Junho 30, 2022
Do Facção Fictícia
224 visualizações

Devido ao esforço de diferentes internacionalistas, trazemos mais uma entrevista com camaradas nas linhas de frente dos levantes populares no Equador. Em outubro de 2019 houve uma extraordinária revolta indígena e popular no Equador que, após 12 dias e com saldo de 11 mortos, conseguiu cancelar um pacote de medidas neoliberais impostas pelo FMI, entre as quais o cancelamento de subsídio aos preços dos combustíveis. Leia ela em português aqui ou em várias outras línguas no portal de nossos camaradas do Crimethinc.

Novamente, em junho de 2022, estoura a greve geral e os protestos de rua no Equador, que entra em sua terceira semana, com mais de 20 dias do chamado Paro Nacional, novamente liderado pelos movimentos indígenas, novamente contra as políticas do FMI e o aumento dos preços dos combustíveis. Voltamos a entrevistar  o mesmo camarada que está ativamente participando das mobilizações populares encabeçadas por movimentos indígenas que enfrentam a políticas do FMI e o aumento dos preços dos combustíveis, para nos contar sobre a dinâmica da revolta na capital equatoriana num dos maiores levantes em curso na América Latina.

O que significa que as pessoas no Equador tenham que lutar toda essa batalha novamente tão logo após uma vitória histórica? Essa força se espalhará pela América Latina novamente? Leia mais a seguir.


O que aconteceu nos últimos 2 anos e meio no Equador para que, após uma pandemia e eleições parlamentares e presidenciais, voltasse ao ponto de partida?

Após a insurreição popular de 2019, [o então presidente] Lenin Moreno começou a aumentar o preço do combustível gradativamente, ou seja, a vitória parcial de 2019 foi anulada e voltamos ao ponto de partida. Enquanto isso, o atual presidente, Guillermo Lasso, intensificou esse mecanismo, levando o preço dos combustíveis as alturas, provocando de fato um aumento nos preços dos produtos de primeira necessidade.

Moreno conseguiu terminar seu governo, assim como seus ministros. Estes, juntamente com o alto comando da Polícia e do Exército, permaneceram impunes pelos crimes cometidos durante as jornadas de outubro.

Em 2021 houve eleições. O candidato do movimento indígena foi Yaku Pérez, que conseguiu capitalizar o descontentamento de outubro, mas não foi suficiente para chegar ao segundo turno das eleições e ameaçar a vitória de Andrés Arauz, candidato do Correismo [Levado ao poder pela “maré rosa” que estabeleceu governos em toda a América Latina, Rafael Correa foi presidente do Equador de 2007 a 2017; hoje, acusado de corrupção, vive na Bélgica]. Guillermo Lasso, banqueiro responsável pelo Feriado Bancário de 1999 [episódio de congelamento da contas de banco de cidadão equatorianos], chegou ao segundo turno e venceu as eleições. [Em março de 1999, temendo a hiperinflação, o governo equatoriano declarou um feriado nacional, que acabou durando uma semana inteira; na época, Guillermo Lasso era CEO do Banco Guayaquil.]

Na CONAIE [Confederação de Nacionalidades Indígenas do Equador] também houve eleições e o vencedor foi Leónidas Iza, líder do MIC (Movimento Indígena de Cotopaxi) e um dos líderes da revolta de outubro.

“Fora Lasso”: manifestantes se defendendo da polícia ao redor da Casa da Cultura em Quito.

Em 2019, a revolta no Equador ajudou a desencadear revoltas subsequentes no Chile e em outros lugares. Os movimentos na Colômbia, Chile e em outros lugares da América Latina influenciaram os movimentos no Equador desde então?

Após outubro de 2019, em vários países da América Latina, a população se levantou contra seus governos. No entanto, os acontecimentos atuais no país, embora reflitam uma crise geral em todo o continente e tenham sido decisivos no imaginário coletivo, têm uma conotação clara que responde ao contexto conjuntural equatoriano. É como se algo tivesse ficado pendente da revolta de três anos atrás.

Como você definiria ou avaliaria esse primeiro ano de governo de Lasso? Como foi possível que um banqueiro neoliberal se tornasse presidente depois de uma revolta tão forte e bem sucedida como a de 2019, e como ele conseguiu perder esse apoio em tão pouco tempo, de modo que em apenas um ano ele teve de enfrentar outra revolta popular?

