a auto-ilusão diante de tudo o que acontece ao nosso redor.

Não podemos deixar isso acontecer! Recusemo-nos a policiar a nós mesmos e nossas ações, porque reconhecemos que viver em um mundo limitado por leis racistas, colonialistas e LGBTQIA2E+fóbicas é um desafio em si. São essas mesmas leis que alimentam as desigualdades de gênero que dão mais razão aos mais afortunados e aos herdeiros ricos: não os legitimemos aceitando essas leis para nós mesmos! Ficamos indignados quando vemos o desaparecimento da ajuda monetária, dos nossos empregos e a precarização dos que ficaram, ou da imposição de um toque de recolher sem base científica. Vemos isso apenas como uma desculpa para legitimar a repressão do Estado. O discurso sanitário não faz sentido quando vemos que não é aplicado de forma equitativa. O governo Legault mostra novamente sua verdadeira face quando tenta salvaguardar a economia enquanto joga nossas vidas fora. Recusamos este futuro sonhado pelos bilionários, que afasta a nossa atenção pelo medo enquanto lucram com a exploração dos mais vulneráveis.

Esses bilionários, são eles os primeiros poluidores, mas os últimos a sentir suas consequências. São essas grandes corporações que continuam a explorar o trabalho dos trabalhadores migrantes e a praticar o extrativismo nos territórios das Primeiras Nações, sob o pretexto do crescimento econômico e da hipocrisia da economia “verde” ou “sustentável”. Enquanto o mundo inteiro sabe que a crise climática é um grande problema e afetará primeiro as pessoas marginalizadas. Para eles, é negócios como sempre enquanto possível, até que a morte nos separe.

Para piorar a situação, as listas de espera na área de saúde são ainda piores do que antes da pandemia. A mídia aproveitou a oportunidade para vender mais notícias que causavam ansiedade sobre o vírus, lançando uma sombra sobre as lutas atuais, especialmente aquelas pela defesa da terra. Essas lutas estão vivas e vamos lembrá-los desse fato.

Somos percebidos como nada mais que uma massa de trabalhadores, vazios e substituíveis, mas nem tudo está perdido. Juntos, estamos prontos para lutar e somos muito mais fortes e numerosos. Vamos recusar este futuro “uberizado” e opor-lhe um mundo de partilha e igualdade. E para chegar lá, lutaremos com todas as nossas forças, o que acontecerá retomando as ruas.

clac-montreal.net

Tradução > Da Vinci

agência de notícias anarquistas-ana

As chuvas de maio
enchem de rãs
a minha porta!

Sanpu




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org