Dezembro 3, 2020
Do Agencia De Noticias Anarquistas
322 visualizações


No dia 19 de novembro às 19h30, foi realizada uma palestra no Ateneo Libertario del Palomar (llenguadoc, 25) com companheiros anarquistas da Bielorrússia, tanto pessoalmente como por videoconferência, sobre a repressão contra o anarquismo neste país do Leste Europeu, após os protestos contra a reeleição do Presidente Alexander Lukashenko por possíveis fraudes eleitorais e suas políticas sociais e econômicas. O nome dado a estas mobilizações vem de uma fotografia, mostrada por vários meios de comunicação ocidentais, de um homem manifestando-se na capital Minsk com dois sapatos na mão. Os compatriotas bielorrussos nos informaram que houve várias prisões, cerca de 400, como resultado dos protestos para a reeleição de 9 de agosto de 2020.

No início, eles nos disseram que o anarquismo bielorrusso era minoritário e não tinha muita capacidade de mudar a realidade: os principais protagonistas eram pessoas comuns que estavam fartas do regime. Além disso, houve a tática, que reduziu muito sua capacidade de defesa, das autoridades para prendê-los preventivamente e prendê-los por alguns dias (geralmente 15 dias que poderiam ser prolongados por outros 15) na esperança de que a situação se acalmasse. Eles também apontaram que, a princípio, a preocupação e a atenção da polícia estava voltada principalmente para os partidos da oposição e não para os libertários. A tática naquela época era ir às manifestações individualmente sem mostrar bandeiras negras ou outros símbolos que as identificassem como uma corrente sócio-política.

Mais tarde, eles começaram a sair com seus próprios blocos em Minsk, seu discurso antiautoritário e a entreter os protestos com música, o que, segundo os oradores, fez com que muitos manifestantes os vissem com simpatia por causa do novo e diferente caráter que suas proclamações expressavam em relação aos partidos políticos tradicionais de oposição. Junto com os libertários, havia também alguns torcedores do futebol que foram presos e torturados por participarem dos protestos. O surgimento destes novos sujeitos políticos nas mobilizações está relacionado ao abandono progressivo da rua pela oposição oficial que atualmente se dedica a tarefas inócuas, como a coleta de assinaturas on-line. Tudo isso se traduziu, como esperado, na transferência de parte do eixo repressivo para o movimento minoritário, mas ativo e libertário no país.

Também é necessário apontar as tarefas de apoio, realizadas pelos ácratas bielorrussos aos manifestantes civis, sobre como enfrentar a repressão da polícia anti-motim: indicando o inoportuno ante o lançamento de bombas de fumaça ou abrindo contas no telegram para realizar o chamamento às ruas. Estes, dos quais existem três, são os únicos meios atualmente utilizados para este fim. Atualmente há 12 anarquistas e antifascistas na prisão. O caso que está despertando a solidariedade dos revolucionários no momento é o de 4 antifascistas que estão na prisão por bloquearem uma rua e confrontarem a polícia. Também é urgente apoiar 4 anarquistas presos por tentarem atravessar a fronteira para a Ucrânia, pois eram procurados por supostamente atacarem com fogo alguns edifícios e carros da polícia: um conseguiu escapar, mas os outros foram capturados pela polícia.

Um desses camaradas foi consequentemente condenado a 8 anos de prisão. Há também outro caso de um youtuber anarquista que foi preso por dar conselhos na Internet sobre como lidar com a violência repressiva do Estado. Outro preso libertário foi selvagemente torturado e acabou fornecendo suas senhas de telegram. Vários ativistas tiveram que deixar o país por causa de sua militância feminista, antifascista e libertária. O Estado bielorrusso é totalmente liberado em suas estratégias repressivas e intimidatórias e chegou ao ponto de procurar de porta em porta por manifestantes simplesmente para carregar bandeiras: eles normalmente colocam um capuz sobre suas cabeças e os levam para alguma floresta próxima, onde os ameaçam de morte. As autoridades, diante da impotência causada pelo fato de que as mobilizações não pararam, passaram da punição com multas para a prisão.

Os números são mais de 25.000 detidos e mais de 1.000 presos nos últimos meses. Além disso, há mais de 4.000 casos relatados de maus-tratos a detentos, certificados por relatórios médicos, nenhum dos quais resultou em condenação de qualquer policial. Mesmo o governo chegou ao ponto de lançar uma ofensiva repressiva contra o corpo médico por denunciar a tortura. Os palestrantes nos disseram que Minsk hoje é como o romance distópico de George Orwell de 1984 porque tudo está sob controle: um bairro que se destacou por ter muitas bandeiras anti-governamentais teve seu abastecimento de água cortado. Agora as autoridades estão ocupadas impedindo que as pessoas se reúnam para futuros comícios e manifestações.

Há um certo desânimo por parte dos camaradas anarquistas de ver que eles estão atualmente em uma fase de retiro tentando evitar casos mais repressivos: isto contrasta com os primeiros meses quando parecia que a iniciativa estava sendo tomada mais. Em resposta a algumas das intervenções do público, os palestrantes (tanto os que estavam presentes no Ateneu quanto o camarada que falava do país via videoconferência) apontaram que, sim, há alguns torcedore de ultradireita que participaram dos protestos, mas sem fazer um show de seu simbolismo: neste sentido, pode nos lembrar dos protestos dos coletes amarelos na França, onde estes indesejáveis também participaram das manifestações, levando a confrontos com os antifascistas e a esquerda revolucionária.

