Março 8, 2021
Do Agencia De Noticias Anarquistas
234 visualizações


Por Luisa Marco Sola| 23/02/2021

Emma Goldman nasceu na Rússia czarista, em Kaunas (hoje Lituânia), em 1869. Sua infância foi passada em São Petersburgo sob a sombra de um pai machista e severo que a preparou para uma vida de domesticidade. Emma lembrou seu pai em suas memórias como “o pesadelo de minha infância“. Quando surgiu a oportunidade de ela fugir para a América com sua irmã Helena, ela não pensou duas vezes. Ela trabalhava em uma fábrica têxtil desde os treze anos e seu pai tinha acabado de acordar “a um bom preço” para a casar. Em 1886 ela desembarcou em Nova York, a Terra Prometida. Ela estava deixando para trás sua Rússia natal, mas levou consigo a rebeldia que sempre a acompanharia e o modelo a seguir, o de mulheres russas anti-czaristas como Vera Figner, Olga Liubatóvicht ou Elizabeth Noválskaya, mulheres que viveram para a revolução e não para os homens.

A Terra Prometida desmoronou para ela em 1887, após o enforcamento dos Mártires de Chicago, bodes expiatórios para o motim do Haymarket, exigindo melhorias na mão-de-obra. Os Estados Unidos também tinham suas limitações e uma revolução pendente. Emma Goldman tinha estado envolvida no assunto desde o início. Ela tinha feito campanha em nome dos réus e estava ciente de toda a discriminação presente na sociedade americana. Como operária industrial, mulher, imigrante, de origem russa, judia, recentemente divorciada de um companheiro de fábrica, e jovem, ela sofreu todos eles em primeira mão. As coisas tinham que mudar.

Ela se dedicou de corpo e alma à luta dos trabalhadores a partir de então, colocando sua vida a seu serviço. Ela assumiu a defesa de Alexander Berkman, seu inseparável companheiro, acusado do falido assassinato do empresário Henry Clay Frick, conhecido por usar pistoleiros para dispersar os protestos dos trabalhadores.

Prisões e prisões tornaram-se frequentes (em 1893 ela foi presa pela primeira vez por defender a expropriação de propriedade privada). Rebeca Moreno, em seu livro Feminismos: A História, vai mais longe, afirma que “tal foi o escândalo que suas palestras despertaram e tão frequentes suas prisões, que ela costumava carregar um livro com ela o tempo todo para ler no caso de passar a noite no calabouço“. Ao mesmo tempo, suas proclamações tornaram-se cada vez mais incendiárias: “Peça trabalho; se não lhe dão trabalho, peça pão, e se não lhe dão nem pão nem trabalho, leve pão“.

Mas se seus discursos e reflexões sobre o direito à luta dos oprimidos a tornaram uma besta negra para as autoridades puritanas americanas, suas reflexões sobre o feminismo não deixaram ninguém indiferente. Ela ilustremente equiparava o casamento à prostituição:

Não há um único lugar onde as mulheres são tratadas com base em sua capacidade de trabalho, mas com base em seu sexo. Portanto, é quase inevitável que ela tenha que pagar com favores sexuais pelo seu direito de existir, de manter uma posição em qualquer aspecto. Consequentemente, é apenas uma questão de grau se ela se vende a um homem, dentro ou fora do casamento, ou a muitos. Embora nossos reformadores não queiram admiti-lo, é a inferioridade econômica e social das mulheres que é responsável pela prostituição“. Na verdade, ela manteve uma relação muito próxima com prostitutas, que muitas vezes a ajudaram a se esconder e fugir da polícia e cujas exigências ela fez suas próprias.

Ideologicamente, ela era mais uma feminista radical do que uma anarquista. Na verdade, ela usou a doutrina anarquista para explicar a opressão da mulher como algo sistêmico, enraizado não apenas nas instituições, mas também nas mentalidades. É precisamente por isso que suas ideias estavam fora do pensamento feminista da época, cujos preceitos e estratégias Emma desprezava. Tal foi o caso da luta pelo sufrágio, pois para ela o caminho para a emancipação da mulher não era através da participação na sociedade burguesa. Suas ideias tinham mais em comum com o socialismo, mas ela desconfiava dos partidos e de qualquer forma de participação política. Somente o anarquismo foi capaz de fornecer respostas, identificando Deus, o Estado, a sociedade e o “tirano inconsciente” presente em cada homem como as causas da opressão feminina. Da mesma forma, ela afirmou que a única maneira de alcançar uma verdadeira mudança social era, inevitavelmente, uma revolução. Ela foi uma das primeiras vozes a defender a homossexualidade e o uso de contraceptivos, o que lhe rendeu muitos inimigos. Em essência, tanto sua vida pessoal quanto seu pensamento vanguardista a colocaram anos-luz à frente de seu tempo. Mas a verdade é que ela mesma nunca procurou qualquer tipo de aprovação. Esse foi seu traço mais marcante: um pensamento tão radical quanto livre.

