203 visualizações


Grupo Vía Libre, 8 de maio de 2021

Hoje a Colômbia vive uma das jornadas mais importantes de protesto social dos últimos anos; milhares de pessoas têm saído para expressar seu descontentamento com as políticas neoliberais do governo de Iván Duque. Por sua vez, o Estado tem respondido com desproporcionalidade, repressão e violência. Em 5 de maio, 24 pessoas foram informadas como mortas, 381 pessoas foram feridas, das quais 31 tiveram lesões oculares e 24 foram feridas por armas de fogo, 15 pessoas foram vítimas de violência baseada em gênero, 379 pessoas desapareceram e 1180 pessoas foram detidas¹. A seguir, apresentamos uma análise do protesto e esboçamos algumas tarefas para o momento presente.

A Lei de Solidariedade Sustentável e o contexto político no qual ela está ocorrendo

Em abril passado, os três sindicatos centrais do país (CUT, CGT, CTC) e algumas organizações sociais fizeram um chamado geral para uma greve e mobilização nacional para 28 de abril, pedindo principalmente para se oporem à terceira reforma tributária introduzida pelo governo do uribista e ultradireitista, Ivan Duque, no Congresso da República. A reforma, segundo seu coautor, o agora ex-ministro da Fazenda Alberto Carrasquilla, procurou levantar 35 trilhões de pesos para compensar a suposta crise orçamentária do Estado, mantendo a linha de ajuste econômico neoliberal do atual governo, agora no contexto da redução do PIB, do aumento da dívida pública, do aumento do desemprego e do aprofundamento da desigualdade e da pobreza desencadeada pela pandemia da COVID-19.

Além disso, a reforma tributária, eufemisticamente chamada Lei de Solidariedade Sustentável, foi introduzida no Congresso no contexto de um governo fraco e cada vez mais impopular que, apesar de ter uma maioria no poder legislativo, foi rejeitada pela maioria dos partidos políticos, esquerda e direita, incluindo o próprio partido governante, por conveniência, o ultradireitista Centro Democrático. A maioria dos setores rejeitou a reforma porque ela buscava recolher recursos para o Estado através de impostos indiretos regressivos sobre os produtos da cesta básica familiar, o aumento da alíquota do imposto de renda e o alargamento da base de pessoas que a pagam, e a eliminação de benefícios fiscais, como subsídios para serviços públicos. O principal efeito do acima exposto seria o de aprofundar a desigualdade e a fome no país, sufocando financeiramente a classe média e as classes trabalhadoras e populares. Assim, a reforma também foi oposta por um setor de empresários, que não acreditam que seja viável obter recursos de famílias trabalhadoras em meio a uma crise de saúde e econômica.

Agora, a jornada de mobilização e da greve foi convocada num contexto de descontentamento popular com o governo no poder, anteriormente expresso em novembro de 2019 através da Greve Nacional de 21 de novembro e nos dias seguintes, assim como através das manifestações contra a brutalidade policial em setembro de 2020 diante do assassinato do advogado Javier Ordóñez numa CAI em Bogotá, do estupro de mulheres pela polícia e, em geral, dos abusos cometidos por este órgão repressivo. Além disso, isto vem em meio a um contexto de pequenas lutas de trabalhadoras que enfrentam demissões e condições de trabalho durante a pandemia (por exemplo, trabalhadores da saúde, mineração, serviços de entrega, construção, etc.), e manifestações e bloqueios de trabalhadoras informais e desempregadas que, devido às restrições de mobilidade impostas para conter a COVID-19, não têm renda garantida para cobrir despesas de aluguel e alimentação. Finalmente, o chamado à greve está ocorrendo em um ambiente político autoritário, no qual a participação política é limitada pela violência, perseguição e assassinato de múltiplos atores político-sociais que defendem a defesa do território, do Acordo de Paz e do meio ambiente, tais como defensores dos direitos humanos, líderes camponeses, negros e indígenas, sindicalistas, ambientalistas e líderes civis e comunitários. Ao mesmo tempo, os ex-combatentes da guerrilha das FARC foram exterminados em face de um Estado que é cúmplice por ação ou omissão.

A Greve do 28A e as Jornadas de Mobilização

Em 28 de abril, milhares de pessoas se manifestaram nas ruas das principais cidades do país, assim como em municípios e áreas rurais menos povoadas, respondendo ao chamado feito pelas centrais sindicais. A mobilização, maciça em cidades como Bogotá, Cali, Medellín, Pereira, Barranquilla, Bucaramanga, Cúcuta, Manizales, Villavicencio, Neiva, Tunja, Cartagena, Popayán, Pasto, entre outras, foi liderada por milhares de pessoas que se manifestaram nas ruas e bloquearam estradas intermunicipais e estradas urbanas. O dia foi marcado por expressões de descontentamento como panelaços à noite, confrontos com a polícia, saques e a demolição pelo povo indígena Misak da estátua do conquistador espanhol Sebastián de Belalcázar, em Cali. Além de ser maciça, a mobilização foi bem recebida em toda a Colômbia, com a participação de pessoas em Turbo, Pitalito, Cáqueza, Guayabetal, Chipaque, Duitama e Sogamoso sendo importante; áreas rurais de Cundinamarca como Samacá, Marinilla, Betania e Hispania, perto de Bogotá, municípios perto de Cali como Palmira, e municípios perto de Ocaña na região de Catatumbo; e departamentos escassamente povoados como Casanare, Vaupés, Amazonas e Arauca, que também se juntaram ao movimento.

