Março 1, 2021
Do Agencia De Noticias Anarquistas
251 visualizações


Este ano temos vivido uma situação excepcional que nos permitiu, em maior ou menor grau, contemplar os estragos de uma sociedade cujas prioridades estão baseadas no capitalismo: o lucro econômico, a atividade frenética incessante e o consumo desmedido. Ficamos surpresas ao ver como, mais uma vez, foi dada prioridade à economia sobre a vida. Isto significa, como todas sabemos, perder vidas humanas em troca de salvar a temporada de verão ou natalina. Não podemos esquecer que as consequências desastrosas da COVID-19 caíram especialmente sobre as mulheres trabalhadoras, que têm sido essenciais na luta contra a pandemia desde os setores essenciais (limpeza, alimentação, saúde e assistência social, educação, etc.). Mais uma vez, as mulheres trabalhadoras tiveram que lidar com os problemas da conciliação. Desta vez, com uma dificuldade adicional: o teletrabalho.

Diante da óbvia necessidade de proteger as pessoas e de valorizar o cuidado, desde a Confederação Nacional do Trabalho, neste 8 de Março reivindicamos o feminismo de classe, sindicalista e combativo, como nossa melhor defesa. Um feminismo que transforme a vida desde a raiz e que se aprofunde nas chaves para a realização de uma sociedade orientada para o cuidado da vida e para colocá-la no centro. Um feminismo que encontre no sindicato uma ferramenta eficaz para recuperar nossas vidas, para protegê-las e para dignificá-las. Para conciliar vida e trabalho e para ter NOSSO tempo e priorizar o que é importante.

Porque é no sindicato onde, dia após dia, conquistamos nossos direitos e ganhamos terreno contra a exploração e a precariedade, contra as horas extras forçadas e não remuneradas, contra as horas de trabalho sem fim, contra as mudanças de horário que nos tornam incapazes de ter uma vida além do trabalho, contra a discriminação e os abusos, contra as demissões… Em suma, contra a falta de controle sobre nossa subsistência e nossas vidas.

É no sindicalismo combativo, onde recuperamos o que é nosso e trabalhamos juntas para dobrar o fardo que supõem – especialmente para as mulheres – as duplas e triplas jornadas de trabalho com que lidamos todos os dias: no trabalho, em casa, durante a maternidade… Um sindicalismo no qual lutamos para que estes fardos sejam realmente partilhados e a responsabilidade seja compartilhada, para ter garantias e cuidados cobertos para todas as pessoas dependentes e para conseguir conciliações que não envolvam a expulsão das mulheres do trabalho.

Um sindicalismo útil e eficaz, um espaço de aprendizado e de revisão, onde lembramos aquelas que vieram antes de nós e desde onde lutamos diariamente para erradicar a violência contra as mulheres, criando verdadeiras redes de apoio que afetam a vida de cada mulher e as melhoram através da defesa de nossos direitos. Onde envolvemos todas as pessoas que compõem o sindicato para construir essa sociedade mais justa que nos sustenta como pessoas e prioriza a vida acima de tudo.

Por tudo isso, é importante recordar que este 8 de Março, como todos os dias do ano, é no sindicalismo combativo, na CNT, o lugar onde podemos lutar desde um feminismo de classe, continuado e sustentado no tempo. É por isso que devemos continuar aprendendo, militando e sendo um exemplo em nossos sindicatos: formando outras mulheres, incentivando mais companheiras a fazer parte da mudança, sendo todas participantes e reconhecendo nossa capacidade.

Por um feminismo de classe, sindicalista e combativo, e por nós na CNT: Viva o 8 de Março e a luta das trabalhadoras!

Fonte: https://www.cnt.es/noticias/8m-nuestra-mejor-defensa-feminismo-de-clase-sindicalista-y-combativo/

agência de notícias anarquistas-ana

Noite de silêncio
Uma moça na janela
Contempla a neblina

Tânia Souza




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org