Julho 14, 2021
Do Agencia De Noticias Anarquistas
337 visualizações


Por Verónica Viñas | 05/07/2021

Ele morreu, como todos os heróis, muito jovem. Apesar de ser chamado de Buenaventura, ele era um homem sem sorte. Prestes a completar 125 anos após seu nascimento, sua biografia tem muitas lacunas, especialmente as estranhas circunstâncias de sua morte, que os historiadores lutam para desvendar, sem fechar este capítulo obscuro do revolucionário anarquista.

Ele nasceu em 14 de julho de 1896 em León, no seio de uma família humilde. Em uma cidade atormentada pela miséria e pelo desemprego, Buenaventura Durruti ingressou nas Ferrovias muito cedo, ao mesmo tempo em que se afiliou primeiro à UGT e depois à CNT. Seu nome apareceu nos jornais por ocasião do assalto ao Banco da Espanha em Gijón, com um saque de 675.000 pesetas; um roubo para financiar a causa revolucionária. Durruti fugiu então para a França e retornou em 1920.

Com vários grupos – Los Justicieros, Crisol e Los Solidarios – ele realizaria vários planos insurrecionais, sempre sob ideais anarquistas e em defesa do proletariado. Ele retornou a León em 1931 para assistir ao funeral de seu pai. Um ano depois ele foi preso e deportado para as Ilhas Canárias e o Saara, mas a pressão popular conseguiu libertá-lo alguns meses depois. Em outubro de 1934 Durruti junta-se à revolta das Astúrias, 14 dias de heroica e desigual batalha dos trabalhadores contra o Exército. Em 1935, após um grande comício em Leon, ele foi preso pela Guarda Civil. Entre suas vicissitudes, sua tentativa de matar Alfonso XIII em Paris.

Em 1936, a lendária Coluna Durruti, formada por 8.000 homens e com o líder de Leon na frente, marchou de Aragão para defender Madri. Na capital espanhola, Durruti encontrou sua morte. Ele morreu no dia 20 de novembro daquele ano, após doze horas de agonia. Sua morte permanece um enigma, pois nunca foi esclarecida. Durruti morreu de um tiro, talvez acidentalmente, de sua própria pistola ou, segundo outras versões, foi executado pelo sargento Manzana, campeão olímpico de tiro com pistola, que se juntou a Durruti; ou foi atingido por uma bala inimiga na luta para recuperar o Hospital Clínico de Madri, nas mãos das tropas mouriscas. No Hotel Ritz, transformado em um hospital da milícia, Durruti perdeu a batalha com a morte. Ele tinha 40 anos de idade. As declarações das testemunhas eram completamente contraditórias, talvez porque por trás de cada versão estava escondido o interesse político de cada uma delas. A família sempre manteve a tese de que o assassino era o sargento Manzana, que, após o trágico episódio, desapareceu misteriosamente. O funeral do anarquista de León, realizado em Barcelona e seguido por centenas de milhares de pessoas, contribuiu para torná-lo um personagem lendário. Com ele também morreu uma utopia.

Ele era um homem extraordinariamente alto na época e tinha uma personalidade avassaladora. Quando ele entrava em um lugar, todos sabiam que ele estava lá. No entanto, a imagem que transcendeu é a de um revolucionário duro, carismático e muito inflexível. Se alguma coisa o definiu, foi sua luta contra a injustiça.

Durruti continua sendo um dos grandes mitos da Guerra Civil. Dezenas de ensaios e romances foram publicados a seu respeito. Mas nenhum deles fechou os capítulos mais controversos da biografia do revolucionário de León.

Fonte: https://www.diariodeleon.es/articulo/cultura/infinitas-vidas-muertes-durruti/202107050133302127783.html

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

livro aberto gelado
o norte geme no vento
sobre a página branca

Lisa Carducci




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org