Maio 7, 2021
Do Passa Palavra
255 visualizações


Por Taller Libertario Alfredo López e Red de Comunistas por Cuentra Propia de Cuba

Em 30 de Abril, Leonardo Romero Negrin foi violentamente detido pela polícia durante uma manifestação em Obispo e Aguacate -Habana Vieja- com um cartaz que dizia “Socialismo sim, Repressão não”.

Leo, assim o chamamos aqueles que o conhecem, é um voluntário dos grupos que cuidam dos idosos e pessoas vulneráveis em Cuba, chamado SAF (Sistema de Atenção à Família); membro ativo da sua comunidade – no município do Centro Habana – onde desenvolve atividades educativas com crianças majoritariamente marginalizadas; participativo e integrado na vida cultural e política do seu centro de estudos, a Faculdade de Física da Universidade de Havana, a partir da sua perspectiva de defesa da tolerância e convivência política. Da mesma forma, Leo ajuda a tomar conta – junto com um grupo de companheiros – de um amigo deficiente. Participou na manifestação de 27 de novembro em frente ao Ministério da Cultura da República de Cuba pedindo o fim da repressão e o respeito pela Constituição. Também participou no Tángana, no parque Trillo, de um evento que pretendia ser uma resposta da esquerda para o acima referido.

Não estamos falando de um agente da CIA ou de um mercenário. Como filho de um varredor de rua e professora, pessoas de setores humildes da realidade cubana, Leo conhece em primeira mão a pobreza e a marginalidade que se vive numa das zonas mais densamente povoadas de Cuba com uma elevada taxa de precariedade.

Leo é precisamente um bom exemplo do cidadão modelo que todo Estado “revolucionário” e “socialista” pretende formar. Acreditamos que a razão pela qual, depois de o libertar com uma multa mínima, o Departamento de Segurança do Estado insiste em assediá-lo – está sendo processado por uma acusação inaceitável de Desordem Pública que implica pena de até cinco anos de prisão – é que a mera existência pública de Leo é um foco na verdade do que a “Revolução” se tornou: Saturno a devorar os seus filhos – o que Fidel Castro disse que não seria.

Exigimos o fim do assédio e perseguição policial a Leonardo Romero Negrín e apelamos à solidariedade e atenção de todos os camaradas para este caso que poderia definir o rumo futuro do Projeto Cubano de Sociedade. Não é um precedente que estamos dispostos a aceitar. Será que o exercício do ativismo socialista em Cuba será também uma ilegalidade?

Reconhecemos os direitos dos cidadãos dos restantes acusados nos protestos de 30 de Abril em Havana Velha, mas para nós o assédio, a repressão e a possível perseguição penal de Leo definirá diretamente o futuro do que é entendido pelo socialismo em Cuba, criará um precedente que cimentará mais claramente a dissociação do governo cubano com as ideias socialistas que afirma apoiar e é algo que não podemos aceitar passivamente. Para isso pedimos a mais ampla solidariedade, e por todos os meios possíveis, a defesa de Leo e o impedimento da sua perseguição penal pelo Estado cubano.

Esta carta é assinada pelo Taller Libertario Alfredo López e pela Red de Comunistas por Cuentra Propia de Cuba, e convidamos indivíduos e coletivos a assiná-la como sinal de apoio.

Publicado originalmente aqui.




Fonte: Passapalavra.info