Fevereiro 1, 2022
Do Agencia De Noticias Anarquistas
159 visualizações

Em um mundo que precisa de uma perspectiva global e ação local, no final deste ano de 2021 queremos dar uma olhada e colocar no mapa alguns dos conflitos abertos no mundo, golpes e repressão contra civis, uma viagem aos limites da periferia. Em apenas doze meses há muita violência contra a população mundial, vidas humanas são quebradas ou algumas lacunas políticas e sociais são aprofundadas. Em um sistema capitalista que nos acostuma a viver em conflito perpétuo, esse sistema criminoso gera violência contínua, a maior parte relacionada a aspectos de classe social ou etnia cultural e migrações, materializada em ocupações militares, extermínios ou assassinatos seletivos de comunidades humanas no mundo.

Atualmente existem 65 conflitos armados ou situações de guerra aberta no mundo, entendendo a guerra como uma luta armada entre nações ou entidades político-militares. À margem estão as chamadas guerras contra o terrorismo, contra as drogas ou guerras cibernéticas. Abaixo faremos uma breve revisão de alguns desses conflitos com o único objetivo de localizá-los, não é nossa intenção, nem poderíamos, fazer uma análise de cada um deles.

Guerra no Afeganistão e no Talibã; aquele inimigo que agora não é tão desconfortável

O conflito no Afeganistão já durava vinte anos, desde que, em 2001 os Estados Unidos e seus aliados invadiram o território afegão para supostamente desmantelar a rede Al Qaeda apoiada pelo Talibã. Mais de 46.000 civis morreram em vinte anos de conflito, para alcançar um triplo objetivo econômico dos Estados Unidos: dois bilhões de dólares foram destinados para supostamente modernizar o país e o exército afegão; no entanto, o objetivo foi garantir o controle dos gasodutos do Turcomenistão à Índia, atravessando o solo afegão. Outro negócio controlado tem sido a produção de ópio no Afeganistão, transformando-o no maior supermercado de drogas do mundo, assolando o país com dólares de drogas. E o último alvo nesta última década foi a lavagem de dinheiro das maiores empresas americanas em negócios e infraestrutura afegãs. Após duas décadas de guerra e tendo alcançado esses objetivos, as tropas dos EUA se retiraram este ano, deixando sangue derramado e o caminho aberto para o Talibã mais uma vez controlar efetivamente o país. Alguns talibãs que continuam a ser a extrema direita do islamismo e que agora foram apresentados ao mundo como o inimigo que eram, mas o amigo que serão.

Guerra do Iêmen e massacre da monarquia autoritária da Arábia Saudita

A República do Iêmen, único país que é uma república na Península Arábica, surgiu em 1990 da unificação da República Árabe do Iêmen (Norte) e da República Popular do Iêmen (Sul), acordando em 2000 suas fronteiras com a Arábia Saudita. No contexto das Primaveras Árabes, o presidente Abdullah Saleh renuncia ao cargo após fortes protestos de rua contra a pobreza, o desemprego e a corrupção. Todos os poderes da presidência foram transferidos para o vice-presidente Al-Hadi, no entanto em 2014, a facção política dos houthis, um ramo islâmico nacionalista liberal, tomou Sanaa, a capital do país. A partir desse momento a Arábia Saudita apoiou a facção Al-Islah, o ramo ultraconservador e salafista; o país vizinho bloqueou as fronteiras iemenitas e desde 2015 até o presente bombardeia sistematicamente sua população. Esta situação depois de seis anos está levando a um conflito continuo com grande intensidade mas muito invisível internacionalmente, que poderia durar indefinidamente. O Iêmen continua a se fragmentar e sua população vive encurralada pela Arábia Saudita, um forte aliado econômico dos países ocidentais.

A guerra às drogas no México: cartéis de dia e polícia à noite

Este conflito tem origem em 2006 declarado pelo ex-presidente Felipe Calderón, em uma suposta luta contra o crime organizado e o tráfico de drogas no México. No entanto, os atores dessa guerra aberta quase sempre jogam do mesmo lado, e é um conflito em várias escalas territoriais pelo controle efetivo do mercado de drogas, mas também de outros negócios ilegais como o tráfico de seres humanos ou de órgãos humanos. As forças armadas federais e os cartéis de drogas disputam essas atividades nas quais cada adjuvante tem interesses poderosos. Um conflito é provocado com a população envolvida nesta guerra que já causou a morte de 350 mil mexicanos, dos quais 25 mil foram neste último ano de 2021. O atual presidente López Obrador encerrou oficialmente esta guerra em 2019, no entanto a realidade é que o conflito continua causando uma grande lacuna social na sociedade mexicana. Alguns Grupos de Autodefesa ou Guardas Comunitários surgiram na última década, como na cidade de Cherán (estado de Michoacán), onde em abril de 2011 expulsaram o narcotraficante e a polícia. O Congresso Nacional Indígena e as comunidades da órbita zapatista atuam na mesma linha e criaram unidades de autodefesa contra o exército e os cartéis de drogas.

