Dezembro 11, 2020
Do Agencia De Noticias Anarquistas
344 visualizações


Sem dúvida há lugares que armazenam milhares de histórias, se as altas paredes das prisões pudessem contar as experiências daqueles que estavam (e estão) presos atrás delas, talvez nos contassem muitas histórias onde os pobres seriam os protagonistas ou talvez nos contassem sobre o imenso anseio de liberdade que enche os corações daqueles que enchem as masmorras e as celas.

Infelizmente, as paredes das prisões são testemunhas silenciosas das experiências das pessoas que estão por trás delas. Dizer o que acontece nestes lugares é responsabilidade daqueles de nós que são sequestrados pelo poder e daqueles que querem acabar com o atual sistema de terror. A história dos prisioneiros é nossa história e não pode ser perdida.

Nas prisões reina a tristeza, é dona e senhora, está presente na grande maioria das vidas daqueles que passam por este lugar cinzento. A prisão de San Miguel não apenas guarda histórias cheias de tristeza, mas também tem muitas experiências de resistência e luta.

Nos primeiros anos da década de 90, a prisão de San Miguel prendeu vários presos políticos, homens de diferentes organizações encheram as celas das torres até a transferência para o C.A.S. em 1994, uma transferência que os combatentes resistiram com armas.

Na busca nas celas da cadeia após o confronto, os funcionários encontraram uma pistola browning de 7,65 mm com sete cartuchos no carregador; um revólver tridente italiano calibre 38; uma pistola Dachmaur com quinze cartuchos; também uma Llama calibre 7,65; uma bolsa marrom com treze balas; outra bolsa de couro com mais 18 balas; um telefone celular da marca NEC e três explosivos caseiros [1]. Vários guardas prisionais e alguns prisioneiros foram feridos no confronto, incluindo Mauricio Hernández Norambuena. O Comandante Ramiro relata da seguinte forma: “Fui ferido naquela luta. Eu nunca havia sido baleado antes, e foi na prisão que fui baleado pela primeira vez [2]. O mesmo fato foi dito por Ricardo Palma Salamanca em uma entrevista em Paris em 27 de janeiro de 2019: “No meio do confronto, duas pessoas foram baleadas, eu também estava armado, mas nenhuma bala me atingiu.

As armas utilizadas na resistência durante a transferência para o C.A.S. foram originalmente destinadas à fuga. Mauricio Hernandez diz: “Conseguimos colocar várias armas na prisão de San Miguel e fizemos um projeto de fuga muito interessante, com apoio externo, onde pessoas de Mapu-Lautaro e do MIR se juntaram. A ideia era fazer sair um grande grupo. Fora do apoio havia uns quinze ou vinte combatentes. Havia boas armas. Mas esse plano falhou. Toda a operação foi montada, e os que estavam do lado de fora tiveram que tomar uma casa que tinha um muro atrás da prisão, e eles iam explodi-la. Tivemos que passar por um portão e sair por ali. Alguns dias antes da fuga, fomos transferidos para o C.A.S. Depois, as armas que tínhamos reunido para a fuga foram usadas para resistir à transferência [3].

Esta não foi a única tentativa de fuga que a prisão de San Miguel teve. Em 1997, um grupo de ex-membros da FPMR tentou sair da prisão pelos telhados com um sistema de cordas e rolos, alcançando assim uma das ruas que bordejam a prisão. A tentativa frustrada de fuga levou a um motim, os prisioneiros envolvidos foram transferidos para as prisões Hill I e II, entre eles estava o refratário Jorge Saldivia que foi morto em um assalto a um banco em 2014.

Os muros não falam, mas guardam marcas que às vezes são difíceis de apagar. Muitos presos dizem que na Torre 5 da prisão de San Miguel, onde 81 presos foram queimados até a morte, as manchas nos corpos nunca desapareceram completamente… Os presos dizem que as manchas parecem ser de óleo, e que por mais cera e tinta que coloquem no chão e nas paredes, elas sempre foram diferentes de todas as outras na prisão. Há muitas anedotas relacionadas a fantasmas e espíritos na Torre 5, crenças, mitos ou realidades… entretanto a morte dos 81 prisioneiros não passa despercebida pelos detentos da Torre 5, e não deve passar despercebida por nenhum prisioneiro.

10 ANOS APÓS O MASSACRE DA PRISÃO DE SAN MIGUEL: MEMÓRIA ATIVA E COMBATENTE

ATÉ QUE TODAS AS JAULAS SEJAM DESTRUÍDAS!

MÓNICA CABALLERO SEPÚLVEDA

PRISIONEIRA ANARQUISTA

Notas

(1) Entrevistas com Ricardo Palma no livro “Retorno desde el punto de fuga” de Tomás García

(2) “Um passo à frente” Mauricio Hernández Norambuena

(3) “Um passo à frente” Mauricio Hernández Norambuena

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

Um trovão estronda –
e os trovõezinhos ecoam
na selva em redor.

Nenpuku Sato




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org