Péssimo. Lasso venceu graças ao voto anticorreista. O cenário teria sido diferente se Yaku Pérez tivesse chegado ao segundo turno. Muitas pessoas votaram em Lasso como uma rejeição ao possível retorno do projeto da ex-revolução cidadã. As divisões dentro do movimento indígena favoreceram, em parte, a ascensão de Lasso ao poder.

Assim que seu governo começou, Lasso perdeu seu principal aliado, o Partido Social Cristão. Imediatamente, começou um antagonismo com a Corte Constitucional. Isso, somado ao fato de ter uma minoria na Assembleia, fez com que o banqueiro tivesse que se virar para poder governar.

Sua principal estratégia inicial foi a vacinação em massa da população, fato que o manteve com excelente capital político durante os primeiros meses de governo. Após a fase de vacinação e a pandemia, a realidade do país ficou evidente para todas e todos.

O movimento indígena e diversos setores sociais tiveram duas mesas de diálogo no ano passado e o governo não os ouviu, o que estamos vivenciando agora é consequência da falta de respostas às demandas da sociedade equatoriana que vive na pele as consequências da pobreza , a falta de emprego, a destruição de seus territórios e o aumento da violência nas ruas e nas prisões devido a guerras entre grupos criminosos. Houveram quatro massacres em prisões equatorianas (nos últimos dois anos 360 detentos foram assassinados) e os casos de assassinos contratados, nas principais cidades do país, são o pão de cada dia.

Os bancos não perdoaram as dívidas dos camponeses, nem dos trabalhadores, apesar da pandemia. Não pode haver renascimento econômico para os mais pobres porque os banqueiros os sufocam.

Grafite ao fundo: “Os Mortos.”

A atual Greve Nacional, vista de fora, é muito parecida com a greve de outubro de 2019. Mas será mesmo? Quais são as principais semelhanças e diferenças?

A revolta de 2019 foi a revolta das filhas e filhos da primeira revolta indígena da década de 1990. É uma nova geração cheia de raiva e com sede de justiça.

Ao contrário da greve anterior, coube à CONAIE, juntamente com outras organizações camponesas, declarar uma greve nacional a partir de segunda-feira, 13 de junho. Há três anos, foram os estudantes e caminhoneiros que acenderam o pavio.

Desta vez, as comunidades indígenas resistiram por uma semana em seus territórios antes de chegar a Quito. A capital teve que sustentar a greve nacional sozinha por uma semana. Os estudantes e bairros. Os bairros de Quito, especialmente os do Sul, desde o primeiro dia resistiram em seus territórios. Isso não aconteceu três anos atrás ou pelo menos não com a intensidade de agora.

A repressão tem sido forte, mas além do ocorrido na sexta-feira, 24 de junho, a polícia e os militares têm sido mais estratégicos no uso da força. Isso, por exemplo, evitou que Quito tivesse um surto na primeira semana. Houve marchas, confrontos com a polícia, mas a situação não saiu do controle até a chegada da CONAIE .

Por divergências políticas com as lideranças da Conaie, a Frente Unitario de Trabajadores (FUT), principal sindicato dos trabalhadores, este ano ficou de fora das mobilizações. Os caminhoneiros também não aderiram.

No entanto, a solidariedade do povo não mudou, mas se fortaleceu em relação ao último levante, os companheiros e companheiras estão melhor organizados apesar das dificuldades causadas pelo governo.

No domingo, 19 de junho, primeira semana da greve e com o anúncio da chegada das diferentes comunidades de todo o território a Quito, os militares e a Polícia Nacional ordenaram a requisição da Casa da Cultura Equatoriana (CCE), evitando que este local, ao contrário de 2019, seja o ponto de concentração dos manifestantes, por isso o local das assembleias e o centro logístico da revolta tem sido a Universidade Central. Isso fez com que os confrontos não fossem apenas na área de Arbolito, da Assembleia, do Centro Histórico, mas também no entorno da Universidade.

22 de junho: A polícia do Equador reclama que uma unidade policial “foi totalmente destruída e queimada, assim como viaturas e motocicletas que foram designados para servir aos cidadãos”, juntamente com um pedido de “não mais violência”. Muito interessante, vindo daqueles cuja profissão é exercer violência contra a população.

Você pode fazer uma breve descrição dos principais eventos que ocorreram durante esta Greve Nacional? E quais são suas principais demandas? As demandas do início da mobilização são as mesmas de agora ou algo mudou? Que estratégias, táticas e métodos de luta foram implementados?

