Fevereiro 11, 2021
Do Reporter Popular
183 visualizações


Preço dos alimentos aumentou muito no último ano, e o salário mínimo deveria custar 5 vezes mais que o atual

foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

O preço dos alimentos tem ficado mais caro cada vez que vamos ao supermercado, e isso se reflete no valor da cesta básica calculada pelo Dieese, entidade criada pelo movimento sindical. A última pesquisa mostrou que a cesta básica de alimentos aumentou em 13 das 17 capitais pesquisadas no mês de janeiro, em comparação com dezembro.

Levando em consideração o último ano, todas as capitais registraram aumentos, que vão de 16,76% em Natal, a até 33,17% em Florianópolis. Hoje, a cesta mais barata fica em Aracaju, a R$ 450,84, enquanto a mais cara está em São Paulo, no valor de R$654,15.

Enquanto isso, o salário mínimo subiu só 5,45%, a um valor de R$ 1.100,00. E milhões de brasileiros e brasileiras não recebem sequer esse valor, com o alto desemprego e a precarização do trabalho. Então, o aumento do preço dos alimentos afeta as famílias mais pobres, e muitas já estão em situação de fome.

Auxílio emergencial

Nesse cenário, enquanto a pandemia ainda está forte e a economia não se recupera, o povo vem reivindicando o retorno do auxílio emergencial de R$ 600. Além disso, desde o início da pandemia, movimentos populares em várias regiões do Brasil vêm realizando trabalhos de arrecadação e distribuição de alimentos a famílias que não têm alternativas.

Salário mínimo necessário

A partir do valor da cesta básica, o Dieese calcula qual seria o salário mínimo necessário para sustentar uma família. Hoje o valor seria de R$ 5.495,52, quase 5 vezes mais que o salário atual, de R$ 1.100,00. E como os aumentos devem ficar ainda mais caros durante o ano, o salário vai ficando muito mais distante do mínimo para garantir uma vida digna.

Veja os valores da cesta básica calculados pelo Dieese em janeiro de 2021:
Capital Valor da cesta Variação mensal (%) Variação em 12 meses(%)
São Paulo 654,15 3,59 26,40
Florianópolis 651,37 5,82 33,17
Rio de Janeiro 644,00 3,69 26,99
Porto Alegre 626,25 1,72 24,51
Vitória 624,62 4,05 26,90
Brasília 614,31 3,80 27,14
Belo Horizonte 592,26 4,17 29,78
Campo Grande 578,62 0,37 26,34
Goiânia 574,76 1,94 26,30
Curitiba 559,73 3,58 23,75
Fortaleza 532,97 -0,37 22,98
Belém 507,31 1,28 22,08
Salvador 488,94 2,06 29,87
Recife 474,22 1,03 19,77
João Pessoa 471,87 -0,70 21,61
Natal 454,49 -0,94 16,76
Aracaju 450,84 -0,51 22,28

Fonte: Dieese




Fonte: Reporterpopular.com.br