322 visualizações


Pesquisa aponta que mais de um bilhão de pessoas podem enfrentar escassez de água e colheitas malsucedidas nas próximas três décadas

O recuo glacial – a velocidade com que o gelo da montanha está se transformando em água corrente – acelerou. Nas últimas duas décadas, as 220.000 geleiras do mundo perderam gelo a uma taxa de 267 bilhões de toneladas por ano, em média, e esse derretimento mais rápido das geleiras pode, em breve, colocar em risco o cultivo de alimentos à beira de rios e o abastecimento de água.

Para entender esse volume quase inimaginável, pense em um país do tamanho da Suíça. E então mergulhe-o seis metros de profundidade na água. E então continue fazendo isso todos os anos por 20 anos.

Cientistas europeus relatam na revista Nature que, com base em dados de satélite, eles reuniram um instantâneo global de todo o estoque mundial de gelo terrestre, excluindo a Antártica e a Groenlândia. E então eles começaram a medir o impacto do aquecimento global impulsionado pelo uso excessivo de combustível fóssil na beleza elevada e congelada dos Alpes, do Hindu Kush, dos Andes, do Himalaia e das montanhas do Alasca.

Eles descobriram não apenas perdas, mas uma perda que estava se acelerando fortemente. Entre 2000 e 2004, as geleiras renderam em média 227 bilhões de toneladas de gelo por ano. De 2015 a 2019, a perda anual subiu para 298 bilhões de toneladas. Apenas o escoamento da águas das geleiras em recuo provocou mais de um quinto do aumento do nível do mar observado neste século.

Atualmente, cerca de 200 milhões de pessoas vivem em terras que provavelmente serão inundadas pelas marés altas no final deste século. Ao todo, um bilhão de pessoas podem enfrentar escassez de água e colheitas malsucedidas nas próximas três décadas, em muitos casos por causa da perda de geleiras.

O gelo glacial nas altas montanhas representa muita água armazenada, a ser liberada no derretimento do verão para nutrir as plantações rio abaixo. O derretimento mais rápido ocorre no Alasca, na Islândia e nos Alpes, mas o aquecimento global também está afetando os Pamirs, Hindu Kush e outros picos da Ásia Central.

“A situação do degelo no Himalaia é particularmente preocupante”, disse Romain Hugonnet, do Instituto Federal Suíço de Tecnologia, conhecido como ETH Zurique, e da Universidade de Toulouse.

“Durante a estação seca, o degelo glacial é uma fonte importante que alimenta grandes cursos de água, como os rios Ganges, Brahmaputra e Indus. No momento, esse aumento do degelo atua como um amortecedor para as pessoas que vivem na região, mas se a redução das geleiras do Himalaia continuar se acelerando, países populosos como Índia e Bangladesh podem enfrentar escassez de alimentos e água em algumas décadas”.

Ação humana e perda de geleiras

Os pesquisadores também identificaram o risco consequente para o abastecimento de água para milhões e confirmaram uma ligação “irrefutável” entre a mudança climática induzida pelo homem e a perda de geleiras. Portanto, a pesquisa mais recente é uma atualização e uma verificação das mudanças sutis nas taxas de perda, com base em imagens do satélite Terra da Nasa, que orbita o planeta a cada 100 minutos desde 1999.

Os cientistas descobriram que as taxas de degelo na Groenlândia, Islândia e Escandinávia diminuíram nas primeiras duas décadas do século, talvez por causa de uma mudança nas temperaturas e na precipitação no Atlântico Norte. Por outro lado, as geleiras na faixa de Karakoram, que antes pareciam anormalmente estáveis, agora começaram a derreter.

“Nossas descobertas são importantes em um nível político”, disse Daniel Farinotti, também da ETH Zurique. “O mundo realmente precisa agir agora para evitar o pior cenário de mudança climática.”

Fonte: https://projetocolabora.com.br/ods13/degelo-mais-rapido-aumenta-a-ameaca-de-fome/

agência de notícias anarquistas-ana

mar sem ondas
a criança cai
levanta

Ricardo Portugal




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org