171 visualizações

José Manuel M. Póliz, secretário geral da CGT: “Nosso DNA é este: todos os acordos que são gerados são o resultado das decisões das pessoas filiadas à nossa organização”. A Confederación General del Trabajo (CGT) tem agora uma presença em todas as províncias da Espanha. Esta é uma consequência do crescimento que a organização anarcossindicalista vem experimentando nos últimos anos, tornando-a uma opção sindical honesta, séria e real diante das ações dos sindicatos institucionais ou convencionais.

A pandemia do coronavírus atrasou por mais de dois anos a inauguração desta nova sede em uma cidade tão importante como Teruel, e chega em um momento muito positivo tanto para o anarcossindicalismo quanto para a CGT.

César Yagües, Secretário Geral da CGT Aragón-La Rioja, explicou que isto era um reflexo do aumento do número de afiliados e lembrou que dentro de algumas semanas outra sede será aberta em Zaragoza. Yagües também lembrou que a pandemia de Covid-19 trouxe não apenas meses muito ruins para a saúde, mas também para a atividade sindical e social em todo o estado. “É por isso que neste momento temos que apostar em outra forma de fazer sindicalismo, e a CGT é uma opção mais do que válida para responder em nossa sociedade a todas as exigências da classe trabalhadora”.

A CGT é, segundo o Secretário Geral José Manuel M. Póliz, uma organização sindical que já criou raízes em toda a Espanha: há cada vez mais pessoas filiadas e isto significa que temos que buscar instalações mais acessíveis e maiores para que possamos funcionar com base na atividade que o sindicato gera. Nas palavras de Muñoz Póliz, “a chave para o crescimento da CGT é que ela é uma organização muito participativa”. Os membros são os que decidem o que querem. Não há executivos que o façam por eles na assinatura de acordos, reformas trabalhistas, ou qualquer outro tipo de ação que não envolva a assembléia de companheiros”. Segundo Poliz, um exemplo disso pode ser visto recentemente na greve dos metais na Baía de Cádiz, onde a CGT avançou com as mobilizações, incluindo a greve, quando outras organizações sindicais chegaram a acordos com os patrões sem levar em conta os sentimentos dos trabalhadores afetados, que sentiram que tinham que continuar lutando contra a precariedade nesta região andaluza.

A situação foi explicada por José Manuel M. Póliz na coletiva de imprensa para apresentar a nova sede à mídia: “Desde a crise de 2008, onde as pessoas começaram a sofrer muito porque muitas pessoas saíram do trabalho e os empregos que ficaram também eram muito precários, enquanto a UGT e a CC.OO. caíram em 25% em seus níveis de filiação à CGT, notamos que estávamos crescendo. Nossa organização trabalha de uma maneira totalmente diferente. Na UGT e CC.OO., no sindicalismo institucional, por assim dizer, é a liderança que decide por todos os membros. Acreditamos que os trabalhadores afetados pelo fechamento de sua empresa têm uma palavra a dizer, eles são os que melhor conhecem as circunstâncias de seus empregos, e por esta razão não podemos impor-lhes nenhuma decisão ou solução, como aconteceu com o fechamento da SINTEL em Madrid. Os sindicatos do regime impuseram uma solução aos trabalhadores sem sua contribuição, razão pela qual muitos deles acamparam por algum tempo no Paseo de la Castellana”.

Pablo Herreros (CGT Teruel Secretário Geral) está bem ciente da situação do emprego na província. “Estamos crescendo muito na SARGA, que é uma empresa onde o trabalho é casual e muito precário. As pessoas estão procurando outro modelo de sindicalismo que responda aos seus problemas reais e porque o sindicalismo tradicional não o está fazendo”. “Além disso”, disse Herreros aos jornalistas, “temos companheiros que se organizaram na Cruz Vermelha, ganhando as eleições pela primeira vez nesta empresa e assinando um novo acordo na província de Teruel que melhorou muito suas condições de trabalho na ONG”.

Pablo lembrou que na CGT eles estão conscientes de que não têm o mesmo aparelho ou o mesmo poder de convocação na mídia convencional, mas pouco a pouco, o trabalho está dando frutos e a CGT tem conseguido um reconhecimento muito importante.

Fonte: https://cgt.org.es/cgt-inaugura-una-nueva-sede-en-teruel-ante-el-aumento-de-la-afiliacion/

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

espiral de sol –
luz nas frestas da
escada em caracol

Carlos Seabra



on Twitter


on Facebook


on Google+




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org