Março 10, 2022
Do Agencia De Noticias Anarquistas
55 visualizações

Por Julio Cortés | 03/03/2022

“Nazis contra o fascismo” era o nome provocador de uma banda punk inglesa do final dos anos 70 que em sua breve existência fez apenas um álbum (“Sid did it”, 1979[1]). Na época o nome absurdo foi explicado como uma piada em relação aos festivais Rock Contra o Racismo organizados pela Liga Antinazista, e replicado pela extrema direita sob o rótulo Rock Contra o Comunismo.

Por que é que em 2022 este nome não me parece mais tão absurdo? Talvez porque em menos de um quarto de ano tenhamos experimentado duas grandes explosões de retórica “antifascista” que nos fez ver diferentes tipos de nazistas e fachos por toda parte.

Primeiro no Chile, quando após o primeiro turno das eleições presidenciais cujos resultados foram liderados por José Antonio Kast, a maioria da esquerda (amarela, vermelha, roxa e até a negra) chamou para “derrotar o fascismo” votando no candidato Boric, apesar do fato de que até aquele momento os “outubristas” não podiam perdoá-lo por sua assinatura individual do Acordo de 15 de novembro de 2019, através do qual a classe dominante recuperou o controle que havia perdido durante um mês inteiro de insurreição em todo o Chile.

Um dos poucos diagnósticos lúcidos daqueles dias atinge a cabeça quando diz que “ao contrário do pensamento popular, não foi seu ‘fascismo’ que impediu Kast de ganhar mais votos, mas muito pelo contrário: a falta dele. Em primeiro lugar, o discurso de Kast não tinha nenhum elemento revolucionário e popular típico do fascismo histórico que pudesse fisgar algum setor indeciso do proletariado – que ele precisa conquistar para se impor democraticamente – e, em segundo lugar, ele não conseguiu transcender o esquema político tradicional, agarrando-se ao seu clássico pinochetismo com um caráter claramente burguês, que, como nas eleições de Aprovação/Rejeição, estava bem refletido, por exemplo, no mapa de votação nas comunas da grande Santiago”[2].

O grande paradoxo é que, embora saibamos racionalmente que Kast era tão fascista quanto Boric era comunista, as campanhas e os eleitores de cada candidato foram mobilizados afetivamente com base no medo do fascismo, por um lado, e do comunismo, por outro.

No final, o medo do fascismo foi transmitido na própria noite de 19 de dezembro de 2021, em meio a grandes comemorações, apesar do fato de que o lado derrotado obteve 44% dos votos (uma porcentagem nunca obtida por Mussolini ou Hitler, que em seu pico eleitoral era de cerca de 32% e 38%), e o apoio ao mal menor deu lugar a uma verdadeira e insuportável “Boricmania”, que está longe de ter terminado e garante que à mínima crítica ao novo governo seremos sem dúvida acusados de “jogar nas mãos do fascismo”.

O Chile não será mais o “túmulo do neoliberalismo”, e agora é enfatizado que se trata mais de defender o que foi alcançado nos “30 anos” de transição e avançar muito gradualmente, em uma nova versão da democracia dos grandes acordos. Mas nada disso importa muito agora, pois vivemos “a alegria de derrotar o fascismo juntos”, como disse um cartaz colado massivamente nas paredes do centro de Santiago pelos jovens de um partido de esquerda. Este fascismo era tão sui generis que podia ser derrotado à custa de memes e lápis bicudos, sem derramamento de sangue, guerrilheiros ou luta armada, e sem sequer discutir seriamente qual é a reação em geral e o fascismo em particular, e se é possível opor-se a ambos com força sem se opor ao capitalismo em sua totalidade.

Assim, de forma bastante surpreendente, a campanha eleitoral “antifascista” alcançou o que nem a repressão policial e militar, nem o acordo de 15 de novembro de 2019, nem a pandemia: extinguir as barricadas da rebelião social e renovar a confiança no sistema político.

E assim chegamos à segunda grande campanha antifa em fevereiro deste ano, com uma guerra entre a Rússia e a Ucrânia, liderada respectivamente pelo ex-agente da KGB Vladimir Putin e pelo comediante judeu Zelensky. O que é impressionante nesta guerra é que cada lado acusa o outro de ser “fascista”.

