Outubro 8, 2021
Do Agencia De Noticias Anarquistas
399 visualizações


• Localizada na parte oriental de uma comunidade autônoma dividida em duas pela Guerra Civil, foi definida como uma entidade administrativa autônoma que gozou da aquiescência da República até que esta decretou seu fim em um período de apenas dez meses, entre outubro de 1936 e agosto de 1937.

Por Miguel Barluenga | 23/08/2021

Foi o primeiro governo libertário reconhecido no mundo e, no final, uma experiência única. Uma república dentro da República Espanhola com uma vida efêmera. Contra o pano de fundo da deflagração da Guerra Civil e do avanço das tropas insurgentes em Aragão, foi fundado em outubro de 1936 o Conselho Regional de Defesa de Aragão. Durante 10 meses, até 11 de agosto de 1937, foi definida como uma entidade administrativa autônoma localizada na parte oriental da região, na qual foi criada uma organização econômica baseada em coletividades e politicamente progressista; ao mesmo tempo, tentou canalizar o esforço de guerra. Dependendo da Segunda República, esta última decretou sua dissolução “manu militari”.

Passarão agora 85 anos desde esta iniciativa, que teve seu órgão de governo: presidente, conselheiros e capital. Havia dois, primeiro em Fraga e depois, definitivamente, em Caspe. Nos primeiros meses da guerra, os golpistas entraram em Aragão pelo lado ocidental e logo controlaram as três capitais de província: Huesca, Zaragoza e Teruel. A linha de frente separava então aquela parte do território do leste, onde a Confederação Nacional dos Trabalhadores (CNT) era forte. Depois de avançarem da Catalunha e da Comunidade Valenciana, os anarquistas determinaram a organização econômica e social do território que dominavam com a conivência dos órgãos governamentais locais.

A partir de janeiro, os comunistas, Izquierda Republicana e UGT aderiram ao Conselho Aragonês. A impossibilidade de preservar o tráfego comercial e o funcionamento normal das administrações em uma comunidade autônoma dividida pela metade levou o governo republicano a se comprometer com a situação. Tudo isso no interesse de uma maior coordenação, já que as milícias revolucionárias controlavam a área e, na opinião de alguns historiadores, garantiam assim a sobrevivência das aldeias da área em meio à guerra. Diante desta necessidade, a CNT convocou uma reunião plenária sindical em setembro de 1936 na cidade de Bujaraloz, na sede da Coluna Durruti, que deu forma a este Conselho presidido pelo militante da CNT Joaquín Ascaso.

A sessão plenária concordou com a criação do Conselho Regional de Defesa de Aragão, que incluiu 450 coletivos rurais. Quase todos eles estavam nas mãos da CNT e cerca de 20 nas mãos da UGT. Segundo o historiador Santiago Navascués, “o governo da República nunca gostou da ideia do território permanecer nas mãos dos anarquistas”. Mas em dezembro não teve outra escolha senão aceitar a situação e reconhecer o Conselho de Aragão como o órgão do governo republicano na área. Era isso ou criar um vácuo de poder e um caos que teria sido explorado pelo exército de Franco. Isto significou que durante cerca de seis meses, na prática, foi um pequeno estado independente e revolucionário, com suas luzes e sombras, dentro do estado republicano”.

A bandeira, que aspirava um dia suceder a espanhola, representava todas as forças antifascistas: vermelho e preto (CNT), vermelho (UGT) e roxo em alusão aos partidos da Frente Popular. O brasão foi dividido em quatro quartos por um A de Aragão, representando uma oliveira em relação a Teruel, o rio Ebro em Zaragoza e os Pirineus em Huesca. A corrente quebrada no centro simbolizava o novo e livre Aragão. O brasão de armas foi coroado por um sol nascente, emblema do Aragão que se levantava sobre o que havia sido destruído pelos inimigos da liberdade.

A evidente tensão e desconfiança entre os anarquistas e o resto das formações de esquerda diminuíram a partir de 1937 e também foi alcançada uma harmonia que, no entanto, não desempenhou um papel decisivo no desenvolvimento da guerra na chamada “Frente Aragão”. O Conselho estava preocupado com a alfabetização, começou a construir escolas e lançou campanhas de leitura. Manteve boas relações com a Catalunha e Valência e estimulou o comércio com produtos excedentes, como cereais, óleo e castanhas. Para Ledesma, “é difícil avaliar a gestão econômica das coletivizações anarquistas, mas o historiador Hugh Thomas apontou que a produção de carvão nas minas de Utrillas era apenas um décimo do que era antes da guerra”.

O início do fim do Conselho de Aragão foi forjado a partir de dentro. O governo da República não queria que seu exército confiasse fortemente nas milícias dos trabalhadores. O desenvolvimento da guerra colocou um obstáculo nesta iniciativa, e como resultado de dissensões internas, o então presidente da República, Juan Negrín, decretou em 18 de agosto de 1937 a dissolução do Conselho de Aragão com a ajuda das tropas de Enrique Líster e nomeou José Ignacio Mantecón, membro da esquerda republicana, como governador-geral de Aragão. Joaquín Ascaso e outros membros do Conselho foram presos e acusados, entre outras coisas, de contrabando de jóias.

O último suspiro deste corpo também antecipou a morte dos republicanos. Os camponeses invadiram os coletivos, os escritórios do Comitê Regional da CNT foram ocupados e seus arquivos e registros confiscados pelas autoridades republicanas. Outras unidades militares de limpeza da comunidade ocuparam vários coletivos no vale do Ebro e Alto Aragão e a prisão foi o destino habitual dos anarquistas que participaram do lançamento de uma iniciativa pioneira, de curta duração e sem herdeiros.

Fonte: https://www.eldiario.es/aragon/85-anos-consejo-aragon-primer-ultimo-gobierno-libertario-mundo_1_8240410.html

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

Ao florescer em tom rosa
pálido, quase branco, o ipê
brinca que está nevando.

Ana Setti



on Twitter


on Facebook


on Google+




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org