260 visualizações


Por Valentina Parada Lugo | 04/05/2021

Isabella García Guerrero, irmã mais nova de Nicolás, um dos jovens mortos pela polícia no meio da greve nacional em Cali, disse que esta é a segunda vez que sua família é vítima do estado colombiano. Ela pede que a morte dele não seja apenas mais um número.

“Nico sempre lutou por seus ideais, ele não se contentava em ver este país assim”. Onde quer que ele tivesse que marchar, onde quer que ele tivesse que pedir seus direitos, ele estava sempre lá. Ele morreu em seus ideais de luta, ele queria um futuro melhor para a Colômbia, queria nos dar uma vida digna, queria ver sua filha crescer em um país diferente. Ele sonhava com a mudança. A última vez que falamos foi no sábado e ele me disse para não me preocupar, que coisas muito feias estavam chegando e que certamente muito sangue de inocentes seria derramado para que isso mudasse… mas eu não esperava que fosse dele”.

Isabella García Guerrero, 22 anos, irmã mais nova de Joan Nicolás García Guerrero, um dos jovens assassinados durante a greve nacional na noite de 2 de maio em Cali (Valle del Cauca), exige que seu caso não fique impune e que ele não seja mais um número. De sua residência no México, ela disse ao El Espectador que esta é a segunda vez que sua família é vitimada pelo Estado: a primeira, há quase 20 anos, quando seu pai Rubiel García Montezuma foi condenado, sua família alega, por um crime que ele nunca cometeu. Laura Guerrero, mãe de Nicolás e esposa de Rubiel, espera há mais de uma década pela justiça no caso de seu marido e desde então processou a Nação por ter sido vítima de um “falso positivo” judicial.

Rubiel morreu há 15 anos depois de passar dois anos na prisão, e desde então ele se tornou o ideal de luta para seus filhos. “Meu pai sempre lutou para provar sua inocência e minha mãe sempre foi uma ativista pelos direitos humanos, pela paz, pelo feminismo”. Minha mãe sempre marchou conosco, ela sempre sonhou com uma Colômbia em paz. Na verdade, a linha artística que Nicolás carregava em seu sangue e que o levou a sonhar em se tornar um reconhecido grafiteiro também foi herdada de seu pai, que era pintor e artista.

Sebastián Tellez, fotógrafo, artista e amigo de Nicolás, concordou. “Flex (seu nome artístico) não era um bandido, não era um criminoso, foi um artista, um grafiteiro durante oito anos. Ele gostava de sair e pintar a cidade com belas mensagens e seu sonho era sempre aprender cada vez mais sobre arte, agora ele estava aprendendo a fazer Lettering”.

Nicolás tinha chegado a Cali, sua cidade natal, apenas três meses depois de ter estado na Espanha por vários anos vivendo com sua esposa e sua filha Emily, de oito anos de idade. De acordo com sua família, ele havia retornado em busca de uma oportunidade de trabalho com a Secretaria de Cultura de Cali, mas não havia recebido resposta de nenhum emprego e estava se dedicando a aprender a tatuar para ganhar uma renda. “Meu irmão e eu deixamos o país porque não tínhamos oportunidades. Eu não tinha um emprego decente, não tínhamos futuro, mas ele sempre sonhou em voltar à Colômbia. Ele nos disse que na Espanha não havia folclore, que a comida não tinha o mesmo sabor, que ele sentia falta de seu povo, de sua cidade”, disse Isabella.

Na tarde de domingo, 2 de maio, dia em que ocorreram os eventos, Nicolás havia se reunido com um grupo de amigos e vizinhos para recolher alimentos e remédios para levar aos manifestantes. Embora as pessoas que o acompanharam digam que não conseguiram ver qual oficial fardado atirou nele, este jornal falou com o motorista da van que o transportou quando ele foi ferido, cujo nome está sendo retido por razões de segurança, e que foi uma das principais testemunhas do que aconteceu naquela noite. “Quando Nicolás foi baleado, havia tantos policiais que era muito difícil saber quem disparou a arma, mas quero denunciar que logo atrás da primeira linha do Esmad (polícia de choque) havia um policial à paisana, ele estava usando calções e uma camiseta, mas não me lembro da cor, ele tinha um capacete de polícia e estava atirando à queima-roupa nas pessoas”.

