Novembro 2, 2020
Do Agencia De Noticias Anarquistas
342 visualizações


O que é novo para algumas durante a quarentena, como estar em casa, cuidar de filhos e filhas, limpar, cuidar e fazer tarefas domésticas em geral, para as mulheres chamadas “donas de casa” é sua vida diária, e por que não o dizer, seu trabalho. Mas infelizmente, quando falamos de trabalho, pensamos apenas naqueles que são pagos e não em todas aquelas tarefas que são feitas à porta fechada.

O espaço privado é destinado às mulheres, pois acredita-se que naturalmente elas devem estar cuidando dos cuidados e limpeza do lar, porém, este é um trabalho invisível que deve pertencer a todos nós que vivemos em uma comunidade; trabalho doméstico, pensado natural, essencial e parte do “ser mulher e mãe”. Por outro lado, essas tarefas de cuidado e limpeza do lar permitiram a produção por aqueles que exercem o trabalho assalariado, que sem ter alguém para cuidar das tarefas do lar não poderiam ir ao seu local de trabalho para ganhar um salário e produzir para os empregadores. Mesmo quando estas tarefas são delegadas a uma terceira pessoa, é uma mulher que é paga por estes serviços, que na maioria das vezes são executados informalmente, sem seguros relevantes ou direitos básicos, tais como o pagamento de contribuições. Já testemunhamos os efeitos que a Covid teve sobre todas aquelas mulheres que tiveram que escolher entre permanecerem atrás de portas fechadas trabalhando ou perderem seus empregos em casas da classe alta. Assim, não é que agora, durante a quarentena, essas tarefas apareceram por magia, mas que sempre existiram, sempre existiram e são parte fundamental da reprodução da vida, para que as meninas e os meninos vão à escola e o pai ao trabalho, para que a casa funcione. Mas agora é no confinamento, no qual podemos torná-los conscientes de viver por tanto tempo em um espaço onde tradicionalmente nossas mães e avós se encontravam.

Falar de quarentena, do contexto do confinamento e do que isso significa para a saúde mental é um longo caminho, mas a maior parte é a dificuldade de realizá-lo, porque no Chile há muito trabalho informal, trabalho de rua e teletrabalho, o que dificultou para muitos de nós o sustento econômico durante estes meses. Por um lado, tem sido complexo manter uma quarentena eficaz, já que muitos de nós tivemos que sair às ruas para comercializar produtos, e por outro lado muitos também tiveram que continuar trabalhando em casa; assim, mães e pais que costumavam sair para trabalhar agora têm que fazê-lo de casa. O principal problema durante a quarentena destas duas formas de produzir renda familiar, foi principalmente que, além deste trabalho, tivemos que cuidar de todas aquelas horas em que as crianças estavam na escola antes e agora elas devem ser educadas a partir de casa. Desta forma, o trabalho doméstico aumentou: mais pratos para lavar, mais coisas para limpar, mais tempo para passar na educação em casa e mais estabilidade emocional para poder compartilhar um confinamento, muitas vezes em espaços pequenos. Segundo alguns relatórios, como o feito pela “Corporación Humanas” durante os meses de quarentena, elas assinalam que foram as mulheres que assumiram 67% das tarefas domésticas, nas quais elas têm que dividir seu tempo entre teletrabalho, limpeza da casa e cuidar de suas filhas e filhos; tarefas que a mãe assume para a mesma reprodução dos papéis de gênero, que, como mencionamos anteriormente, sempre foram atribuídas às mulheres. Desta forma, o tempo gasto com o cuidado da casa é duplicado. Ao longo da história, estas tarefas foram relegadas quase que exclusivamente às mulheres, devido ao fato de sermos consideradas mais sensíveis, mais fracas e naturalmente feitas para estarmos em casa. Para nós, portanto, a “quarentena” tem sido parte de nossa vida diária, pois estar em casa tem sido a tarefa principal para muitas mulheres.

Desta forma, o que queremos fazer aqui, mais do que problematizar a dupla carga de trabalho das mulheres no lar, é ir à raiz do problema, e vê-lo como um problema comunitário, que pertence a todos nós, ou seja, levantar a urgência de cuidar de todas aquelas tarefas que tínhamos tornado invisíveis e que sempre pertenceram a nossas mães e avós. Estas são atividades extremamente naturalizadas, o que não é necessariamente culpa dos homens da família, pois sabemos que sempre fomos educados desta forma, mesmo as mulheres assumiram este papel como natural e não o questionamos com frequência. Desta forma, há uma má distribuição das tarefas domésticas e acreditamos que estas devem ser feitas por todos nós que vivemos em um lar, para que as mulheres não tenham que carregar cargas de trabalho duplas ou triplas, pois deixaríamos de assumir que estas são tarefas que pertencem exclusivamente a nossas mães e mulheres em geral, vivendo juntas em uma comunidade, contribuindo cada uma de nós na casa de acordo com nossas habilidades e tempo disponível, e construindo novas formas.

No relatório sobre a corporação humana mencionado acima, Carolina Carrera, psicóloga da Corporación Humanas, explica que também há uma diferença na percepção que homens e mulheres têm sobre o quanto contribuem para as tarefas domésticas e de cuidado, já que os homens foram excluídos dessas tarefas, como cozinhar, limpar e cuidar da família, já que foram concebidos como atividades femininas, Assim, sempre que são realizadas, elas são concebidas como uma “ajuda” para as mulheres e não como atividades que fazem parte da vida cotidiana. Desta forma, a educação das crianças que estamos criando atualmente também é fundamental para pôr um fim a estas lógicas e para que no futuro as crianças sintam que é natural que todos nós tomemos conta de uma casa.

Finalmente, acreditamos que, ao conceber a desigualdade na distribuição das tarefas domésticas como um problema comunitário, podemos também resolvê-lo desta forma e propor que a solução é que todos contribuam para estas tarefas, de forma simples, mas principalmente não assumindo que seja a mãe, a avó ou a irmã mais velha a realizar estas tarefas e nos tornar tanto homens quanto mulheres responsáveis por estas atividades.

>> Publicado originalmente no Boletim informativo da Assembleia Libertária Chuchunco #2, setembro de 2020. Chuchunco, Vale do Mapocho [Estación Central, Santiago].

Fonte: https://insurrecciontotal.wordpress.com/2020/10/01/del-trabajo-a-la-cocina-labores-domesticas-cuarentena-y-patriarcado/

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

Traçando os baralhos
confundo na noite o mundo
de alhos com bugalhos.

Luciano Maia




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org