Muitos dos “antifascistas por Boric” devem ter ficado muito confusos e amargos quando o jovem presidente deu seu apoio imediato ao comediante Volodimir Zelensky, presidente da “Ucrânia nazista”, também apoiado pelo “globalista” e também pelo judeu Georges Soros, que para o imaginário dos “patriotas” da extrema direita chilena é o financiador dos “antifascistas” em nível global.

Ainda mais confusão deve ser causada pelo fato de Donald Trump, também descrito como fascista por liberais e esquerdistas, apoiar o nacionalista conservador de Putin, agora reinventado por certos esquerdistas como “anti-imperialista” e por certos neofascistas como um campeão “antiglobalista”.

Por sua vez, a extrema direita parece estar dividida em seu apoio e orientação geopolítica entre “atlantistas” e “eurasianistas”. O primeiro apoia a Ucrânia e o segundo a Rússia, o que é totalmente coerente se tivermos em mente que o fascista espanhol Ramiro Ledesma, fundador do nacional-sindicalismo, salientou na década de 1930 que o caráter ultra-nacionalista dos fascismos tornava impossível uma cooperação internacional duradoura entre eles.

O fato é que, como Hassan Akram[3] apontou, há fascistas e ultra-direitistas de várias matizes em ambos os lados deste conflito: o Batalhão Azov e os seguidores do histórico colaborador nazista e exterminador de judeus Stepan Bandera do lado ucraniano, e vários fascistas russos e até mesmo “bolcheviques nacionais” que, com Dugin à frente, defendem a necessidade de uma continuidade direta com o Império Russo e o período do estalinismo soviético para se oporem da Eurásia a um contrapeso à hegemonia unipolar dos Estados Unidos, estabelecida após o colapso do bloco soviético em 1989/1991.

Previsivelmente, enquanto os governantes ucranianos comparam Putin a Hitler, o burocrata russo proclama que ele “desnazificará” a Ucrânia e assim assegura o apoio entusiasta e incondicional dos antifascistas de esquerda que se empolgam com uma suposta continuidade histórica entre Stálin e Putin, como “vencedores dos nazistas”, sem ter as ferramentas ou a vontade de entender que desta forma o álibi antifascista os faz apoiar um dos lados em uma guerra imperialista, tão “fascista” quanto qualquer outro.

Este último foi relatado por muito poucos analistas, incluindo o italiano Franco “Bifo” Berardi, que nos lembra que Putin é conhecido como um nazista “desde que a guerra na Chechênia terminou com o extermínio”. Mas “ele era um nazista muito bem recebido pelo presidente americano (Trump), que, olhando-o nos olhos, disse que compreendia que ele era sincero”. Ele também desfrutou da simpatia dos “bancos britânicos que estão cheios de rublos roubados pelos amigos de Putin após o desmantelamento das estruturas públicas herdadas da União Soviética”[4].

A base comum é que “as hierarquias russas e anglo-americanas eram queridos amigos quando se tratava de destruir a civilização social, o legado do movimento operário e comunista”, embora, como sempre, “a amizade entre assassinos não dura muito tempo”, algo que aprendemos no Chile quando as ditaduras de Pinochet e Videla colaboraram para reprimir juntas na Operação Condor, apenas para estar à beira da guerra sobre as ilhas Picton, Lennox e Nova pouco tempo depois.

Neste contexto, Berardi chama de irracional que a OTAN esteja armando “nazistas poloneses, bálticos e ucranianos contra o nazismo russo”. Embora eu não seja dado a ver nazistas ou fascistas em todos os lugares – há sem dúvida neonazistas fortemente organizados e armados na Ucrânia e uma amálgama influente de aríetes/imperialistas na Rússia – tomo o ponto de vista de Bifo: apoiar um ou outro lado neste caso parece uma versão de pesadelo da tática do “mal menor”.

Que a maioria dos esquerdistas apoiem a ação da Rússia contra a Ucrânia, considerada como um “ninho de neonazistas”, não é nenhuma surpresa. Que Putin é ele mesmo um ultranacionalista autoritário e conservador, muito próximo do pós-fascismo euro-asiático dos atuais defensores do Império Russo não parece importar muito para eles, pois esses esquerdistas são simplesmente opositores do imperialismo gringo e não anticapitalista abrangente. Muitos deles nunca entenderam que o estalinismo era uma contra-revolução, e continuam acreditando que a Mãe Rússia de hoje é a legítima herdeira da União Soviética dos anos mais heroicos.

