Dezembro 30, 2020
Do Agencia De Noticias Anarquistas
399 visualizações


La Rueca demitiu 20 trabalhadores nos últimos meses. Da seção sindical da CNT, denunciam casos de insegurança sistemática no trabalho, danos à saúde dos trabalhadores e numerosas violações dos direitos trabalhistas pela entidade

Na quarta-feira, 16 de dezembro, a seção sindical da CNT em La Rueca publicou uma declaração denunciando o despedimento de 20 trabalhadoras sem solução de continuidade. O delegado da seção sindical da empresa disse ao El Salto que neste momento existem 8 reclamações contra a entidade por categorias de emprego e 3 para reconhecimento de antiguidade, que se somam às que serão colocadas para os últimos despedimentos em dezembro. Entre janeiro e fevereiro do ano passado, 5 reclamações foram resolvidas por demissões injustas. “As denúncias nunca chegam a um julgamento, são sempre negociadas, porque no caso de chegar a um julgamento, a entidade não poderia cumprir com os requisitos para entrar em licitações e subsídios”, disse o sindicato.

La Rueca é uma associação sem fins lucrativos que tem como objetivo trabalhar e defender a mudança social nos bairros mais desfavorecidos da capital. Entretanto, para outro dos trabalhadores consultados por este meio, que prefere não dar seu nome por recomendação dos advogados e está com a entidade há mais de 4 anos, há uma contradição óbvia entre a estrutura da associação e seus objetivos: “a entidade, apesar de ter 30 anos de idade, não tem base social, há dois anos só tinha três ou quatro pessoas associadas. Eles usam os trabalhadores como uma base social fictícia. Quando eles têm que elaborar planos estratégicos, o fazem através de jornadas de trabalho”.

A entidade foi fundada em 1990 por Javier Pomar, Antonio Llorente (atual presidente) e Ángel Serrano em Ciudad Lineal. Javier Pomar foi Chefe de Serviços Sociais na Ciudad Lineal e ocupou cargos no distrito até que a equipe de Manuela Carmena o levou e o designou para a Área de Serviços Sociais, que então foi separada do distrito. Ele tem atualmente cerca de 100 trabalhadores. A seção sindical da CNT foi constituída em 2018. Até então, os conflitos trabalhistas eram tratados através de um sistema concebido pela entidade que sistematicamente não cumpria os acordos com os trabalhadores.

Uma das primeiras ações do sindicato foi organizar uma demanda coletiva para derrubar em 2019 o sistema de avaliação de mão-de-obra que permitisse à empresa justificar demissões justificadas. Outro dos trabalhadores filiados assinala que desde o aparecimento da seção sindical “o conflito aumentou e toda vez que há demissões, como neste caso, aqueles de nós que foram identificados como sindicalistas somos os primeiros, embora mais tarde nunca se possa provar, sabe-se que esta é uma prática comum no setor”.

As 20 demissões começaram em janeiro, com a metade da equipe designada para projetos de coexistência. “Eles nos negam a possibilidade de sub-rogação, eles vão contra nossa estabilidade no trabalho”. Eles poderiam ter aplicado um ERTE como foi feito na FRAVM e em seu projeto de revitalização da vizinhança para que pudéssemos continuar a receber nosso salário enquanto esperávamos pelo que ocorrerá na licitação”.

Elas continuaram em agosto, quando demitiram os técnicos do projeto TecnoLab. De acordo com sua antiguidade nos contratos, a entidade deveria tê-los tornado indefinidos. Eles denunciaram e ganharam no julgamento. Para cobrir estas perdas e não perder o projeto, La Rueca abriu uma área para energizar os jovens, através da qual os usuários mais veteranos do projeto de intervenção juvenil agora realizam o trabalho dos trabalhadores contratados em uma categoria inferior e por hora. O secretário da seção sindical também informa que “estas demissões ocorrem ao mesmo tempo que a compra de um caminhão chamado “TecnoTruck” por entre 20.000 e 30.000 euros para apoiar projetos de levar tecnologia a bairros desfavorecidos, mas o caminhão não se moveu e não tem nenhum projeto atribuído a ele”.

Entretanto, todos os trabalhadores consultados concordam que isto é um reflexo do setor e está enraizado no fato de que o trabalho comunitário está passando de ser gerenciado por convênios para licitações da administração pública. Ao entrar na competição de licitações, as entidades procuram oferecer projetos menos caros a fim de ganhar pontos e ganhar os projetos.