O motorista da van, que na verdade era apenas mais um manifestante que havia assistido em seu veículo, disse que embora não conhecesse Nicolás e apenas lhe prestasse um serviço, ele testemunhou como queriam fechar a porta sobre ele no hospital Joaquín Paz Borrero, localizado no bairro Alfonso López (leste de Cali). “Não sei quanto me custará dizer isto, mas quando chegamos lá, tivemos que ameaçar os paramédicos do hospital para que eles o atendessem, porque inicialmente nos disseram que não poderiam receber feridos da greve nacional. Dissemos a eles que se não cuidassem dele agora, tínhamos muitas pessoas a caminho para acabar com o hospital. E foi aí que eles o atenderam”.

El Espectador falou com Angie Gutiérrez Ospina, porta-voz do hospital, que disse que “não foi assim, o que aconteceu foi que lhes disseram que não podíamos mobilizar mais ambulâncias porque tínhamos acabado de ser atacados nas ambulâncias como uma missão médica”. Mas eles o atenderam. Entretanto, após quase meia hora de atenção naquele hospital, Nicolás García Guerrero teve que ser transferido para a Clínica Imbanaco, onde finalmente morreu devido à gravidade de seus ferimentos.

Mauricio Zúñiga, outro dos amigos que acompanharam Nicolás ao velório no domingo, disse que quando a polícia e o Esmad chegaram para dispersar a manifestação, havia pessoas idosas participando das orações. “De repente, muitas motocicletas e tanques começaram a chegar e gás lacrimogêneo foi jogado em nós. A situação era tão difícil que as pessoas tiveram que fugir e muitas caíram no chão, entre elas idosos, pessoas que estavam em cadeiras de rodas de forma pacífica”.

Essa mesma cena foi transmitida ao vivo pelo DJ Juan de León que, através de sua conta Instagram, conseguiu capturar vários momentos chave da noite, como quando Nicolás Guerrero foi baleado. Essa imagem foi vista por mais de 50.000 pessoas ao vivo, incluindo os membros da família de Nicolás que descobriram o que havia acontecido através daquele meio. Juan de León e sua família receberam ameaças de morte em 3 de maio e tiveram que deixar a cidade por segurança.

“Se algo acontecer à minha família, responsabilizo o Estado colombiano”

Isabella está com medo e ansiosa pela segurança de sua família. Ela diz, com sua voz quebrando, que teme que agora que vão exigir justiça, possam começar a receber ameaças. “Sei que agora vem a parte mais difícil e tenho muito medo do que poderia acontecer com minha mãe, meu irmão de 10 anos, meu padrasto ou meus tios, porque finalmente estou fora do país, eles não podem fazer nada comigo, mas considero o estado colombiano 100% responsável se algo acontecer com minha família.

Embora eles não tenham sido intimidados desde que os eventos ocorreram, ela denuncia que, através das redes sociais, pessoas inescrupulosas espalharam maciçamente o endereço da casa de seus avós para fazer um velório para Nicolás, o que para ela significa um risco contra a integridade e a vida de sua família.

Isabella García Guerrero diz repetidamente sem cansar: contra a vontade da família, seu irmão “sempre esteve disposto a morrer por este país porque lhe doía as injustiças. Às vezes ele nos dizia que se um dia morresse, o faria pela Colômbia e que seu nome teria um legado, mas nós lhe dizíamos para parar de falar bobagens”.

Fonte: https://www.elespectador.com/noticias/nacional/mi-hermano-siempre-dijo-que-si-el-moria-lo-hacia-por-su-pais-hermana-de-nicolas-guerrero/?cx_testId=14&cx_testVariant=cx_1&cx_artPos=0#cxrecs_s

Tradução > Liberto

Conteúdo relacionado:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2021/05/05/colombia-brutalidade-policial/

agência de notícias anarquistas-ana

O frêmito cessou.
A árvore abre-se
para conter a lua.

Eugenia Faraon




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org