A principal reivindicação das manifestações foi a retirada do projeto de reforma tributária do Congresso; no entanto, também houve notável descontentamento com o governo no poder, discordância com o tratamento da pandemia e reclamações sobre a situação de fome e pobreza da maioria da população. Deve-se notar que tanto as autoridades locais quanto nacionais tentaram conter o protesto, declarando toque de recolher obrigatório nas cidades (por exemplo, em Cali e Medellín), militarizando certas cidades, e com tentativas de proibir o protesto devido à possibilidade de infecção pela COVID-19, apesar dos apelos dos organizadores para adotar medidas de biossegurança. Além disso, vale ressaltar os esforços das autoridades nacionais para desmobilizar os manifestantes criminalizando o protesto, qualificando como vândalos aqueles que nele participam e perseguindo estudantes e jovens para incriminá-los falsamente. A mídia hegemônica contribuiu para a estigmatização ao reproduzir narrativas oficiais, focalizando sua cobertura nos impactos da mobilização sobre a situação da saúde, e ignorando parcialmente os abusos das forças policiais e militares, tais como a dispersão intencional de concentrações de manifestantes, prisões arbitrárias, ou a morte de um jovem em Neiva como resultado da ação policial.

Após o dia 28 de abril, os esforços de greve e mobilização continuaram nos dias seguintes, apesar da resposta repressiva do Estado e da teimosia do governo de Iván Duque. Em 29 de abril, cidades de Valle de Cauca como Cali e Palmira, entre outras, testemunharam grandes manifestações populares de descontentamento com o governo, bem como manifestações mais moderadas no sudoeste do país e nas cidades maiores. A reação da população de Valle del Cauca ao toque de recolher foi recebida com grande repressão, com massacres policiais ocorrendo durante essa e nas noites seguintes, com alguns jovens mortos como resultado, e relatos de abusos de todo tipo, desde espancamentos, agressões e prisões arbitrárias, a tiros indiscriminados com armas de fogo, tortura, ataques a equipes médicas e de direitos humanos, e abusos sexuais.

Em 30 de abril, mobilizações, bloqueios, panelaços e expressões de não conformidade foram reativados em toda a Colômbia, principalmente por jovens manifestantes. Da mesma forma, um evento transcendental foi o bloqueio do porto de Buenaventura, o porto mais importante do país, que testemunhou grandes mobilizações nos últimos anos, incluindo a greve cívica no início deste ano. No dia 1º de maio, Dia Internacional do Trabalhador, o protesto ganhou força, com mobilizações, reuniões e greves em todas as principais cidades do país (Bogotá, Cali, Pasto, Popayán, Cúcuta, Pereira, Manizales, Bucaramanga, Barranquilla, e Manizales). Além disso, houve protestos agitados perto da residência do presidente, no norte de Bogotá, e bloqueios. Finalmente, o dia terminou com uma repressão brutal como nas noites anteriores; tornando-se uma estratégia terrorista para controlar o descontentamento popular.

Em 2 de maio, o grande movimento continuou e a cidade de Cali recebeu os indígenas Minga de Cauca e juntaram à mobilização. Nesse mesmo dia, como resultado da pressão exercida pelo povo, o governo Duque anunciou a retirada do projeto de reforma tributária no Congresso. No entanto, os setores sociais participantes da greve: trabalhadoras, estudantes, certas organizações sociais e pessoas comuns declararam que ainda estão em greve por causa da reforma sanitária em andamento, bem como pela repressão estatal, e em oposição ao governo e ao Uribismo. Finalmente, para encerrar este relato de alguns eventos importantes nesta onda de protestos na Colômbia, no dia 3 de maio os motoristas de táxi e caminhão realizaram uma greve parcial em Bogotá, Medellín e Barranquilla, bloqueando estradas e rodovias; Os estudantes entraram gradualmente em greve nos departamentos e faculdades de suas universidades, públicas ou privadas, e, em menor grau, em algumas escolas públicas; e a mobilização continuou em cidades como Neiva, Bucaramanga, Bogotá, Cúcuta, Valledupar, Barranquilla, Barrancabermeja, Villavicencio, e vários municípios de Valle del Cauca. Também nesse mesmo dia, o Ministro da Fazenda apresentou sua demissão ao presidente, que à noite solicitou “assistência militar” para conter os protestos, enquanto a situação crítica do país ganhava grande visibilidade internacional.

