Julho 21, 2021
Do Agencia De Noticias Anarquistas
370 visualizações


O encantamento social repressivo que manteve o museu de grande parte da esquerda internacional pacificado desapareceu. Sob a chamada “Revolução Cubana”, e ao contrário de sua imagem benigna, o “estado cubano” surgiu publicamente em toda sua crueza e grandiloquência repressiva. O mesmo Estado cubano que criou – para enfrentar o imperialismo norte-americano – uma polícia política onipresente que luta contra a sociedade sob seu controle. O mesmo Estado cubano que destruiu – em nome do socialismo – todas as organizações populares e de trabalhadores que, com suas histórias de luta, fizeram das conquistas socialistas declaradas uma realidade diária. O mesmo Estado cubano que transformou a solidariedade em uma marca de identidade internacional, com base em nos manter mergulhados na desconfiança e no medo entre vizinhos. O mesmo Estado cubano que – em meio à intensificação do bloqueio ianque – constrói mais hotéis para turistas estrangeiros do que infraestrutura para produzir alimentos, frutas ou leite. O mesmo Estado cubano que produziu as únicas vacinas na América Latina contra a covid-19, mas mantém seu pessoal de saúde em condição de funcionários assalariados da polícia política.

Nestes dias de julho de 2021, o Estado cubano mostrou o que é: uma oligarquia comum, cioso de manter seu poder absoluto a todo custo; uma cleptocracia vulgar com pretensões humanistas e iluminadas; uma pirâmide de poder tão sólida e desproporcional quanto as pirâmides das teocracias egípcias, mas rodeada pelas areias das praias paradisíacas.

Argumentar agora sobre o lugar de Cuba na estratégia imperial global, argumentar que os protestos anti-governamentais em Cuba são inevitavelmente pagos pela direita cubana em Miami, argumentar que os manifestantes são simplesmente criminosos pelos saques, que o verdadeiro povo revolucionário está com seu governo – todos estes são argumentos que descrevem uma parte significativa da realidade, mas não a esgotam em um só ponto. O povo de Cuba tem tanto direito e tanto dever de protestar quanto o povo da Colômbia e do Chile. Qual é a diferença? Que são oligarquias com origens diferentes, com práticas mais ou menos brutais, com uma composição ideológica mais ou menos diferenciada, com posições mais ou menos servil em relação ao governo dos EUA, com ideais mais ou menos sublimes para justificar seus privilégios? Todas estas imensas diferenças entre as oligarquias colombianas, chilenas e cubanas são reduzidas a zero quando numa bela manhã de domingo você descobre que, além das oligarquias mafiosas na Colômbia e no Chile, a oligarquia cubana também está – diante de um povo sem armas – armada até os dentes, um pouco mais ou um pouco menos, para esmagar você e seus irmãos, seu corpo e sua mente, se você pensar até mesmo em questionar em palavras a normalidade que eles gerem.

Tudo o que o Estado cubano fez para produzir vacinas nacionais contra a covid-19, todos os subsídios trabalhistas, todas as melhorias salariais que ofereceu a muitos setores em meio à pandemia, de repente evaporam, não só por causa da espiral inflacionária e da escassez endêmica de alimentos em Cuba, mas também porque se tornou visível que tudo isso fazia parte da teia macabra da “tolerância repressiva”, algo que qualquer pessoa decente em Cuba pode agora descobrir, sem ter que ler nenhum livro brilhante sobre contracultura. Aqueles que agora vêm adoçar essa tolerância repressiva neste país e construir sobre ele a miragem da concórdia militarizada, podemos calmamente defini-los como a nova face do que não deveria ter lugar em nosso futuro. Aqueles que, em nome de uma democracia futura ou de uma economia que funcione bem, vêm desacreditar as afinidades e fraternidades e as energias que surgiram nos protestos, ou reduzir o que aconteceu nestes dias ao “simples vandalismo da escória social”, falam em nome e na linguagem das oligarquias decrépitas que mais uma vez levantam sem vergonha suas vozes em nosso país.

As “massas” tornaram-se mais uma vez “pessoas”, com todas as suas luzes e sombras, deixando de obedecer às pesadas cadeias de comando, e mais uma vez confiando nos afetos, afinidades e nas capacidades mínimas de fazer e pensar juntos, que ressurgiram em desobediência e solidariedade entre iguais, em meio à espiral de violência, pandemias e carências. Esta é a nova realidade que nasceu em Cuba nestes dias de julho de 2021, e desta nova realidade, como anarquistas em Cuba, queremos nos sentir parte dela.

Oficina Libertária Alfredo López

Tradução > Liberto

Conteúdos relacionados:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2021/07/16/escrito-de-um-anarquista-cubano-depois-das-manifestacoes-em-cuba/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2021/07/15/eua-consideracoes-sobre-a-rebeliao-em-cuba/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2021/07/14/eua-declaracao-da-distro-cienfuegos-sobre-os-recentes-protestos-cubanos/

agência de notícias anarquistas-ana

Sem guarda-chuva
E sob a chuva de inverno —
Bem, bem!

Bashô




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org