271 visualizações


Não podemos permanecer no derrotismo e no conformismo pós-eleitoral e tampouco podemos continuar na dispersão e na espontaneidade.

Devemos promover e levantar as ideias e propostas que nascem desde o anarquismo, do assembleísmo e da autonomia revolucionária, levando-as ao contexto atual que exige o pronto surgimento de alternativas revolucionárias que proponham a destruição e a superação do capitalismo.

Precisamos gerar muita discussão e conteúdo político, bem como disciplina e organização e é este último que é o grande culpado do fato de que as urnas eleitorais e o reformismo sempre se imponham como o motor das lutas populares.

Devemos colocar nossos esforços em construir desde o real as coisas reais que começam a dar soluções à cotidiana vida precarizante do capital, e que esta prática traga consigo a construção de um novo mundo cheio de solidariedade, apoio mútuo e felicidade, enterrando o atual.

Que o anarquismo organizado se levante já em cada território e em cada bairro.

Levantar assembleias, panelas comuns, comedores populares, atividades culturais, fazer propaganda, agitação, barricadas, TUDO SERVE COMPANHEIRX.

“Marginalizar-se de uma eleição não significa adormecer e não participar e incidir na vida cotidiana, pois é a partir desta ação cotidiana e permanente de onde nos levantamos”.

Grupo de Propaganda Revolucionária – La Ruptura.

Conteúdo relacionado:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2021/05/25/uruguai-chile-a-convencao-constitucional-pode-ser-o-tumulo-da-revolta/

agência de notícias anarquistas-ana

É quase noite –
As cigarras cantam
Nas folhas escuras.

Paulo Franchetti




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org