Apesar da retirada da Reforma Tributária, a Greve Nacional é mantida

Após a vitória popular da retirada da reforma tributária neoliberal, que é parcial na medida em que o governo de Iván Duque a retira condicionada à formulação de uma nova baseada no “consenso” entre o governo, os partidos políticos, os setores sociais e a suposta “sociedade civil”, vários setores sociais, ainda insatisfeitos, declararam-se em greve e mobilização indefinida. O descontentamento, que a retirada da reforma não pôde conter, continuou a se manifestar nas ruas, principalmente diante do terrorismo de Estado que atingiu, através de abusos da polícia e das forças militares, a população desarmada e enfurecida. Com os olhos dos atores internacionais sobre a situação dos direitos humanos, o governo não parou a repressão, mas, ao contrário, a escalou, justificando-se constantemente no que em seus critérios autoritários é o protesto “excessivo”. As ações das forças públicas, mais uma vez legítimas no debate público, têm perdido a confiança que costumava ser cegamente depositada nelas. Da mesma forma, o descontentamento se manifestou na forma de rejeição generalizada do governo e de suas propostas de reforma neoliberal, tais como a projetada reforma do sistema de saúde, que teria o efeito de privatizar ainda mais o já precário e exclusivo sistema de saúde da Colômbia.

Entretanto, embora o movimento popular amplamente espontâneo seja eficaz, existe uma incerteza considerável sobre se as novas demandas serão atendidas. Paralelamente ao avanço da organização setorial em torno da situação nacional, o vanguardismo da esquerda está fazendo esforços para instrumentalizar o descontentamento em seu favor, e os partidos políticos, além de canalizar o movimento em direção às eleições, estão se posicionando, juntamente com os empresários, em seu turno prioritário para negociar com o governo os pontos da nova reforma tributária. Estes atores políticos não levam em conta as necessidades e sentimentos do movimento popular porque não é indispensável para eles em sua ânsia de assumir o controle do Estado ou de posicionar seus próprios slogans na agenda nacional. É imperativo, portanto, ler as razões por trás do inconformismo e, com ele, ouvir as vozes, sentimentos e necessidades daqueles que o expressam, apoiando-os em suas lutas contra a repressão, contra os ajustes do capital e contra a profunda desigualdade que os atravessa.

O que está por vir

O ajuste do orçamento é o resultado do capital em crise e isto, em sua urgência de sair dele, atinge a classe média e, principalmente, a classe trabalhadora e popular para sobreviver. Enquanto a reforma tributária que Carrasquilla e Duque apresentaram no Congresso parecia completamente desligada da realidade, ignorando a realidade da pobreza e precariedade da população sobre a qual eles tentaram tributar aumentando o preço dos alimentos, e ignorando a contraproducência do capital por trás do empobrecimento das classes médias e de consumo, ela responde precisamente a uma realidade de pobreza e precariedade da população, responde precisamente a uma realidade de submissão do Estado aos interesses econômicos dominantes, liberando-os de qualquer carga tributária, facilitando a exploração dos trabalhadores através da flexibilização do trabalho e abrindo o caminho para o lucro através da precariedade de todas as áreas da vida das pessoas. Os gastos sociais quase inexistentes que o governo alega necessitar de dinheiro para manter obedecem à sua política de conter a miséria através de subsídios e, em vez de facilitar o acesso da população à saúde, educação e alimentação, torna-a completamente dependente da empresa capitalista ou privada que procura monopolizar esses serviços. A rejeição da reforma fiscal representa uma rejeição do aprofundamento da desigualdade que, neste caso, se expressa em mais fome para as classes trabalhadoras e populares, e menos responsabilidade para os ricos. Diante disto dizemos: Deixem os capitalistas pagar pela crise!

Nesta atmosfera de descontentamento, a tarefa à frente é fortalecer a mobilização e as lutas que surgem, ativadas ou reativas, neste importante momento. Nossa aposta continua sendo a criação de um povo forte, capaz de contrariar os avanços do capital e construir uma sociedade socialista, antipatriarcal, anti-colonial, livre e justa. É hora de fortalecer os processos de base, organizar os setores não-conformistas, apoiar a mobilização e alimentá-la para que dela surjam importantes vitórias, seja na forma de concessões feitas por pressão popular e ação direta, seja na forma da organização e capacidade de luta do povo. Os manifestantes ainda exigem a retirada da reforma do sistema de saúde, o fim da violência estatal e da militarização dos territórios, uma renda básica para enfrentar a crise econômica, e uma vida digna e pacífica. Neste sentido, a partir do Grupo Libertário Via Libre, pedimos a continuação da mobilização e da greve, contra o Uribismo e a repressão, mas também contra o capitalismo, o patriarcado e o colonialismo.

A luta continua!

Arriba las que luchan!

[1] Dados retirados da campanha: Defender a Liberdade: Assunto de todas.

Fonte:

https://grupovialibre.org/2021/05/08/comunicado-sobre-el-paro-nacional-y-las-jornadas-de-protesta-en-colombia/

Tradução > Liberto

Conteúdo relacionado:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2021/05/10/colombia-abolir-o-estado-constituir-as-assembleias/

agência de notícias anarquistas-ana

Regato tranqüilo:
uma libélula chega
e mergulha os pés.

Anibal Beça




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org