216 visualizações

No domingo (27), Vitaliy Makhinko, membro da Trudowa Solidarnist, de Kiev, Ucrânia, concedeu entrevista ao militante Ignacy Jóźwiak (do Inicjatywa Pracownicza – Sindicato da Iniciativa dos Trabalhadores, Polônia). Confira abaixo a conversa :

Vitaliy, primeiramente, gostaria que nos dissesse qual é agora a situação dos trabalhadores na Ucrânia. O que fazem os membros da sua organização sindical ?

Varia, alguns vão trabalhar e outros sentam-se em casa ou escondem-se em abrigos antibombas. Alguns tentam partir para a Polônia, outros foram para a Ucrânia ocidental para se juntarem às suas famílias.

As pessoas vão para o trabalho ?

Sim, a guerra não as isenta do trabalho. Aqueles que não partiram e, se as circunstâncias os permitirem, vão ao trabalho. Mesmo em território controlado pela Federação Russa.

Qual é agora a situação dos trabalhadores na Ucrânia ?

É muito má, a posição dos trabalhadores e os seus direitos serão agora a última coisa em que alguém está interessado.

Que papel podem os sindicatos desempenhar nestas difíceis condições de guerra e como podem ser apoiados ?

Vejo duas direções principais para este apoio. A primeira diz respeito à proteção dos refugiados ucranianos, migrantes ucranianos na Polônia. E a segunda é obter ajuda para os cidadãos ucranianos que tenham permanecido na Ucrânia e possam tornar-se refugiados, ou que tenham permanecido em territórios onde a guerra esteja a decorrer. Quanto à Polônia, infelizmente, uma grande parte das empresas polacas tentará tirar vantagem desta situação. A situação dos refugiados ucranianos que não conhecem as regras, que não conhecem a língua, cujas condições são muito difíceis. Serão forçados a aceitar empregos diferentes. Estou muito preocupado com esta enorme exploração ilegal dos nossos cidadãos ucranianos. Na minha opinião, será ainda pior do que em 2015 e 2016. Mesmo que fosse mais ou menos controlável até agora, com um tal fluxo de refugiados, este problema será muito mais duro do que 6 ou 7 anos atrás. Por conseguinte, a ajuda das organizações sindicais polacas e das organizações sindicais europeias é necessária para ajudar os trabalhadores ucranianos a protegerem os seus direitos. E não somente para proteger os seus direitos, mas para evitar que os seus direitos sejam violados. Os cidadãos ucranianos devem se tornar sujeitos à menor exploração ilegal possível por parte das empresas. Espero que haja o menor número possível de casos deste tipo, e por isso é importante termos apoio. A segunda forma de os sindicatos polacos nos poderem ajudar é organizando produtos essenciais, medicamentos essenciais, que já são necessários na Ucrânia e que serão necessários no futuro próximo. Se considerarmos a nossa experiência de Donbass em 2014 e a aplicarmos à situação atual na Ucrânia, em grandes cidades como Kiev e Kharkiv, onde as hostilidades tomaram espaço. Se estas operações se prolongarem por mais uma semana, sentiremos concretamente essa crise humanitária que já se avizinha. Temos de tentar, mesmo que seja inevitável, minimizar os seus efeitos, pelo menos. Por conseguinte, espero o apoio dos sindicatos europeus.

A segunda questão é, o que gostaria de dizer agora às organizações sindicais e às pessoas dos movimentos de esquerda na Polônia, na Europa e no mundo ?

Gostaria de pedir a todos que apoiem a Ucrânia, que apoiem os refugiados ucranianos, os migrantes ucranianos e que ajudem todos na Ucrânia. Estejam conosco. Juntos, venceremos. É importante enviar um sinal claro aos empregadores de que não haverá lugar para as suas possíveis práticas ilegais. Eles devem ter medo. Nós já estamos enfurecidos, não nos deixem ainda mais zangados.

Entrevistador : Ignacy Jóźwiak (Inicjatywa Pracownicza – Sindicato da Iniciativa dos Trabalhadores, Polónia), 27.02.2022.




Fonte: Laboursolidarity.org