Stress e ansiedade

“Se você tem férias, não podemos conseguir o concurso público e não conseguimos o projeto”, com esta frase eles estavam pressionando da empresa Merino e Merino para que um trabalhador não pedisse férias. A CNT se refere a outros conflitos no setor para ressaltar que esta é uma realidade que se repete de forma estrutural e sistemática, não apenas em La Rueca. O sindicato assinala que “nunca há qualquer acompanhamento sobre o não cumprimento dos direitos trabalhistas na aplicação destes documentos de licitação pública”. Como no caso da empresa que recebeu o contrato, Servicios Profesionales Sociales, que denunciamos por não cumprimento das especificações sem receber uma resposta da Administração”.

Isto tem consequências para a saúde dos que trabalham no setor. El Salto falou com Ana Lucy, uma faxineira da associação por 12 anos que teve várias doenças associadas às suas condições de trabalho, incluindo uma embolia pulmonar em 2015.

“Foi-me dito que este não era um trabalho para ter filhos”. Um dos trabalhadores da empresa, consultado por esta mídia, que não quer revelar seu nome por medo de represálias, nos diz que vem trabalhando com a organização em diferentes projetos em San Blas desde 2016. Após o período de confinamento mais duro em abril, a empresa instou os trabalhadores a retornar aos seus empregos de teletrabalho em junho. “Pedi para continuar trabalhando à distância para que eu pudesse me reconciliar, pois minha filhinha estava em casa, sem escola e minha esposa estava trabalhando 8 horas. Eles não me deixavam e eu tinha que denunciar a empresa”, diz ele.

“Praticamente todas as licenças por doença que recebemos são devido ao estresse e à ansiedade”, diz o secretário da seção sindical. “Outra trabalhadora que não chegou a formalizar uma denúncia o incidente nos disse que estava ameaçada de demissão se ela mesma não fizesse o trabalho, o que, segundo a proposta, deveria ter sido feito por três técnicas. A diretoria se reuniu com ela para coagi-la”, acrescenta outro colega, que reconhece que “há muitas pessoas sob medicação e sob estresse que continuam a trabalhar, muitos de nós estamos tomando ansiolíticos”.

Segundo relatórios do Mutua de Fremap apresentados pelo sindicato, o absenteísmo no trabalho dobrou desde 2017 e apontam que isto se deve a um aumento significativo da pressão de trabalho. A taxa de absenteísmo do setor para 2019 é de 2,29% e em La Rueca chega a 4,25%, quase dobrando a média. Isto é confirmado pelo número de acidentes relacionados ao trabalho. Em 2018, houve apenas um caso de acidente de trabalho. Em 2019 houve 5 casos de acidentes com afastamento por doença.

Os trabalhadores consultados por esta mídia concordam que há chantagem em vários níveis por parte da empresa. Chantagem emocional ligada à sua conexão com o projeto e os usuários para que você aceite ser pago menos e fazer horas extras. Mas também uma chantagem de trabalho, educando que se você não ceder, por exemplo para baixar sua categoria e ganhar dinheiro, a entidade não ganhará o concurso e você perderá seu emprego.

Ataques ao sindicalismo

A seção sindical da CNT é a única em La Rueca e teve representação variando de 25 a 30 por cento da força de trabalho. A partir daí, o delegado e o secretário denunciam várias medidas ilegais que a empresa aplica para minar o sindicato.

“São-nos sistematicamente negados todos os direitos à informação de duas maneiras. Por um lado, não conhecemos as contas reais da empresa, não sabemos quanto os gerentes ganham, não sabemos nem mesmo quantos trabalhadores há no total. E, por outro lado, temos o direito de informar aqueles que trabalham aqui. La Rueca tem a obrigação de nos fornecer todo o correio nominal dos trabalhadores para informá-los e não o faz. Além disso, eles tentam constantemente intervir nas comunicações sindicais que fazemos”, explicam.

Acrescentam que as atas nunca são extraídas de reuniões de diretoria onde são tomadas decisões estratégicas ou de reuniões com os próprios sindicatos. Também não estão incluídos em planos de prevenção de riscos ocupacionais, ou em medidas de prevenção durante a pandemia. Eles também relatam casos em que foi negada aos delegados sindicais a possibilidade de estarem presentes durante a comunicação de demissão e rescisão.

Fonte: https://www.elsaltodiario.com/laboral/cnt-denuncia-20-despidos-ansiedad-y-precariedad-en-la-rueca

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

Escorre pela folha
a tarde imensa,
pousada em gota d’água.

Yeda Prates Bernis




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org