Cronologicamente, a greve nacional começou na segunda-feira, 13 de junho. As organizações indígenas e camponesas iniciaram bloqueios de estradas em seus territórios. Em Quito, os estudantes convocaram uma marcha da Universidade Central ao Centro Histórico. Os bloqueios não foram tão fortes e a mobilização foi reprimida no Centro Histórico.

O panorama sugeria uma greve não tão contundente quanto a de 2019. Na madrugada de terça-feira, 14 de junho, o governo cometeu o erro de prender ilegalmente Leónidas Iza, líder da Conaie; causando uma reação imediata em todo o país pela manhã. Este foi o episódio que acendeu o pavio e fez a greve nacional ganhar força. Leónidas Iza foi sequestrado pela polícia por 24 horas e o protesto transbordou. Na cidade de Quito, a Unidade Flagrancia foi atacada e uma viatura da polícia incendiada. Em Latacunga, o movimento indígena ocupou a sede do Ministério Público. No dia seguinte Iza foi liberada, mas teve que comparecer diariamente para assinar na cidade de Latacunga.

Os bairros de Quito a partir do segundo dia se levantaram especialmente na zona sul da cidade e na periferia norte. Eles foram reprimidos por vários dias, mas continuaram a resistir. Os estudantes e movimentos sociais de Quito realizaram marchas de 5 dias em apoio à greve nacional. Quinta-feira, 16 de junho, foi o dia em que mais pessoas foram às ruas, cerca de 10 mil pessoas. Na mesma modalidade, marcha em direção ao Centro Histórico que depois foi violentamente reprimido pela polícia.

A cidade de Cuenca também se levantou, a polícia atacou a universidade onde os manifestantes se refugiaram. Autoridades acadêmicas denunciaram o incidente e pediram uma marcha muito maior no dia seguinte. Na capital, começaram a se organizar grupos que identificaram e afastaram das marchas os policiais infiltrados, dezenas de indivíduos que, ao final das marchas, detiveram colegas após tê-los seguido. Isso colocou em dificuldade o aparato repressivo da polícia. As manifestações tiveram o cuidado da polícia e as fotos desses infiltrados circularam pelas redes sociais. Da mesma forma, antes de expulsar o policial, mostrou-o às pessoas para que pudessem gravar o rosto do intruso.

É importante entender quais são as demandas dessa greve nacional antes de continuar com a cronologia.

Há 10 pontos exigidos do governo: baixar o preço do combustível, criar uma moratória bancária para que a população possa reactivar as suas economias sem sentir a pressão dos abutres dos bancos. Parar de explorar e destruir territórios onde há fontes de água e onde vivem comunidades. Da mesma forma, ativar um mecanismo como consulta prévia nos territórios onde deseja fazer mineração ou extrair petróleo. Outra das exigências é declarar a saúde pública e a educação em situação de emergência. Ambos os setores foram atacados pelas políticas neoliberais do governo e viram seus orçamentos reduzidos.

Preços justos para os produtos agrícolas para que os agricultores possam receber o que realmente vale o seu trabalho.

Um controle mais rígido por parte do governo das necessidades básicas, dada a especulação desenfreada.Suspensão da privatização de setores estratégicos como Previdência Social, Banco del Pacífico, CNT (Corporação Nacional de Telecomunicações), rodovias. Respeito aos 21 direitos coletivos das organizações indígenas e educação bilíngue.

E o último ponto é garantir a segurança dos cidadãos diante da onda de violência nas ruas e nas prisões do país. Todas essas demandas são compartilhadas pela população que está apoiando a greve nacional.

Depois de cinco dias enfrentando a indiferença do governo, o Movimento Indígena e Camponês decidiu vir para a cidade de Quito. Na sexta-feira, o governo declarou estado de emergência nas províncias mais conflituosas e decretou toque de recolher na cidade de Quito das 22h às 5h. No domingo, 19, ordenaram a reintegração da Casa da Cultura e a ocuparam violentamente para impedir que as pessoas se organizassem. Os bloqueios e confrontos entre moradores dos bairros do sul de Quito e a polícia continuaram durante todo o fim de semana.

Na segunda-feira, 20 de junho, as primeiras caravanas do Movimento Indígena começaram a chegar do norte e do sul da capital e foram violentamente reprimidas. Enquanto isso, os estudantes da Universidade Central e os movimentos sociais de Quito ocuparam a Universidade para que os companheiros e companheiras que chegavam pudessem ter um lugar seguro para dormir e se organizar. À noite os caminhões cheios de manifestantes começaram a chegar aos poucos, foram reprimidos por todos os lados e tentaram impedir que chegassem a Quito.

