189 visualizações

O projeto político e burocrático reciclado para enfrentar o conflito com a nação Mapuche está condenado ao fracasso. Se insistirá na teoria dos “caminhos”, que serve para reforçar uma institucionalidade opressiva com um discurso que criminaliza antecipadamente as expressões de resistência.

Declaração da Coordenadora Arauco Malleco (CAM) sobre as novas táticas de assimilação e indigenismo das elites e Gabriel Boric:

Em nossa opinião, a eleição de Boric é parte de um contexto marcado pela reciclagem de uma antiga institucionalidade assimiladora que falhou no Wallmapu.

A presença indígena na assembléia constituinte e a suposta aspiração plurinacional do novo governo, ambos fatores com claras limitações políticas e ideológicas, indicam que o objetivo institucional não é transformar a correlação de forças entre as duas nações, uma questão que forçaria a questão da despossessão territorial e os interesses do grande capital que opera em Wallmapu, mas legitimar um discurso progressista sobre questões indígenas em nível nacional e internacional que cega os amantes deste novo governo “progressista” e de “boas vibrações”.

Neste contexto, certos setores mapuches que vêem uma oportunidade na institucionalidade Winka aparecem e se reorganizam, seja para benefícios pessoais ou porque demonstram, agora sem problemas e dançando alegres no palácio de La Moneda, que sua luta tem mais a ver com o preenchimento de formulários no CONADI ou na Forestal Arauco do que com a recuperação de nosso território. Como já dissemos antes, esta abertura institucional deve ser lida como um rearranjo das formas de legitimidade e hegemonia colonial que o grande capital estabelece no Wallmapu para encurralar e sufocar as expressões revolucionárias da resistência mapuche e não como um sinal de vontade política para resolver o conflito histórico.

É assim que podemos entender o papel que os históricos Yanakonas, como Santos Reinao e Galvarino Reiman, entre outros personagens com o sobrenome Mapuche, estão desempenhando em servidão às empresas florestais.

A tal ponto que este rearranjo é funcional ao sistema capitalista neoliberal que setores da ultra-direita, empresários, colonos e grupos paramilitares que existem em nosso território ancestral, promovidos por organizações como a APRA e indivíduos como Gloria Naveillan e Miguel Mellado, firmemente anti-Mapuche, têm apoiado publicamente personagens como Galvarino Reiman, Aucan Huilcamán ou Norín como atores relevantes no problema Mapuche.

Portanto, não deve ser surpresa que setores supostamente progressistas identifiquem as mesmas pessoas como interlocutores “válidos” para supostos diálogos. O que o governo procura não é fazer progressos na resolução do conflito, mas legitimar seu aparato assimilador a todo custo, principalmente com setores Mapuche cooptados e servis.

Ao mesmo tempo, os chamados “acadêmicos” e “intelectuais” mapuches que, após ganharem dinheiro às custas do movimento revolucionário autonomista, fingindo ser especialistas no assunto a fim de conseguir empregos no sistema, se posicionaram como porta-vozes de uma democracia plurinacional que está apenas em suas mentes nostálgicas, estão mais uma vez aparecendo.

Aqueles que antes pretendiam ser “intelectuais do movimento mapuche” tomaram agora sua posição nas Universidades, Centros de Pesquisa e órgãos públicos para elaborar a engenharia para legitimar este rearranjo colonial, mesmo utilizando as mais sofisticadas elaborações teóricas, historiográficas e artísticas para cumprir seus fins institucionais.

Estes chamados intelectuais, após suas piruetas analíticas e conselhos aos novos gabinetes, acabam ignorando o fato de que o legado do weychan é atualmente uma prática viva, uma questão já demonstrada nas diversas zonas de conflito e processos de recuperação territorial que as organizações mais consistentes empreenderam na luta pela reconstrução nacional mapuche.

É por causa do exposto acima que prevemos que o projeto político e burocrático reciclado para lidar com o conflito com a nação mapuche está condenado ao fracasso. Insistirá na teoria dos “caminhos”, que serve para reforçar uma institucionalidade opressiva com um discurso que criminaliza antecipadamente as expressões de resistência.

Eles procurarão cooptar o número máximo de pessoas que pertenceram ao movimento Mapuche; haverá setores e lonko histórico do weychan que se deixarão seduzir por negociações leves e trocarão princípios por esmolas lamentáveis. Apesar disso, existem expressões comprometidas em continuar no caminho da libertação nacional weychan e Mapuche, um espaço onde assumimos um compromisso como CAM, sem concessões, e seguindo os princípios legados por nosso futa keche kuifi.

É por esta razão que nos definimos como Mapuche revolucionários e lutamos durante anos contra as expressões territoriais do Estado capitalista e colonial. É pela mesma razão que nossas ações continuarão a atacar a reprodução do grande capital que opera com sangue e fogo em nossa Wallmapu e fortaleceremos o controle territorial como a plataforma básica e única para transformar a realidade criada pelo extrativismo genocida.

Como CAM, não dialogaremos com aqueles cujo objetivo final é a aniquilação de nosso povo, como Monsalve e companhia.

Em meio a tanta confusão, reafirmamos nosso caminho político-militar do weychan como fizeram Leftraru, Pelontraro e nosso weychafe caído em combate em seu tempo, que não está focado em obter migalhas burocráticas do inimigo, mas em lançar as bases de nossa proposta de libertação nacional mapuche, para a qual é necessária a expulsão de toda expressão capitalista e colonial do Wallmapu.

“Chumkawürme famentu kunulayayiñ taiñ rüf chumkunurpuel zungu taiñ kuifike cheyem”…

“Furi trekawlayiñ, chew ñi witrum mollfüñ, chew ñi fenteñma kutrankawmum fentren ke cheyem taiñ wiño kisu ngunetuafel”…

“Femechi mu llemay, pu Lonko, pu Machi, pu wewpife, kuifike Koyawtufe, ka pu Weichafe, eluwlaymün tañi wewngeal tüfachi Weichan mu”…

“Taiñ pu trananagchi weichafeyem mew amuleay taiñ weichan”…

” Inayafiyiñ tüfachi kiñe rüpü müten, taiñ ka antü kizungunewtual, eluwlayiñ welu trapümnerpuayiñ tañi Mapuche newen”.

Weuwaiñ!

Marrichiweu!

Comissão Política, CAM.

Fonte: https://prensaopal.cl/2022/04/04/nacion-mapuche-no-hay-mas-camino-que-el-weychan-resistencia/?fbclid=IwAR2cKoTi_IjQJcpMeQB_nFH4wp04oj6Mn4VGjL-hlHG7OUycIZe0W1b6qrM

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

Solidão no ninho
O pássaro se assusta
No eco do trovão

Rodrigo de Almeida Siqueira



on Twitter


on Facebook


on Google+




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org