A questão era sobre o fato de que em outros movimentos sociais ao redor do mundo, como por exemplo os protestos no Egito que terminaram com a demissão de Hosni Mubarak, a presença de torcedores do futebol também foi observada: isto parece contrastar com as características de um certo hooliganismo na Espanha que parece, em geral, bastante apolítico se não diretamente contrário às mobilizações (acho que me lembro de algumas ameaças da rede destes setores do socialismo de Barcelona ao Acampamento 15-M na Plaza Catalunya coincidindo com uma de suas celebrações). Ele também se perguntou sobre a posição dos anarquistas bielorrussos em relação ao apoio de certos grupos da esquerda estalinista ao governo de Lukashenko sob o discurso demagógico pseudo-anti-imperialista contra o Ocidente que as autoridades estão tratando.

Neste sentido, vale lembrar que a Bielorrússia tem relações estreitas com o imperialismo russo e que, em qualquer caso, as posições reacionárias de defesa do país contra o inimigo externo são a estratégia que todo nacionalismo com tons fascistas na Europa tem historicamente utilizado. Os palestrantes apontaram, então, que eles não consideram os grupos estalinistas como esquerda, mas como direita (o que indica, em minha opinião, um certo respeito por este termo que contrasta um pouco com slogans que costumamos usar nos anarquistas espanhóis como esquerda e direita a mesma merda e similares). Por outro lado, não é estranho qualificar o estalinismo como direita, considerando que alguns partidos comunistas dogmáticos como os gregos, tchecos ou russos têm se mostrado contra os direitos das pessoas trans, refugiados ou próximos ao nacionalismo e ao cristianismo ortodoxo conservador.

Assim, indicaram que, como resultado, não é possível encontrar a participação de grupos estalinistas no antifascismo bielorrusso. Por outro lado, teria sido interessante perguntar se existe algum confronto com algum tipo de antifascismo institucional, já que os países da órbita ex-soviética que ainda são governados por seus herdeiros ideológicos, como é o caso aqui, tendem a lidar com um antifascismo vazio que está demagogicamente relacionado à luta contra os nazistas na Segunda Guerra Mundial. Os palestrantes também indicaram, de uma forma que eu não conseguia entender bem, a participação ocasional de grupos comunistas e trotskistas da Rússia nos protestos e que estavam tentando organizar os trabalhadores, já que parece que não existem grupos deste tipo no país.

Acho esta afirmação estranha porque, segundo entendi, existem dois partidos comunistas na Bielorrússia que se distinguem, precisamente, por seu caráter oficial ou de oposição, respectivamente. Talvez pudesse se referir a algum outro tipo de grupo marxista que eu não conheço. Como o camarada comentou, os anarquistas mandaram esses grupos comunistas e trotskistas da Rússia para o inferno. Finalmente, deve ser observado que, segundo o sociólogo Volodymir Artiuk em seu artigo Partisanos ou trabalhadores? O protesto bielorrusso e suas perspectivas, as manifestações têm um apoio significativo da classe média urbana e dos trabalhadores: neste sentido, a Greve do Metrô de Minsk em 1995 ou, atualmente, a revolta proletária na fábrica de tratores na mesma cidade que, junto com trabalhadores de outras fábricas, marcharam junto com os manifestantes anti-Lukashenko, devem ser apontados como marcos na luta de classe contra Lukashenko.

Segundo Artiuk, estes são princípios de auto-organização que rompem com o sindicalismo burocrático oficial: pois o governo do filosoviético de Lukashenko sempre procurou confinar a classe trabalhadora dentro de estruturas burocráticas de obediência às instituições, prometendo estabilidade no emprego às custas de baixos salários. Um modelo híbrido, então, entre um controle institucional que procura diluir a consciência de classe e substituí-la pela obediência aos comandos, e o neoliberalismo capitalista e sua consequente deterioração do poder de compra e do padrão de vida dos trabalhadores. Fiquei me perguntando se esta ordenação dos grupos marxistas mandados ao inferno corresponde a uma tentativa libertária de estar presente nos locais de trabalho ou simplesmente de trabalhar em outros espaços. Neste sentido, o sindicato de trabalhadores e manifestantes, juntamente com o papel agitador que os libertários podem desempenhar, levará esperançosamente a mais do que uma simples dor de cabeça para o governo capitalista autoritário de Lukashenko.

Alma apátrida

Fonte: https://alma-apatrida.blogspot.com/2020/11/la-revolucion-de-las-pantuflas-los.html

Tradução > Liberto

Conteúdos relacionados:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2020/11/19/bielorrussia-contra-o-capitalismo-e-a-ditadura-pela-solidariedade-internacionalista/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2020/11/04/quatro-anarquistas-detidos-na-fronteira-da-bielorrussia-por-acoes-diretas/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2020/09/11/franca-paris-solidariedade-com-prisioneiros-anarquistas-na-bielorrussia-e-em-todo-o-mundo/

agência de notícias anarquistas-ana

Flauta,
cascata de pássaros
entornando cantos úmidos.

Yeda Prates Bernis




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org