Abril 22, 2022
Do Agencia De Noticias Anarquistas
105 visualizações

No sábado passado, 9 de abril, o Colletcif Anarchist Emma Goldman (Coletivo Anarquista Emma Goldman) realizou uma ação de solidariedade com as cerca de trinta pessoas que foram despejadas do squat autogerido do centro de Chicoutimi. Além da sopa e do pão gratuitos, foram distribuídos folhetos aos transeuntes para discutir a situação das pessoas mais pobres neste setor de Chicoutimi. Também montamos uma cama, cobertores e um sofá na antiga okupa, uma ação simbólica que tem como objetivo propor ajuda mútua e solidariedade em vez de repressão e estigmatização. Agentes repressivos certamente expulsarão esta instalação o mais rápido possível, pois os guardas de “segurança” estão vigiando o local 24 horas por dia para garantir que ninguém retorne a ele. E lá se vão milhares de dólares de dinheiro público para financiar a repressão aos mais vulneráveis. Um quadro longe de brilhar para a nova administração municipal, que continua na mesma linha de suas predecessoras.

Mireille Jean, a nova vereadora do distrito 8, que inclui o centro da cidade, está martelando a mensagem de segurança. Segurança para quem? Os lojistas e seus clientes? Mas e quanto à segurança dos sem-teto que são expulsos em tempo frio? Ela quer garantir a segurança das pessoas que estão apenas de passagem pelo centro da cidade. Aqueles que vêm para comer nos restaurantes e lojas ou trabalhar lá e depois voltam para suas áreas periféricas. A segurança de que as pessoas da Prefeitura estão falando não inclui as pessoas mais pobres que vivem nesta área, e que são apagadas. Entre o distrito “empresarial” que se tornou o distrito “digital” e o aumento da repressão, não é um bom lugar para se viver no centro da cidade para os pobres. Os políticos da prefeitura querem um bairro tranquilo onde as lojas, restaurantes e empresas digitais estilo Ubisoft dominam, enquanto os pobres são empurrados para os bairros vizinhos, como se fossem desaparecer. A pobreza só mudará de lugar, mas continuará a existir.

Finalmente, aqui está o texto do folheto que foi distribuído no evento:

Se há pessoas miseráveis na sociedade, pessoas sem asilo, sem roupas e sem pão, é porque a sociedade em que vivemos está mal organizada. Não é aceitável que ainda haja pessoas que passam fome enquanto outras têm milhões para gastar com a torpeza. É este pensamento que me revolta! – Anarquista Louise Michel (1830-1905)

Está tudo muito bem ter praças e navios de cruzeiro de estilo europeu desenvolvidos a grandes custos por sucessivas administrações em Ville Saguenay, mas por trás dessas ideias de grandeza está uma triste realidade. É uma realidade sombria onde a administração municipal, um nível supostamente local de governo, não é sequer capaz de suprir as necessidades básicas de todas as pessoas que vivem em seu território. De fato, a cidade luta para garantir que todos tenham um teto sobre suas cabeças e instalações sanitárias disponíveis independentemente de seus meios ou condições. Pior, parece o contrário quando confrontado com o problema, este até se amplia.

Portanto, não deve ser surpresa que quando os recursos são insuficientes ou não atendem às necessidades das pessoas, estas decidam se organizar e levar o que puderem encontrar por perto. Isto é algo que todos considerariam fazer na mesma situação. A ocupação da escadaria da estação ferroviária do Havre por cerca de trinta posseiros preencheu uma necessidade de acomodação perto dos vários serviços no centro da cidade (cozinhas populares de sopa, grupos comunitários, a Casa de Abrigo, etc.). Lembre-se de que as mulheres não têm acesso à Casa de Abrigo. Elas devem então ser alojadas em casas para mulheres vítimas de violência doméstica. Entretanto, estas últimas não aceitam mulheres sob os efeitos do uso de drogas (drogas, álcool, etc.), por isso muitas acabam na rua sem recursos. No entanto, a cidade prefere olhar para o outro lado e desviar o debate para a questão da segurança.

Vil Saguenay: Esconder os desabrigados antes de vê-los

Embora a cidade ainda não tenha liberado os fundos para repintar o local, encontrou rapidamente o orçamento para contratar uma agência de segurança privada para evitar o retorno dos ocupantes. Um pequeno detalhe que a nova administração Dufour não mencionou ao público durante sua operação de comunicação. Da mesma forma, admite que o problema dos sem-teto permanece sem solução e que a cidade não planeja solucioná-lo de forma alguma, exceto pela caça aos pobres no centro da cidade. Missão cumprida de acordo com a Câmara Municipal! Eles tranquilizaram os comerciantes e os consumidores sem dúvida felicitaram os burocratas municipais sentados confortavelmente atrás de suas mesas, assim como seu braço armado, a polícia de Saguenay.

Não nos enganemos, isto não é uma fatalidade, muito menos uma questão de meios, porque lembremos que no auge da pandemia da COVID-19, a cidade tinha aberto as portas de suas instalações no antigo porto de Chicoutimi para acomodar pessoas em uma situação de desabrigados. O recurso acabou, mas as necessidades permanecem tão grandes como sempre. Há uma enorme necessidade de moradias de qualidade e a preços acessíveis. Será que teremos que esperar pela grande campanha alimentar da mídia ou pelo frio do inverno para resolver o problema dos sem-teto e encontrar soluções? A cidade deve tratar disso agora para encontrar uma solução sustentável para que ninguém seja deixado para trás.

Isto poderia começar com a abertura de pontos quentes de inverno e um investimento maciço no desenvolvimento de moradias de qualidade e de baixo custo.

Fonte: http://ucl-saguenay.blogspot.com/2022/04/retour-sur-laction-de-solidarite-avec.html

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

Admirável aquele
cuja vida é um contínuo
relâmpago

Bashô



on Twitter


on Facebook


on Google+




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org