375 visualizações


Nós, os proletários (a classe que só possui sua força de trabalho para sobreviver e que mais sente a exploração capitalista), na luta por nossa emancipação e abolição das relações sociais capitalistas, devemos avançar na construção – de maneira autônoma dos partidários da ordem atual – de nossos próprios órgãos de classe que nos permitam superar as estruturas que nos oprimem e assim obter o controle de nossas vidas.

Cremos que a representatividade nas instituições do Estado e a obtenção de reformas, não significam nenhum avanço real no caminho de nossa emancipação. O Estado e seus poderes não são ferramentas neutras que possam ser utilizadas à vontade por quem esteja nos cargos. Este tem a função de assegurar a manutenção e perpetuidade do domínio do Capital. Reprimir e disciplinar são atributos inerentes do capitalismo, independentemente dos governantes de turno.

O 18 de outubro nos demonstrou que na ação organizada de maneira autônoma é possível transformarmos nossas vidas e velar pelas necessidades de nossa classe, o que o caminho institucional jamais se aproximou. Por isso, é importante continuar com a construção e fortalecimento de órgãos autônomos e entender que não haverá saída para a nossa miséria se confiarmos nas estruturas que propiciam o capitalismo para sua sobrevivência, mas sim em nossa própria capacidade de superar a dominação capitalista. Assim como também projetarmos e elaborarmos nosso próprio programa emancipatório.

Só com autonomia de classe avançaremos na construção de uma autêntica força capaz de acabar com a miséria imposta em nossas vidas.

A dominação não chegará ao fim de seus dias ampliando-a constitucionalmente.

Assembleia Libertária Santiago

Tradução > Sol de Abril

agência de notícias anarquistas-ana

Partitura alegre:
cai a chuva sobre o charco
no ritmo dos sapos.

Anibal Beça




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org