Agosto 2, 2021
Do Reporter Popular
401 visualizações


A Assembleia dos Povos aconteceu neste fim de semana, entre os dias 30/07 e 01/08, e contou com a participação de representações indígenas, quilombolas, apoiadores de movimentos sociais, organizações populares e coletivos. O encontro aproximou lutadores e lutadoras sociais, promoveu valiosas trocas de saberes, histórias e experiências e, o mais importante, propiciou uma importante articulação entre os de baixo, para traçar estratégias coletivas de enfrentamento aos ataques promovidos pelos de cima. Confira abaixo a Carta da V Assembleia dos Povos.

por Assembleia dos Povos

Carta da V Assembleia dos Povos

“Acabou o amor isso aqui vai virar Palmares!”

De 30 de julho a 01 de agosto de 2021 ocorreu, na terra Kaingang, comunidade Van Ká, bairro Lami, em Porto Alegre, a V Assembleia dos Povos que contou com a participação de indígenas, quilombolas, pessoas em situação de rua, coletivos, organizações sociais e populares, lutadores e lutadoras pelo bem viver.

Ao final da Assembleia, depois de momentos de profunda espiritualidade, reflexões, discussões e debates sobre a realidade de nossos povos, os participantes divulgaram uma manifestação coletiva, inspirada na memória dos ancestrais e nas espiritualidades dos povos e comunidades.

Os Povos Indígenas, Quilombolas e as demais comunidades originárias e tradicionais são inspiradores e impulsionadores da esperança na construção e consolidação de um mundo onde caibam outros mundos, ou seja, onde os modos de ser e viver dos outros sejam respeitados e valorizados.

Duas dimensões do viver dos povos e comunidades originárias podem nos inspirar: a memória e a espiritualidade.

A memória vincula passado, presente e futuro. Dá direção aos passos e ao caminhar contínuo. Enlaça o ser à coletividade, porque a memória é força e produção coletiva. Ela coloca em relevo as lutas e seus significados mais profundos, honra aqueles que passaram e os mantém como força inspiradora para os que estão cumprindo a vida e para os que virão.

Ensina sobre como tornar concreto o compromisso, o amor e a resistência. Mostra o saber que não se apaga, não se anula e muito menos se esquece.

A memória guia os projetos de vida daqueles que sonham e constroem a justiça, demarca o lugar da Terra como mãe, gestora e acolhedora da vida.

Além de tudo isso, ela torna os seres irmãos e irmãs nas diferenças e diversidades.
A Espiritualidade, por sua vez, dá sentido à existência dos povos, conecta os mundos e os saberes às ancestralidades, divindades e as cosmovisões.

Agrega as lutas físicas, políticas e as retomadas, dando sentido para além da materialidade. Fortalece as articulações nas lutas por cidadania e dignidade humana, entrelaçando os modos de ser e saber no cotidiano, ritualizando o caminhar e os movimentos dos povos, comunidades, coletivos, periferias em suas culturas.
Memória e espiritualidade apontam os caminhos do bem viver a ser construído.

Memória e espiritualidade compõem a oposição aos projetos de morte dos genocidas e suas crenças na acumulação de bens, no ódio, violência e destruição.

Juntas, a memória e a espiritualidade exigem reparação e condenação pelos crimes da colonização escravocrata, genocida, etnocida e a todas as formas de dominação que violentaram os povos.

Elas alicerçam a libertação dos povos e a defesa incondicional da Mãe Terra.

Terra Indígena Kaingang, comunidade Van Ká
Porto Alegre, RS, 01 de agosto de 2021




Fonte: Reporterpopular.com.br