Esta posição os aproxima de certos setores do nacionalismo, como ficou claro no Chile quando grupos “nacionais-revolucionários” pediram apoio para Eduardo Artés. É claro que os dois tipos de patriotas chilenos apoiam fortemente a intervenção militar da Rússia e das “repúblicas populares” de Donetsk e Lugansk: um sonho tornado realidade para Dugin e todos os “bolcheviques nacionais”![5] O chamado “rojipardismo” do Chile é um movimento “nacional-revolucionário”.

O chamado “rojipardismo” foi produzido a partir dos anos 20 para designar correntes que se chamavam “bolcheviques nacionais” e outras que poderiam constituir espécies diferentes de “fascismo de esquerda”.

Este flerte nacionalista tinha sido advertido como um grave perigo, entre outros, por Rosa Luxemburgo. Em sua “Crítica da Revolução Russa” ela advertiu que os bolcheviques com seu apelo pelo direito de autodeterminação das nações haviam agravado as dificuldades objetivas que enfrentaram após tomar o poder, pois “sob o domínio do capitalismo não há espaço para qualquer autodeterminação nacional”, uma vez que em uma sociedade de classes cada classe social “deseja ‘autodeterminar-se’ de uma maneira diferente e (…) entre as classes burguesas as visões da liberdade nacional cedem completamente às do domínio de classes”[6]. Com sua política e a “frase nacionalista bombástica de ‘direito à autodeterminação até a separação estatal’” os bolcheviques “nada mais fizeram do que emprestar à burguesia de todos os países vizinhos o melhor dos pretextos, e até mesmo a bandeira de suas aspirações contrarrevolucionárias”[7]. Neste sentido, para Rosa Luxemburgo, tanto na socialdemocracia alemã como com os bolcheviques, é possível notar que “na atual guerra mundial é um destino fatal do socialismo ser predestinado a fornecer pretextos ideológicos para a política contrarrevolucionária”[8].

Quase um século depois daquele primeiro rojipardismo vermelho, o conceito foi ressuscitado para se referir a expressões muito mais difusas e confusas de possível convergência entre a extrema direita e a extrema esquerda.

Como explica Steven Forti, o fim da Guerra Fria e o colapso do “socialismo real” provocaram outro exemplo visível de rojipardismo, “quando as novas formulações nascidas dos anos 70 – o grupo da revista Orion de Claudio Mutti e Maurizio Murelli, a Nouvelle Résistance de Christian Bouchet, o Movimento Social Republicano de Juan Antonio Llopart, etc. – se juntaram ao Euriasianismo de Dugin”. O mundo pós-soviético tornou-se um “verdadeiro laboratório que os nacionalistas revolucionários ocidentais observavam com interesse: em 1993 o Partido Nacional-Bolchevique foi fundado na Rússia, liderado por Eduard Limonov e acompanhado até 1998 pelo próprio Dugin”[9].

Nem Limonov nem Dugin aderiram ao velho ideal do comunismo, mas foram leais “àquele grande império que lutou uma Grande Guerra Patriótica, que derrotou o nazismo e fez da Rússia a principal potência mundial”. Um império com o qual as pessoas comuns se identificaram a um ponto que o Ocidente sempre preferiu não ver”, o que de fato pode ser visto muito bem no filme “Funeral de Estado”.

Esta identificação voltou a estar em primeiro plano no final de fevereiro de 2022 com as ações militares da Rússia na Ucrânia. Como Zizek aponta, “a política externa de Putin é uma clara continuação desta linha czarista-estalinista”, e não da política leninista seguida antes da estalinização, que Putin denuncia precisamente como responsável por ter “inventado” a Ucrânia.

Para Zizek, portanto, “não é surpreendente que possamos ver mais uma vez retratos de Stálin durante desfiles militares e celebrações públicas na Rússia hoje, enquanto Lenin é apagado”, pois “Stálin não é celebrado como comunista, mas como o restaurador da grandeza da Rússia após o ‘desvio’ antipatriótico de Lenin”[10]. Tal declaração coincide com a leitura “revolucionária nacional” da geopolítica do atual conflito Rússia-Ucrânia, que destaca o fato de que já em 1993 na ex-URSS “comunistas, nacionalistas e apoiadores da monarquia ortodoxa czarista” unidos contra Boris Ieltsin, forças que apesar de todas as suas diferenças “todos têm algo em comum: a defesa da soberania da Rússia e do eurasianismo”[11].

