Julho 20, 2021
Do Agencia De Noticias Anarquistas
353 visualizações


Ataques do Exército contra manifestações de mulheres trabalhadoras

Empregadores birmaneses exigem “colocar ordem” na Birmânia

Infelizmente, sabe-se que em 1° de fevereiro passado o exército birmanês encenou um golpe de Estado para instalar uma junta militar no poder. Assim, pôs um fim à caricatura da democracia que existia na Birmânia até então. Desde então, a prisão e a acusação das figuras mais conhecidas da oposição democrática têm se destacado na mídia. Todos nós assistimos às cenas angustiantes de repressão brutal em resposta ao movimento de protesto contra a junta. O número de mortos está nas centenas, em um interminável gotejamento macabro. Cidades e aldeias inteiras que haviam estado em revolta foram arrasadas pelas forças do Estado.

Os ataques armados aos manifestantes não são a única ferramenta utilizada pelo exército para disciplinar a população que protesta. Paralelamente a esses massacres criminosos, foi instalado um regime de terror na vida cotidiana, em aldeias, bairros e locais de trabalho, incluindo uma forte repressão aos sindicatos. Nos últimos anos, um movimento trabalhista de base muito ativo e militante vinha se desenvolvendo em Mianmar, que estava ganhando uma forte presença em setores como o têxtil. Agora, como temíamos, os proprietários de fábricas e teares têm sido rápidos a usar as forças uniformizadas para tentar esmagá-lo.

Nossos camaradas da FGWM (Federação dos Trabalhadores Gerais de Mianmar) relatam que desde o final da greve geral em março passado, os chefes têm usado o exército para pôr fim a qualquer disputa trabalhista manu militari. Além disso, frequentemente colaboram ativamente com a junta para perseguir as mulheres sindicalistas mais reconhecidas e dissidentes proeminentes.

Assim, as representantes sindicais femininas são perseguidas tanto por sua defesa dos direitos dos trabalhadores quanto por seu papel na oposição ao regime militar, por se manifestarem em manifestações, por exigirem condições de trabalho decentes ou por convocarem uma greve geral. Muitas vezes, elas tiveram que fugir de suas casas e abandonar seus empregos, e foram forçadas a uma situação muito precária, sob constante risco de serem denunciadas por um empregador vingativo e presas, torturadas ou sumariamente executadas por um exército criminoso.

A CNT e a CIT entendem que qualquer apoio internacional deve estar de acordo com as necessidades dos trabalhadores e das trabalhadoras que se organizam no território. Não, claro, ao que pode parecer mais conveniente para aqueles que acompanham a situação a partir de outro contexto. Independentemente da precisão, ou não, de nossas avaliações, são sempre os protagonistas do conflito quem decide os parâmetros de suas lutas e quem toma as decisões. Este é um princípio federativo básico. É por isso que pedimos a nossas irmãs que nos dissessem como a solidariedade pode ser realizada neste caso. Você pode ver a resposta deles nas cartas anexas.

Esta é a origem desta campanha. Apesar de tudo, não está em nosso poder colocar um fim imediato ao regime militar ou impedir os massacres. Eles estão bem cientes disso. Mas podemos, com o melhor de nossa capacidade, contribuir para a eliminação desta perna do terrorismo dos patrões, um componente importante do regime repressivo que está subjugando o povo da Birmânia.

Para conseguir isso, convidamos todos os sindicalistas e organizações de trabalhadores com os mesmos ideais, todos aqueles que são contra o brutal golpe de Estado na Birmânia e o terror que o exército birmanês impôs à população, a assinar a petição anexa e a colaborar na presente campanha.

Agora é o momento, com a ajuda de todos, de mostrar solidariedade internacional. Em um mundo cada vez mais conectado e globalizado, não podemos pensar que a luta contra o autoritarismo e a repressão sindical em qualquer canto do mundo não é de nossa responsabilidade.

Assine a petição, espalhe a campanha, colabore para pôr fim ao duplo terror do exército e dos chefes!

Qualquer pessoa interessada em saber mais sobre o assunto pode entrar em contato com exteriores@cnt.es.

Fonte: https://www.cnt.es/noticias/campana-contra-la-represion-obrera-en-myanmar/

Tradução > Liberto

Conteúdo relacionado:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2021/05/24/peticao-internacional-de-solidariedade-com-o-movimento-de-desobediencia-civil-de-mianmar-cdm/

agência de notícias anarquistas-ana

as crianças
naquele pátio, e o sol
brincando de esconder

Carlos José Ribeiro




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org