Suspeita de envolvimento no assassinato do Presidente William McKinley, que ela sempre negou, e tendo feito intensa campanha contra a intervenção americana na Grande Guerra, ela foi finalmente deportada para a Rússia em 1919.

O arquiteto de sua expulsão foi o próprio Edgar Hoover, diretor do FBI, o mesmo homem que inequivocamente a descreveu como “a mulher mais perigosa do mundo“. Ela não era tão perigosa, e Hoover sabia disso, mas simbolizava uma época em que, aos seus olhos, eles tinham sido muito permissivos com os agitadores de massa. E era uma era a ser fechada agora que a experiência russa havia mostrado que a revolução não era mais um perigo remoto.

Ela permaneceu na Rússia até 1921. Após um período inicial no qual ela se sentiu profundamente envolvida com os “camaradas” russos, ela logo se desiludiu. Ela logo rejeitou a deriva autoritária dos bolcheviques, bem como o recurso ao parlamentarismo em detrimento de uma ação direta. Suas impressões foram contidas em dois textos: Minha desilusão com a Rússia e Minha posterior desilusão com a Rússia. Mas não lhe cabia parar nas palavras, e assim em 1922 ela participou da revolta anarco-sindicalista em Kronstadt contra os bolcheviques.

Depois disso, Goldman iniciou um novo exílio no qual, após uma breve escala no Canadá, ela se estabeleceu na Grã-Bretanha graças ao apoio da esquerda trabalhadora. Durante uma breve estadia em Saint-Tropez, ela sentiu pela primeira vez o impulso de escrever suas memórias: “Descobri para minha grande consternação que a velhice, longe de oferecer sabedoria, maturidade e tranquilidade, é muitas vezes uma fonte de senilidade, estreiteza de espírito e ressentimento. Não pude me arriscar a essa calamidade e comecei a pensar seriamente em escrever minha vida“. Graças ao patrocínio de Peggy Guggenheim, ela pôde dedicar-se a suas memórias, Vivendo Minha Vida, que logo se tornou um enorme sucesso internacional.

Sua última batalha foi travada na Espanha durante a Guerra Civil. Embora as autoridades britânicas tenham obstruído por todos os meios sua transferência para a península, ela conseguiu fazer três longas visitas durante as quais aprendeu sobre as experiências coletivistas na frente do Ebro e pôde conversar com Buenaventura Durruti (a quem dedicou um artigo veemente intitulado Durruti está morto, mas vivo). A perseguição do Partido Obrero de Unificación Marxista (POUM) na primavera de 1937 a preocupou profundamente e a forçou a romper a equidistância que tinha mantido até então em relação ao marxismo e ao trotskismo. Apesar disso, ela continuou trabalhando a partir da Grã-Bretanha para os mais vulneráveis na Comissão de Ajuda às Mulheres e Crianças Desabrigadas e na Solidariedade Internacional Antifascista.

Emma Goldman fez da revolução sua vida, e de sua vida uma revolução. E o feminismo, seu feminismo radical e livre, foi parte desta revolução. Ela o proclamou em seus comícios: “Eu exijo a independência da mulher, seu direito de se sustentar, de viver para si mesma, de amar a quem ela quiser, ou a quantos ela quiser. Exijo liberdade para ambos os sexos, liberdade na ação, no amor, na maternidade”. Para ela, as mulheres tiveram que impor sua luta pela emancipação como parte inalienável da luta dos trabalhadores porque, como ela disse, “se eu não posso dançar, não quero estar em sua revolução“.

Ela morreu em Toronto em 14 de maio de 1940.

Luisa Marco Sola

Doutora em História Contemporânea. Autora de vários livros e artigos sobre o catolicismo e a Guerra Civil Espanhola.

Fonte: https://elobrero.es/la-zurda/62363-la-mujer-mas-peligrosa.html

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

o vento sopra
cabelos esvoaçam
momentos passam

Rosana Hermann




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org