O autor, o nacionalista hispânico José Alsina Calvés, identifica esta coalizão de forças como “aquela que apoiará a emergência de Vladimir Putin e o renascimento da Rússia”. Portanto, não é coincidência o que ele mesmo aponta: que enquanto os neoliberais de direita ainda veem “comunismo” na Rússia, os neoliberais de esquerda a identificam com “uma espécie de reencarnação do ‘fascismo’”[12].

Estamos assim diante de um cenário complexo no qual fenômenos e posições típicas do século XX se misturam com uma nova época que está apenas começando a tomar forma, e no qual, de uma forma bastante pós-moderna, são produzidos todos os tipos de mesclas que tornam possível o absurdo de ter que escolher entre dois males menores quase idênticos: “Nazistas versus fascistas”.

A ressaca da Guerra Fria e a impossibilidade de avançar para a superação do capitalismo levou a uma espécie de impasse no qual somos forçados a apoiar uma espécie de pós-fascistas (os russos) contra os “neonazistas” ucranianos, como se o Batalhão Azov representasse toda a população daquela região, e não tenho dúvidas de que alguns novos rojipardos aplaudiriam com entusiasmo até mesmo o uso de uma bomba atômica “antifa” contra a Ucrânia.

Estão chegando tempos difíceis, em que nós anticapitalistas e antiautoritários não podemos nos enganar: não se luta contra o fascismo sem lutar contra o capitalismo como um todo, e apoiar os lados em uma guerra imperialista nos deixa na mesma posição que a socialdemocracia estava há pouco mais de um século, ou seja, traindo a luta pela emancipação humana em nome de considerações geopolíticas e colaboração de classe sob a bandeira das diversas burguesias nacionais.

Notas

[1] https://www.youtube.com/watch?v=vV6_ywb3XuM&ab_channel=4t5punk

[2] Vamos hacia la vida, “La alegría nunca llegó y el miedo se disfraza de esperanza”, 5 de janeiro de 2022. Em: https://hacialavida.noblogs.org/la-alegria-nunca-llego-y-el-miedo-se-disfraza-de-esperanza/

[3] https://lavozdelosquesobran.cl/hassan-akram-por-guerra-entre-rusia-y-ucrania-estamos-frente-a-dos-paises-con-fuerte-presencia-de-la-ultraderecha-organizada/28022022

[4] Franco “Bifo” Berardi, “Guerra e demência senil”. Lobo suelto, 27 de fevereiro de 2022. Em: https://lobosuelto.com/guerra-y-demencia-senil-franco-bifo-berardi/

[5] Ver a “Declaração do Partido Comunista do Chile (Ação Proletária) antes dos últimos eventos na Ucrânia” e o Comunicado do Círculo Patriótico “Em apoio à ação da Rússia e dos povos de Donetsk e Lugansk”.

[6] Rosa Luxemburgo, Crítica da Revolução Russa, Montevidéu, Biblioteca de Marcha, 1972, p. 88.

[7] Ibid., p. 91.

[8] Ibid.

[9] Forti, Steven. “Los rojipardos: Mito ou Realidade? Nueva Sociedad N°288, julho/agosto de 2020. Em: https://nuso.org/articulo/los-rojipardos-mito-o-realidad/

[10] Slavoj Zizek, “‘Adeus Lenin’ na Ucrânia: aceite, esquerdistas, Putin é um nacionalista conservador”. El Confidencial, 24 de fevereiro de 2022. Em: https://blogs.elconfidencial.com/cultura/tribuna/2022-02-24/slavoj-zizek-lenin-donbas-ucrania_3380578/

[11] José Alsina Calvés, “La geopolítica del angloimperio y la balcanización de Rusia”. Blog de editorial Ignacio Carrera Pinto, 27 de fevereiro de 2022. Em: https://blog.ignaciocarreraediciones.cl/la-geopolitica-del-angloimperio-y-la-balcanizacion-de-rusia-por-jose-alsina-calves/ Onde diz “comunistas” devemos entendê-lo para nos referirmos às mutações do bolchevismo russo após a morte de Stalin.

[12] Ibid. Alsina Calvés está ligada ao grupo SOMATEMPS, oposto à independência catalã e autora de um “Manifiesto Hispanista”, e ligada ao Movimiento Social Republicano de Llopart.

Fonte: https://panfletossubversivos.blogspot.com/2022/03/ucrania-y-rusia-nazis-contra-el-fascismo.html

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

Quando a chuva pára
Por uma fresta nas nuvens
Surge a lua cheia.

Paulo Franchetti



on Twitter


on Facebook


on Google+




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org