183 visualizações

Neste 4 de abril estamos comemorando 4 anos de comunicação livre, feminista, antipatriarcal, antiespecista, antiprisão e anticolonialista. Desde que fomos formados como mídia, temos acompanhado os processos de libertação de diferentes territórios, divulgando comunicados, greves de fome, protestos, violações dos direitos humanos, ações diretas e também instâncias criadas para abolir os modos de vida impostos pelo capital.

Quatro anos usando a palavra como arma, denunciando destemidamente os massacres genocidas e ecocidas realizados pelos poderosos em todos os territórios. Cobrimos com entusiasmo e constância os temas de nossa linha editorial, que incluem a luta dos povos ancestrais por sua libertação do colonialismo, a violência patriarcal em todos os contextos, a luta contra o patriarcado e suas estruturas, a existência de lésbicas, trans, não-binárias e travestis, a violência vicária, a defesa do Ñuke Mapu, a defesa da vida dos animais, a memória subversiva e as lutas contra as prisões.

Nestes 4 anos, nossos artigos foram traduzidos para diferentes idiomas, chegando a mais de 60 países, quebrando constantemente o cerco da mídia do Estado e da mídia hegemônica que embaçam, manipulam e censuram informações. Da mesma forma, nestes 4 anos participamos de cerca de 16 “cadenazos” de rádio, tanto com outras estações de rádio em Abya Yala como com companheirxs de mídia desses territórios, fazendo fluir informações e alimentando as experiências de outros povos.

E algo muito, muito importante é destacar que durante estes quatro anos, mantivemos um trabalho autogerido, livre de qualquer financiamento estatal, ONG ou estrangeiro. Isto nos deu real autonomia, livre de partidos políticos e oportunismo, sempre seguindo uma prática baseada na horizontalidade, no autocuidado e na segurança de nosso Ekipa.

Desde Zarzamora somos pelo fim da sociedade capitalista e especista patriarcal, não deixaremos de acompanhá-los e fazer barulho até a libertação total.

4 de abril de 2022

lazarzamoracolectivalesbofem.wordpress.com

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

Cor de sangue-vinho
a flor do mandacaru
que vem entre espinhos.

Cloves Marques



on Twitter


on Facebook


on Google+




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org