Dezembro 14, 2020
Do Agencia De Noticias Anarquistas
380 visualizações


Apenas uma em cada dez pessoas nos países pobres poderá ser vacinada, mas os países ricos compraram doses suficientes para vacinar sua população três vezes.

A luta pela posse das vacinas contra a COVID-19 foi decidida a favor dos países ricos, como em tantos outros aspectos da economia internacional. A vacina é agora um recurso valioso, e os países ricos, com o dinheiro pela frente, fizeram questão de reservar o maior número possível de doses para imunizar suas populações. Isto fala muito: O Canadá, com 37,7 milhões de pessoas, destinou 188 milhões de doses. O suficiente para imunizar sua população cinco vezes mais.

Os países europeus, incluindo a Espanha, reservaram vacinas para imunizar sua população três vezes. Como a capacidade de fabricação é limitada, isto significa que os habitantes dos setenta países mais pobres do mundo só terão vacinas para uma em cada dez pessoas. E isto apesar do compromisso de um dos fabricantes, Oxford-AstraZeneca, o único que se comprometeu a reservar 64% de sua produção para os países menos desenvolvidos. Com esses 64 por cento e o que esses países podem comprar no mercado, apenas 18 por cento da população mundial poderá ser vacinada. Os países ricos, com 14% da população total, irão monopolizar o resto da produção.

A situação é tão injusta que várias organizações sediadas no Reino Unido, incluindo a Oxfam e a Anistia Internacional, advertiram que a maioria da população mundial ficará para trás nesta corrida, com países como Quênia, Mianmar, Nigéria, Paquistão e Ucrânia respondendo por mais de 1,5 milhões de casos.

“Ninguém deve ser excluído de receber uma vacina que salva vidas porque nasceu em um determinado país ou porque não tem dinheiro”, disse Anna Marriott, diretora de política de saúde da Oxfam.  Para a Justiça Global, as empresas farmacêuticas devem compartilhar ciência, conhecimento tecnológico e propriedade intelectual para que possam ser produzidas doses seguras e eficazes suficientes. Os governos também devem garantir que a indústria farmacêutica coloque a vida das pessoas à frente dos lucros.

No Reino Unido, a imunização já começou com a vacina Pfizer/BioNTech, que reservou 96% de sua produção para os países ricos. A vacina será aprovada em outros países, que já pagaram por ela. A Moderna reservou toda a sua produção para os países ricos. Os pobres terão que se contentar com as sobras ou com o que podem comprar através do grupo de vacinas COVEX, uma associação criada para ir aos mercados.

A People’s Vaccine Alliance (Aliança de Vacinas do Povo) pediu que fossem feitos todos os esforços para garantir que as vacinas COVID-19 se tornassem um bem público global, e a África do Sul e a Índia pediram ao Conselho da Organização Mundial do Comércio (OMC) que renunciasse aos direitos de propriedade intelectual sobre vacinas e tratamentos para que eles pudessem ser fabricados por laboratórios em outros países e garantir o acesso a todos os povos do mundo. Entretanto, e olhando para o registro – eles pediram a mesma coisa quando os primeiros medicamentos anti-retrovirais contra a AIDS apareceram, e não tiveram sucesso – é improvável que desta vez tenham sucesso.

A situação é tão preocupante para a maioria da população mundial que a Anistia Internacional lembrou que se trata de uma questão de “direitos humanos”. “Os países ricos têm obrigações claras em matéria de direitos humanos, não apenas para se absterem de tomar ações que possam prejudicar o acesso às vacinas em outros lugares, mas também para cooperar e prestar assistência aos países que dela necessitam. Ao acumular vacinas, os países ricos estão violando suas obrigações em matéria de direitos humanos.

Deve-se lembrar também que as vacinas Oxford/AstraZeneca, Moderna e Pfizer/BioTech receberam mais de US$ 5 bilhões em fundos públicos para seu desenvolvimento e uma das condições é que elas devem agir no interesse público. O fato de receberem fundos públicos mas manterem direitos exclusivos e não distribuírem a tecnologia com a qual as vacinas foram desenvolvidas poderia custar dezenas de milhares de vidas em outros países.

Esta é uma pandemia sem precedentes, que está custando milhares de vidas e causando uma crise econômica muito grave que está afetando os países pobres e em desenvolvimento em particular. Não são apenas os ricos que estão sendo salvos. Se o resto do mundo não tem acesso à imunização, todos nós vamos pagar por ela.

Fonte: https://www.sasmadrid.org/index.php/noticias/sanidad/4022-la-guerra-de-las-vacunas-la-han-ganado-los-paises-ricos-10-12-2020

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

Seu olhar segue
o voo do pássaro –
será que desce?

Eugénia Tabosa




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org