Dezembro 15, 2020
Do Agencia De Noticias Anarquistas
147 visualizações


Nos dias 19 e 21 de novembro, foram apresentados dois dias de mobilização e protesto nacional, que consideramos importantes para rever e analisar. Primeiro, na quinta-feira 19 de novembro, quando o Comitê Nacional do Desemprego procurou concentrar suas forças, foram convocadas marchas em pelo menos 22 cidades do país. Naquele dia, em Bogotá, uma mobilização sindical clássica foi apresentada do parque nacional à praça Bolívar, a partir da manhã, com cerca de 7.000 participantes. A participação da CUT é notável, com os trabalhadores da saúde da ANTHOC, Sintraiss e a coordenadora sindical de saúde desempregados deste setor, os professores da Ade e uma pequena coluna da Adec, as empresas petrolíferas da USO, os funcionários bancários da UNEB ou Anebre, trabalhadores universitários como Sintraupn, assim como delegações de trabalhadores públicos da CGT e do CTC.

Além disso, uma caravana de ativistas sindicais se uniu à mobilização, assim como habitantes de bairros populares e associações de trabalhadores da reciclagem, enquanto uma pequena concentração para a liberdade dos presos políticos foi apresentada no centro da cidade. Participamos do dia com uma pequena delegação de ativistas vermelhos e pretos e roxos e negros do Grupo Libertário Via Libre junto com os camaradas da Coordenação de Processos de Educação Popular (CPEP) em Luta.

Com demandas centradas em medidas sociais contra a atual crise sócio-sanitária e seu impacto econômico, e o cumprimento da difusa lista nacional de demandas, mais uma vez o único setor que entrou em greve, parcial e diminuído, foi o dos professores do Estado, e embora seja possível que tenha havido baixos níveis de anormalidade trabalhista em algumas instituições estatais e no sistema judiciário, não houve uma paralisação real da atividade econômica geral.

Dois dias depois, no sábado 21 do mesmo mês, pelo menos 15 atividades de mobilização foram convocadas por um grupo mais desarticulado de organizações sociais e políticas, concentradas principalmente em Bogotá, a maioria das quais não foram realizadas ou foram apresentadas em dimensões muito limitadas.

Naquele dia na capital, onde a estratégia do governo combinando militarização com a presença de soldados e polícia militar no centro da cidade e dias de desconto com a febre consumista do terceiro dia sem IVA, um evento cultural muito diminuído foi apresentado na Praça Bolívar que deveria reunir os participantes de mais 4 atividades e um concerto no Parque dos Hippies, com uma forte desconexão do resto do dia.

Da mesma forma, houve pequenas marchas com dezenas de participantes na Universidade Nacional que se tornaram um choque com a polícia, assim como a Plaza de la Hoja no centro e o setor de Los Héroes no norte. No final da tarde, algumas centenas de pessoas se mobilizaram do Parque Nacional para a Rua 19 em frente à placa comemorativa da Dilan Cruz. À tarde, uma marcha de bairro mais interessante aconteceu em Ciudad Bolivar e Bosa à noite, que se concluiu com um evento cultural.

Elementos de equilíbrio

As atividades em 19 e 21 de novembro de 2020, um ano antes do grande dia de protesto nacional de 2019, mostram um refluxo considerável e uma relativa derrota política do movimento popular. O que deveria ser a segunda greve geral do ano e o sétimo movimento deste tipo durante o governo de Iván Duque após a escassa convocação em 2018 e a flutuação de quatro dias convocada em 2019, mostrou resultados escassos, e ainda mais limitados do que os das convocações anteriores ao mês de novembro do ano passado.

Embora o segundo semestre deste ano tenha mostrado uma reativação dos níveis de mobilização, é claro que devido a vários fatores que devemos investigar em profundidade e que podem passar pelo esgotamento físico e político, a pandemia e a crise econômica, a repressão contra certos setores políticos, ou os efeitos da revolta de 9 e 10 de setembro, não houve continuidade com o movimento do ano passado e os setores da juventude popular que surgiram nos últimos dois meses de 2019 foram fragmentados e retirados. O vigésimo primeiro, ou seja, o chamado ritual de mobilização a cada 21 do mês na esperança de manter vivo o movimento novembro-dezembro de 2019, que começou sua dinâmica ritual em janeiro deste ano e foi instalado em agosto, terminou, como ficou evidente no início, com um claro fracasso.

As mobilizações de 19 e 21 de novembro deste ano, a segunda muito mais dramática do que a primeira, foram claramente menores do que o protesto de 21 de outubro passado, que conseguiu o atendimento de setores sociais mais diversos e uma maior presença das bases sindicais. Além disso, várias das organizações que supostamente organizaram o protesto, tais como a burocracia estudantil da ACRES ou as confederações de pensionistas, tiveram um comparecimento menos que simbólico. Por outro lado, simplesmente não há comparação com a massiva mobilização sindical e popular no centro da capital que ocorreu no contexto da greve nacional de 21 de novembro de 2019.

Embora não se trate de um fenômeno novo, o movimento sindical mostrou seus problemas interligados de burocratização e fragmentação, nos quais, por um lado, a maioria dos pequenos sindicatos não conseguiu convocar uma marcha para sua diretoria com permissão sindical e, por outro lado, as organizações de porte médio incorporaram um grande número de jovens pagos para carregar bandeiras e estandartes, cuja presença às vezes excedia o número de membros, e onde os artistas contratados para energizar se revelaram centrais, apesar de seus escassos elementos vingativos.

Em parte devido ao grave impacto da pandemia e às medidas de distanciamento social, o trabalho social de base que tínhamos apontado como vital para recompor o movimento que emergiu dos dias de protesto nacional de 2019, foi enfraquecido ou paralisado. Abordar esta tarefa permanece indefectível do ponto de vista socialista libertário, embora seja claramente necessário enfrentá-la sob as novas circunstâncias da relativa retirada do movimento.

Arriba los que luchan!

Grupo Libertário Via Libre

Fonte: https://grupovialibre.org/2020/12/01/balance-de-las-movilizaciones-del-19-y-el-21-de-noviembre-de-2020/

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

Na noite escura
um mar de espuma
chama pela lua

Eugénia Tabosa




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org