Guerra Tigray , conflito territorial etíope com ventos a favor do pós-colonialismo

Este conflito em curso desde 2020 eclodiu após um confronto civil no território de Tigray, na Etiópia, entre autoridades regionais e o governo federal. Após o fim da Guerra Civil Etíope em 1991, o partido dominante foi a Frente Democrática Revolucionária do Povo Etíope; entretanto, na última década, um dos partidos que compunham essa coalizão, a Frente de Libertação Popular Tigray, distanciou-se dessa linha unitária de governo. No ano passado, o presidente Abiy Ahmed (vencedor do Prêmio Nobel da Paz em 2019) acusou as autoridades de Tigray de terem minado sua autoridade e estreitado os laços com o presidente da Eritreia, Isaias Afewerki, considerado um inimigo em Tigray. Em novembro de 2020, o exército etíope lançou uma operação militar contra a Frente de Libertação do Povo Tigray, depois de declarar anteriormente um ataque por eles a uma base militar nacional. Isso determinou o início de um conflito territorial, no qual o país da Eritreia também se juntou como adjuvante no conflito, ocupando parte do território de Tigray. Durante o ano de 2021 este conflito deixou quase 20 mil mortos, iniciou-se uma perseguição étnica contra os Tigrayanos, e atualmente está em um labirinto complexo; após um cessar-fogo unilateral do governo em junho quando as forças de Tigray tomaram a capital regional, Mekelle. A luta se espalhou para as regiões vizinhas de Amhara e Afar; e as organizações internacionais estão tentando promover um processo de paz que está muito longe de alcançar qualquer solução.

América Latina: a guerra social na Colômbia e o colapso do Haiti

Este ano a América Latina esteve especialmente no centro das atenções devido ao grande conflito social e aos protestos na Colômbia. O país colombiano está há décadas subjugado por um regime político repressivo unipessoal encarnado em Álvaro Uribe, o atual presidente Iván Duque, na linha política do ex-presidente Uribe queria introduzir um conjunto de reformas fiscais que aprofundaram o empobrecimento de uma população esgotada e sufocada pela crise do Covid-19. Os protestos que eclodiram como resultado da greve de 28 de abril de 2021 se espalharam pelo território e pelas principais cidades colombianas; em alguns enclaves como Medellín, Pereira ou Cali, as forças policiais, militares e assassinos de aluguel ligados a quadrilhas paramilitares atuaram contra a população civil assassinando dezenas de jovens. Além disso, só este ano, na Colômbia até o mês de novembro ocorreram 88 massacres que levaram ao assassinato de 313 líderes sociais, indígenas ou ativistas de direitos humanos. Também mais de 40 ex-combatentes das FARC foram mortos apesar da tentativa de um longo processo de paz pontuado pela violência do Estado colombiano e dos paramilitares.

Por outro lado, o Haiti vive uma situação de autêntico colapso, quase uma experiência criminosa do capitalismo do século XXI que nos lembra cenas de filmes sobre o assunto. Durante décadas, o Haiti manteve uma entidade estatal que é um paraíso para o ultraliberalismo, governos corruptos e clientelistas, gangues armadas que controlam autoritariamente certos recursos como combustível, e uma população que não possui serviços educacionais, de saúde ou de alimentação básica.

Velhos e novos conflitos: fronteiras criminosas e ocupações de territórios

Durante este ano vimos novos desdobramentos em alguns conflitos internacionais abertos analisados ​​em outras ocasiões em nosso jornal; e outros novos conflitos, como o golpe em Mianmar em fevereiro de 2021, a insurgência no norte do Chade em abril, a reabertura do conflito no delta do rio Níger de camponeses contra companhias petrolíferas ou a revolta de junho na Suazilândia contra sua monarquia absoluta. A guerra na Síria e os ataques turcos ao Curdistão também continuaram durante este ano contra a população de Rojava. Em maio, manifestantes palestinos se defenderam dos ataques da polícia sionista israelense por causa da decisão da Suprema Corte de Israel de expulsar famílias palestinas do bairro de Sheikh Jarrah. O exército israelense realizou ataques aéreos contra a Faixa de Gaza por duas semanas, matando pelo menos 150 civis palestinos. O conflito no Saara foi reaberto há um ano com a entrada de soldados marroquinos na área de Guerguerat, na fronteira com a Mauritânia. Além disso, Joe Biden deixou claro que manterá a política de Donald Trump neste conflito; enquanto a monarquia marroquina usa os migrantes como bucha de canhão na fronteira espanhola como medida de pressão, promovendo o discurso xenófobo e a violência contra os migrantes.

Outros conflitos fronteiriços na velha Europa estariam localizados na passagem do Canal da Mancha, entre a França e a Inglaterra, onde centenas de migrantes estão amontoados em assentamentos sitiados pelo governo francês aguardando sua fuga. Há décadas que a União Europeia assina acordos comerciais com terceiros países, mantendo os migrantes longe das suas fronteiras em troca de dinheiro. Há algumas semanas vimos como a polícia bielorrussa acusou os migrantes, obrigando-os a atravessar a fronteira com a Polônia, onde a repressão policial também os esperava.

A história interminável de violência social enquadrada em um sistema capitalista que faz negócio da miséria humana, eles criam guerras e o povo enterra os mortos.

Fonte: https://www.todoporhacer.org/conflictos-belicos-2021/

Tradução > GTR@Leibowitz__

agência de notícias anarquistas-ana

Nos bambus já escuros,
morcegos, daqui, dali,
também sem destinos.

Alexei Bueno



on Twitter


on Facebook


on Google+




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org