Julho 26, 2021
Do Reporter Popular
365 visualizações


Por Repórter Popular – Maricá (RJ)

As aulas presenciais da cidade de Maricá-RJ foram retomadas no início de julho, com os profissionais da educação de Maricá apenas com a primeira dose da vacina. Em resposta a essa postura, o sindicato da categoria decretou greve das atividades presenciais, denunciando que não há protocolo seguro ao retorno, que não seja, a vacinação integral da categoria e da comunidade escolar.

Poucas semanas depois da abertura, educadores denunciam que já há casos de covid-19 na rede municipal e que a reação aos casos é completamente ineficiente.

Na Escola Municipal Anísio Teixeira, localizada no Jardim Atlântico Central, distrito de Itaipuaçu foram relatados a nossa reportagem, cinco casos de covid de educadores, em apenas uma semana de aulas presenciais. A única medida adotada pela escola, foi colocar as turmas atendidas pelos professores em regime remoto, mas a escola segue funcionando com as aulas presenciais.

Também circula nos grupos de zap, a denúncia, que mesmo com testes positivos para casos de covid nas escolas dos professores, tais relatos não estão sendo comunicados a equipe escolar. Há pressão de algumas direções escolares, para que os casos não “vazem”. Educadores relatam o medo de se contaminarem e transmitirem a covid para colegas, alunos e pais de alunos, já que mesmo com a primeira dose da vacina, ainda é possível transmitir o vírus. A imunização completa se dá apenas com a 2a dose.

Neste sentido, educadores farão uma vigília em frente a porta da prefeitura na próxima terça-feira (27/07) para pressionar o poder público a atender as demandas da categoria, numa audiência acordada no último ato da categoria.

O retorno das aulas presenciais na rede municipal de Maricá caminha na contramão das recomendações científicas. Até quando essa situação seguirá desta forma? Quantos mais se contaminarão?




Fonte: Reporterpopular.com.br