Janeiro 14, 2021
Do Reporter Popular
289 visualizações


O ano novo veio, mas não há o que comemorar para as milhares de famílias dos funcionários públicos de Volta Redonda. Nem mesmo a troca de governo municipal, que em apenas 10 dias já demonstrou ser continuidade daquilo que houve de pior anteriormente.    

O governo anterior, usando-se da pandemia como desculpa, implementou ataques duros contra os trabalhadores do município, parcelando o salário em duas vezes, mudando a data do pagamento, atrasando por vezes, fazendo pessoas de risco voltarem aos postos presenciais de trabalho e chegou até a pensar em retirar o auxílio alimentação, desistindo apenas por pressão popular. Com essa situação a vida dos funcionários públicos piorou muito: dificuldades em deixar as contas em dia, tendo assim que arcar com juros; maior risco de contaminação por covid-19; e aumento do estresse, angústia e incertezas diante dos atrasos.     

Como resultado dessa situação muitos acabaram depositando um voto castigo nas urnas elegendo o ex-prefeito Neto, mesmo sem confiar nele. E a razão da desconfiança já pode ser percebida nesses poucos dias que o político do partido DEM (o mesmo de Maia) esta à frente da prefeitura.  Além de não voltar a garantir o pagamento integral dos salários, em mais de 10 dias se quer se moveu para saudar os pagamentos atrasados dos trabalhadores e aposentados, fazendo com que a maioria continue sem receber o mês de dezembro e tendo recebido apenas metade de novembro. Trabalhadores que continuam a trabalhar duro todos os dias.    

Atualmente quando os moradores se dirigem aos postinhos de saúde e hospitais é comum ouvir que não tem médicos, enfermeiros, além de enfrentar grandes filas para ser atendidos. A saúde da cidade encontra-se num verdadeiro caos em meio à pandemia, agravando o cenário da doença. O que é resultado direto desse descaso para com os trabalhadores da saúde e do desmonte proposital do SUS. E não bastando dar continuidade aos ataques do governo anterior o atual prefeito foi além: suspendeu a convocação de todos aqueles que foram chamados ou mesmo nomeados nos últimos 180 dias do ano de 2020. Em outras palavras: demitiu centenas de funcionários públicos, dando uma amostra do que será a Reforma Administrativa defendida por seu partido e por Paulo Guedes.    

Como o governo anterior, o atual prefeito usa a desculpa da falta de dinheiro, da crise fiscal. É importante frisar que essa argumentação é uma mentira usada pelos governos para aplicar retirada de direitos, piora nos serviços entregues à população e chegar até o ponto de suspender trabalhadores que foram aprovados em concurso, rasgando com a estabilidade de emprego que é prerrogativa constitucional. Diante desse cenário, que tende a piorar com outros ataques que virão e cada vez mais amplos afetando cada vez mais trabalhadores do município a unidade entre sindicatos de categoria e entre os próprios trabalhadores é essencial, pois “deixar o homem trabalhar” ou esperar a situação melhorar vai significar a piora gradual da vida, é necessário colocar a luta em curso e batalhar pelos direitos.     

Para isso é preciso seguir o exemplo das diversas categorias – correios, entregadores de aplicativo, petroleiros – que vem lutando por seus direitos através da ação coletiva e coordenada. Os sindicatos do funcionalismo e da educação já iniciaram movimentações e é hora dos trabalhadores demonstrarem disposição.




Fonte: Reporterpopular.com.br