206 visualizações


O Ceará é o terceiro estado com mais casos de infectados e mortos pelo coronavírus. No começo, a pandemia se proliferou pelas nas áreas ricas de Fortaleza fazendo com que os políticos logo intervissem declarando a quarentena e isolamento social. (post original http://reporterpopular.com.br/convite-para-a-formacao-do-comite-de-luta-por-vida-digna-no-ceara/)

Sabemos que muitos(as) trabalhadores(as), além dos(as) profissionais
de saúde, tiveram que continuar deixando suas casas para conseguir o seu
sustento e de sua família, pois o Estado com algumas concessões como a
isenção da conta de água e de luz – desde que cumprindo um limite de
consumo impossível para uma família grande – e outras politicas sociais
básicas, não conseguiu garantir o mínimo para que as pessoas pudessem
permanecer em suas casas com suas necessidades básicas supridas. Na
esfera federal, tivemos a aprovação de um auxílio emergencial que além
de ser pouco em seu valor (600,00 podendo chegar a 1.200,00) travou em
burocracias e em uma “situação em análise” eterna que mais parece falta
de vontade do governo federal.

Nessa conjuntura e com uma grande quantidade de trabalhadores(as)
informais, não é possível respeitar o isolamento social se isso
significa deixar faltar a comida na mesa. Enquanto os patrões estão
preocupados com seus lucros, nos estamos preocupados com nossas vidas.

Hoje, com a pandemia mais controlada nos bairros nobres da capital e a
morte aniquilando vidas nas periferias e nos territórios de povos
tradicionais, os políticos se apressam em reabrir o comércio, pois estão
preocupados com o lucro de quem paga por suas campanhas, tentam passar
ao nosso povo uma ilusão de controle, mas a realidade para aqueles(as)
que dependem do SUS, é que ele está sobrecarregado.

Mas a covid-19 não é o único mal que adoece a população cearense. A
inflação de Fortaleza no ano de 2020 está sendo a maior de todas as
capitais do Brasil. Percebemos a alta principalmente na nossa comida
além disso ainda temos que pagar aluguel, água, gás e energia. A
prefeitura distribui cestas básicas produzidas com os alimentos que
seriam consumidos nas escolas municipais e o governo estadual cria um
vale-merenda escolar no valor de R$ 80,00 para estudantes da rede
estadual sendo que os estudantes dos municípios pequenos do interior do
estado não receberam sequer esse vale que sabemos não dar para a
alimentação do mês!

Comida cara e pouco dinheiro, várias contas pra pagar e sem emprego
formal, nosso povo encontra como única saída a informalidade que não
conhece limitações de vírus ou saúde. Para muitos de nós é preciso estar
todos os dias nas ruas trabalhando, colocando em risco nossa saúde e da
nossa família. Por tudo isso, queremos construir no Ceará a campanha de
luta por vida digna. Dia 27 de junho, convidamos todas e todos para uma
reunião aberta às 10h, através da plataforma zoom!

Exigimos a entrega de vales ou cestas básicas para todos os
estudantes da rede pública de ensino de todos os municípios do Ceará!

Fim da cobrança de luz e água para famílias de baixa renda!
Anulação de dívidas para aqueles que perderam emprego!
Garantia de renda básica para todos(as) os(as) trabalhadores(as)!




Fonte: Resistencialibertaria.org