Apenas duas universidades abriram as portas para o movimento indígena. Dado que a Casa da Cultura estava nas mãos da polícia, o centro operacional da greve nacional deslocou-se pela primeira vez para a Universidade Central. Aqui começaram a organizar os primeiros potes solidários, creches para crianças, brigadas médicas, centros de armazenamento e as primeiras linhas de resistência.

Desde a manhã de terça-feira, 21 de junho, os confrontos com a polícia começaram em todo o centro norte de Quito. Enquanto isso, as primeiras mortes já foram contabilizadas, que com o passar dos dias chegaram a 5. Um manifestante foi jogado em um barranco pela polícia, outro na província de Puyo, morreu com gás lacrimogêneo atirado em seu crânio, outros em Quito produto de pellets.

Na quinta-feira 23, a Casa da Cultura e o parque El Arbolito foram retomados por uma gigantesca marcha, as principais assembléias deslocaram-se novamente para o lugar histórico da esquerda equatoriana.

O conflito imediatamente se espalhou pelo parque e chegou às receitas da Assembleia Nacional. As linhas de frente com muito mais experiência em relação ao último ataque desta vez foram mais organizadas e protegidas.

No bairro de San Antonio, ao norte de Quito, o exército foi atacado por moradores quando tentava se estabelecer na área para reprimir os manifestantes. Um colega foi morto por um tiro dos militares.

“Lasso, você fodeu com meu povo — está fodido.”

Na sexta-feira, 24 de junho, Guillermo Lasso em rede nacional autorizou a polícia a aumentar sua força repressiva. Uma hora depois, a polícia e o exército atacaram indiscriminadamente a Casa da Cultura e a Pequena Árvore, provocando uma fuga em massa do setor. Muitas crianças e idosos foram sufocados pela violência policial.

Fomos todos perseguidos por toda a área até nos afastarmos do setor. Havia dezenas de detidos e feridos. No entanto, a polícia à noite se retirou da área.

Este fim de semana muitos companheiros e companheiras voltaram para suas comunidades e outros estão chegando. Os mutirões de limpeza foram organizados e foi dada prioridade às assembleias para organizar a terceira semana da greve nacional. No sábado, 25 de junho, houve uma grande marcha de mulheres e dissidentes.

Hoje domingo 26 na Universidade Central há shows e atividades esportivas. Na Casa da Cultura um festival artístico e cultural.

As exigências continuam as mesmas. No entanto, foi estabelecido como condição mínima para um diálogo a redução imediata do preço do combustível.

Quais são os principais sujeitos sociais hoje mobilizados no Equador? Que peso e que distribuição territorial têm? Que alianças sociais e políticas foram criadas

O movimento indígena e camponês, os estudantes e os bairros de Quito. A primeira é a mais organizada historicamente, a segunda foi novamente ativada nesta conjuntura. Os bairros de Quito são a surpresa desta greve, eles mostraram um alto nível de organização e controle do território.

Muitos companheiros e companheiras em todo o território estão apoiando a greve nacional, as principais alianças foram tecidas lá. Muitos não se organizaram entre si por divergências ideológicas, estes foram deixados de lado em vista da importância do momento. Por ainda não ter força suficiente, o movimento social, especialmente em Quito, amadureceu enormemente.

Como você avalia o papel da CONAIE nesta Greve Nacional? Está conseguindo se afirmar como o principal sujeito da oposição social à ordem neoliberal? Você está conseguindo articular alianças sociais para além do mundo indígena?

A CONAIE continua sendo o principal tema político do país e um dos mais importantes da América Latina. Sua capacidade organizacional e força coletiva continuam a surpreender. No entanto, o resultado das fraturas internas é sentido, a força que eles conseguiram colocar em campo ainda é menor do que a de 2019. Os companheiros e companheiras continuam colocando seus corpos na linha de frente por todos e todas.

Não é fácil vir dormir em estádios, no chão, em papelão por dias. Sua determinação é incrível.

Além das alianças que podem ou não ter sido geradas, eles são reconhecidos por todos como os principais defensores dos direitos coletivos da sociedade equatoriana. O que falta é que os movimentos sociais urbanos consigam se articular mais com o movimento indígena e que este também aprenda com o movimento urbano. Ainda não existe uma assembleia onde os grupos sociais possam ter capacidade de decisão sobre o que está acontecendo. Eles estão na organização diária, participam de pequenas assembleias, mas não foi possível, por exemplo, ter uma assembleia que reúna todos os movimentos sociais de Quito e as linhas de frente que estão apoiando essa greve nacional.

