Maio 19, 2021
Do Reporter Popular
237 visualizações


Nessa primeira denúncia, recebido pelo Canal de denúncia do retorno inseguro as aulas, professores do município de Gravataí (RS) relatam sobre o descaso da secretária de educação e de saúde, ao permitirem o prosseguimento das aulas presenciais na Escola Municipal de Ensino Fundamental Cerro Azul, mesmo após, pelo menos, quatro casos já confirmados de Covid-19 desde o retorno as atividades presenciais.

A Escola Municipal de Ensino Fundamental Cerro Azul localizada no Município de Gravataí, contabilizou nessa semana três casos positivos de Covid-19. Ao todo são quatro profissionais que estão afastadas: uma funcionária da cozinha, a orientadora educacional, a vice-diretora e uma professora aguarda o resultado do teste. Os primeiros dois casos foram comunicados pela direção por mensagem de WhatsApp aos demais profissionais da escola na tarde do último domingo (16), sendo que um desses casos já se encontrava em estado grave no Hospital Padre Jeremias em Cachoeirinha. Trabalhadoras (es) da EMEF Cerro Azul questionaram a necessidade do fechamento da escola, no entanto, a Secretaria de Saúde e a Secretaria de Educação do Município negaram a suspensão das atividades presenciais e autorizou apenas uma higienização que acabou ocorrendo no dia seguinte (17).

Logo no início da semana, uma professora e a vice-diretora buscaram atendimento em virtude de apresentarem sintomas gripais e uma delas já testou positivo. Apesar do surto, a orientação da Prefeitura de Gravataí é a de manter a escola aberta atendendo todas as demais turmas e não há testagem para os profissionais e membros da comunidade escolar que estiveram em contato com os casos positivos.

Diante dessa situação, a escola informou a comunidade sobre tudo o que está acontecendo e houve uma diminuição brutal na quantidade de alunos frequentando as aulas.

O relato é de medo e insegurança na EMEF Cerro Azul.

**Se você estiver passando por situações semelhantes a essa em sua escola, mande sua denúncia para a nossa página pelo WhatsApp do Repórter Popular (51) 98960-6682 .




Fonte: Reporterpopular.com.br