Agosto 1, 2022
Do Reporter Popular
191 visualizações

A comunidade do bairro Carrapicho em Várzea Grande/MT é constituída por histórias de luta e resistência cotidianas. Região abandonada pelo Estado, o bairro enfrenta diversos problemas estruturais, como falta de asfalto, rede de esgoto, quedas de energia etc. Dificuldades vivenciadas pelas periferias urbanas nos vários cantos do país. A formação do bairro se dá com uma parte significativa de moradores desapropriados pela especulação urbana e instalação industrial, assim como as desapropriações para obras da Copa do Mundo de 2014 – que até hoje não foram concluídas.

Contudo, se o direito à cidade e direitos sociais básicos são negados, a comunidade encontra, na organização popular, solidariedade e apoio mútuo, os modos de sobrevivência e luta por uma vida digna. Movida por esses princípios, é construída a Escola Popular do Carrapicho, colocada em prática em fins de fevereiro e início de março de 2022.  A escola partiu do diagnóstico de uma triste realidade de falha do Estado no campo da Educação: o grande índice de pessoas sem alfabetização escolar. Dentre essas pessoas, mulheres que se encontram à frente da luta e atividades sociais do bairro também se colocaram no desafio de construir uma experiência de educação popular, em busca da alfabetização e fortalecimento da leitura e escrita entre crianças, jovens e adultos. Construída, ombro a ombro, pela comunidade, pelos coletivos Mulheres Resistem MT, Ocupa Cristo Rei Skate Parque e pela Associação de Skate Board Várzea-grandense (ASK8-VG), a escola popular se funda nas bases do apoio mútuo, que passa pela própria organização – espaço para as aulas acontecerem e estrutura de cronograma, conteúdos, atividades, fortalecimento – até as relações no processo de ensino-aprendizagem. Aqueles que possuem determinados conhecimentos auxiliam os que ainda estão na caminhada.

A partir da escola, a comunidade, também, consegue mobilizar debates e ações de solidariedade, recebendo apoio dos cursos de extensão do IFMT – campus de Várzea Grande. Muitas ações já vinham ocorrendo pela inserção social da ASK8-VG e Ocupa-VG, sendo fortalecidas pela Intersindical-MT – “Instrumento de Luta e Organização da Classe Trabalhadora”. Inseridas dentro do projeto da Escola Popular do Carrapicho, essas ações ganham uma dimensão política significativa na construção ampla da resistência e luta populares junto à comunidade. Assim, o apoio mútuo está na base da Escola Popular do Carrapicho e em ações que visam o combate à fome, o cuidado com a saúde e a organização popular. Entres elas, estão entregas de cestas básicas organizadas por Sindicatos de base (como SINTECT e SINETRAN), atendimento médico realizado por médica da rede de médicas e médicos populares, atividades culturais e esportivas etc.

Um embrião ainda na educação e organização populares, a experiência da Escola Popular do Carrapicho atinge diretamente a vida de mulheres, crianças e jovens da comunidade. A caminhada, agora, é pelo crescimento organizado, coerente e popular do projeto, mobilizando a comunidade pela luta e construção de um povo forte.

Pela educação popular! Contra a fome! Por saúde digna!
Lutar, criar poder popular!




Fonte: Reporterpopular.com.br