Como você avalia o papel de seu líder Leónidas Iza, que surgiu em outubro de 2019 como uma figura de esquerda na organização até se tornar seu presidente? Como você avalia a detenção de Iza no segundo dia de Paro? Ele está desempenhando mais um papel de agitador ou moderador no contexto de protesto social? Ele tem objetivos político-eleitorais?

Leónidas Iza é o líder absoluto da greve nacional. A CONAIE agora tem como líder uma pessoa com ideias políticas claras e excelente preparação. Uma pessoa mais radical em suas ideias do que seu antecessores. Isso lhe causou problemas dentro do movimento, mas ao mesmo tempo causou muita simpatia.

Como mencionei no início, a prisão de Iza foi o estopim que deu força à greve nacional.

O problema de Iza é que sua liderança, voluntária ou não, está ofuscando as demais lideranças sociais e indígenas. A mídia também ajudou a centralizar tudo sobre ele. Seu papel tem sido o de moderar e também de agitar dependendo do momento.

O movimento indígena quer ter o primeiro presidente indígena da história, então de uma forma ou de outra tudo o que está acontecendo em algum momento será capitalizado em nível eleitoral. Não sei se Iza ou outro personagem fará isso, mas isso é inegável.

Qual é o papel do Correismo nesta Greve Nacional e nesta situação política?

Assim como há três anos, eles participam, mas não têm o menor controle sobre o que está acontecendo. Apoiam a greve nacional e querem derrubar Lasso, por isso foram eles que convocaram o plenário da Assembleia para discutir a possibilidade de impeachment por comoção nacional.

Parece que está tramitando na Assembleia Nacional um pedido de impeachment (morte do cruzada). Quantas chances existem para isso acontecer? Você acha que é realista pensar em uma queda iminente para Lasso, seja pelo parlamento ou pelo impulso do protesto social? O que podemos esperar a seguir, um novo governo eleito pelo parlamento ou novas eleições? É algo que os movimentos patrocinam ou temem uma rearticulação da ordem política? Que perspectivas se abrem e que oportunidades se fecham?

14 dias se passaram e o governo com várias artimanhas ainda está conseguindo se manter firme. O que aconteceu na sexta-feira no nível repressivo foi um duro golpe para todos.

O movimento indígena pediu a seu braço político Pachakutic que vote a favor do impeachment como alternativa e saída para a crise atual, caso o governo não responda aos 10 pontos. Eles não podem voltar para casa com os bolsos vazios, cinco camaradas já perderam a vida.

A queda de Lasso não mudaria as coisas porque seu vice-presidente assumiria o poder com o mesmo projeto político. O que geraria é um novo precedente quanto à capacidade de obter resultados do movimento social, ainda que parciais.

Ainda não há força suficiente para dobrar Guillermo Lasso, então impeachment foi considerada uma opção.

No entanto, enquanto escrevo este texto, ainda não há votos suficientes para derrubar o presidente com a morte cruzada. Ontem, Lasso retirou estrategicamente o estado de exceção para que não haja justificativa para a comoção nacional.

Nos levantamos novamente, desta vez temos mais experiência, mas não força suficiente para atingir os objetivos traçados. Estamos resistindo e nos defendendo da violência policial e estatal, um dia de cada vez.

Amanhã, segunda-feira, 27 de junho, começa uma nova semana de desemprego, que será decisiva. Veremos se mais sujeitos e forças sociais se unem, se a força nos bairros aumenta, se novas estratégias coletivas de luta são encontradas, se é possível colocar o governo em dificuldade novamente. Tudo ainda é desconhecido, o que é certo é que a resistência continua e que não desistimos.

Também sabemos que esse levante não vai mudar a raiz dos problemas do país, mas sabemos que o próximo levante vai ser melhor porque aqui já estamos construindo essa possibilidade. Os processos organizativos que nasceram e que sustentam a greve (cozinhas coletivas, brigadas médicas, linhas de frente, creches para crianças) estão sendo organizados e esse tecido é o que restará depois que tudo isso passar.

A raiva é grande e a vontade de vencer também. Seguimos na luta, não desistimos.


Para saber mais e acompanhar as lutas no Equador, recomendamos os canais de notícia Wambra radio, Indymedia Ecuador, Conaie comunicación, Acapana, e Revista Crisis.





Fonte: Faccaoficticia.noblogs.org