Março 11, 2021
Do Agencia De Noticias Anarquistas
112 visualizações


Hoje, 17 de fevereiro de 2021, nos reunimos em solidariedade e resistência com as comunidades de migrantes que transitam e habitam estes territórios. Declarar com ternura e firmeza que todos são bem-vindos.

Que diante da onda de violência na mídia, nas ações do Estado através de seus agentes militares e policiais nas fronteiras e dentro delas, e diante de um sistema complexo de opressão baseado no racismo, no patriarcado e no capitalismo: nossa resposta em palavras e ações será sempre a solidariedade, o cuidado comunitário e o afeto, a antiga e alegre resistência que ultrapassa todas as fronteiras, que vive e resiste apesar dos Estados e de seus mecanismos de morte.

Rejeitamos o sistema que impõe essas fronteiras estatais, que os documentos legais, que a propriedade privada e o dinheiro estão acima do gozo de uma vida plena para as pessoas, comunidades e ecossistemas. Portanto, rejeitamos a lei de imigração racista e violenta em processo, que visa tornar ainda mais precária a vida daqueles que se encontram à margem da legalidade da fronteira estatal. Também rejeitamos as deportações maciças que o Estado chileno vem realizando há anos, sequestrando e violando centenas de pessoas para punir o livre trânsito e o deslocamento dos pobres de nosso continente.

Finalmente, somos chamados aqui pela antiga luta contra o sistema colonial, contra a violência e o abuso permanente de nossas comunidades morenas, indígenas e mestiças. O mesmo sistema que nos castigou por sermos, existir e resistir em qualquer de suas margens: ilegais, pobres, dissidentes sexuais, índios afrodescendentes e “champurrias”.

São os mesmos que sempre exercendo a mesma violência, assassina e devoradora dos ricos, dos latifundiários e dos machos, que atacam as comunidades em wallmapu, em todos os crimes de ódio contra a dissidência sexual, em todos os atos de racismo e xenofobia, a mesma violência que nos tirou a lamien Emilia/Bau, corpo em resistência, guerreira contra este sistema de opressão e lutadora pela vida e pela defesa das florestas e das águas.

Vamos derrubar aqueles mesmos de sempre com nossa resistência, multicoloridos e exuberantes de vira-latas, misturados e manchados. A resistência que nossos ancestrais nos ensinaram: tecer, cultivar, dançar e mover-se com o vento, sem limites e sem medo.

Que todas as estátuas dos genocidas caiam e que todos os povos se levantem, para desarmar, desmilitarizar e coletivizar toda a vida!

Os pobres não têm pátria

Nenhuma pessoa é ilegal

Abortamos todas as fronteiras

Neste mundo, todos nós cabemos, exceto os fascistas!

A camarada lanmgen Emilia está presente!

Assembleia Anarquista Autoconvocada de Valparaiso

Tradução > Liberto

Conteúdos relacionados:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2021/02/22/chile-terra-e-liberdade-declaracao-publica-de-solidaridad-obrera/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2021/02/18/chile-assassinato-de-lamgnen-anarquica-no-territorio-mapuche-lof-llazcawe/

agência de notícias anarquistas-ana

Que maravilha:
Nas folhas verdes, nas folhas novas,
Brilha o sol!

Bashô




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org